Avaliada em US$ 120 bi, Uber quer lançar ações na Bolsa

Abertura de capital vai viabilizar que investidores e funcionários da empresa vendam suas ações na Bolsa de Valores dos EUA

Aplicativo UberAplicativo Uber - Foto: úrsula freire/arquivo folha

A Uber entrou confidencialmente na semana passada com documentos iniciais para autoridades regulatórias americanas visando fazer sua abertura de capital no ano que vem, de acordo com o jornal The Wall Street Journal.

Leia também:
MP pede que Uber tenha CPF de passageiros no aplicativo
Projeto de lei que regulamenta aplicativos de transporte é aprovado na Câmara do Recife

Segundo executivos com conhecimento do assunto, é esperado que a companhia seja avaliada em aproximadamente US$ 120 bilhões (R$ 470 bilhões) em sua estreia na Bolsa. Com isso, essa pode ser a maior oferta de ações do próximo ano e uma das cinco maiores de todos os tempos, de acordo com a Bloomberg.

A informação vem pouco depois de a Lyft, rival americana da companhia, anunciar, na quinta-feira (6), o plano de entrar na Bolsa de Valores, também no próximo ano.
A Lyft deve fazer sua abertura de capital em março ou abril. A Uber corre para estrear no mercado no primeiro trimestre de 2019.

O projeto de abertura de capital da Uber foi apelidado internamente de "Projeto Liberdade", por dar a esperada oportunidade de investidores e funcionários da companhia de vender suas ações após anos de espera, diz o Wall Street Journal.

A mais recente avaliação do valor de mercado da Uber foi de US$ 70 bilhões, realizada em agosto, quando a startup vendeu uma fatia de suas ações para a Toyota por US$ 500 milhões.

Outra startup que pode fazer sua abertura de capital em 2019 é o Airbnb, de aluguel de hospedagem pela internet. Com isso, espera-se um ano recorde em termos de capital levantado por empresas de tecnologia.

Mesmo tendo transformado o setor de transportes mundo afora e obtido um crescimento acelerado, a Uber ainda acumula prejuízos em seus balanços. No terceiro trimestre deste ano, as perdas da companhia foram de US$ 1,07 bilhão. O avanço no faturamento foi de 37%. 

O Wall Street Journal afirma que a empresa não deve sair do vermelho nos próximos três anos. Em sua trajetória, a Uber levantou US$ 20 milhões em investimentos. Já a Lyft captou US$ 5,1 bilhões.

Veja também

Caixa antecipa pagamento de terceira parcela do auxílio emergencial
Economia

Caixa antecipa pagamento de terceira parcela do auxílio emergencial

Lucro das incorporadoras cai pela metade no 1º trimestre
Economia

Lucro das incorporadoras cai pela metade no 1º trimestre