Azul aposta em avião maior que os Embraer para entrar na ponte aérea

A companhia entrou na rota depois que herdou slots da Avianca nos aeroportos de Congonhas e Santos Dumont

Avião da Azul Avião da Azul  - Foto: Divulgação

A Azul indica que vai apostar forte na ponte aérea Rio-São Paulo, o trecho aéreo mais lucrativo do país. A companhia, que entrou na rota depois que herdou slots da Avianca nos aeroportos de Congonhas e Santos Dumont, solicitou à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para operar na ponte com o Airbus A320neo.

Com capacidade para até 174 passageiros em classe econômica, esse avião já é operado pela Azul em rotas que partem de seus três hubs -Viracopos, Confins e Recife- e é o mais moderno da frota de curta e média distância da companhia.

Por ser maior que o Embraer E-195, que leva até 118 passageiros e era a outra opção da Azul para a rota, o A320neo reduz o custo por passageiro da operação, o que potencializa a lucratividade. Para pousar no Santos Dumont, aeroporto considerado crítico por ter uma pista mais curta (1.323 metros de comprimento), aviões do porte do Airbus A320 e do Boeing 737 -maiores que os Embraer- precisam de adaptações especiais.

Leia também:
Azul, MAP e Passaredo ficam com slots da Avianca em Congonhas
Quatro empresas aéreas disputam slots da Avianca em Congonhas; decisão sai nesta terça 

A Gol teve de pedir à Boeing um pacote específico para os freios do 737 chamado  Short Field Performance (SFP). E foi apenas em maio deste ano que um A320 pousou no aeroporto carioca, com a Latam, que também instalou adaptações nas asas e motores. Até então, a empresa e a Avianca operavam o irmão menor A319 na ponte aérea.
Já o A320neo da Azul recebeu modificações conhecidas como Short Airfield Package (Sharp), também destinado à operação em pistas curtas.

Desde que a Avianca entrou em recuperação judicial e efetivamente deixou de operar voos, apenas Latam e Gol estavam voando na ponte aérea, uma concentração inédita nos 60 anos da ligação entre Congonhas e Santos Dumont.

A competição pelo espólio da Avianca azedou de vez o clima entre as três grandes companhias remanescentes, levando inclusive à saída da Azul da Abear (Associação Brasileira das Empresas Aéreas), fundada pelas quatro em 2012.

Veja também

Violência contra a mulher também é um problema econômico, diz presidente da Avon
Avon

Violência contra a mulher também é problema econômico, diz presidente

1 em 4 servidores do Executivo Federal receberá até 2021 adicional por promoção
servidores

1 em 4 servidores do Executivo Federal receberá até 2021 adicional por promoção