NEGÓCIOS

Azul: veja por que ações da companhia aérea disparam 38% em um só dia

Acordo anunciado no domingo prevê renegociação de 90% dos débitos com companhias que arrendam aviões para a empresa. Lucro no quarto trimestre foi de R$ 1,1 bilhão

Aeronave Airbus A320neoAeronave Airbus A320neo - Foto: Divulgação/Azul Linhas Aéreas

As ações da Azul dispararam nesta segunda-feira (6), após a empresa ter anunciado acordo com empresas de leasing de aeronaves para reestruturação de suas dívidas e que prevê a conversão de parte dos créditos em ações da empresa. O acerto, ao lado do lucro do quarto trimestre divulgado hoje, dá fôlego ao caixa da companhia.

Os papéis preferenciais da Azul (AZUL4, sem direito a voto) dispararam e terminaram o dia com alta de 37,98%, negociados a R$ 9,99, após terem atingido a máxima de R$ 11,49, com alta superior a 50%. As ADRs, recibos de ações negociados na Bolsa de Nova Yok, subiram 40,62%, negociadas a US$ 5,85.

Para analistas de bancos e corretoras, mesmo sem detalhes sobre informações relevantes do acordo anunciado na noite de domingo, a negociação abre espaço para uma melhor geração de recursos do caixa durante o ano, melhorando o perfil de crédito da empresa e aumentando o prazo médio da sua dívida. Assim como outras companhias aéreas, a Azul sofreu muito com a pandemia, mas agora mostra ter ganhado fôlego.

— O balanço da Azul veio muito bom, mas acredito que o impacto positivo nas ações vem do anúncio do acordo de leasing. Ela conseguiu alongar o prazo de suas dívidas, e isso melhora em muito o cenário para a empresa — disse o head de renda variável e sócio da A7 Capital, André Fernandes.
 

Nas últimas semanas, os papéis apresentavam desempenho fraco, e a empresa chegou a ser rebaixada por agências de risco. Mesmo com a disparada no dia, as ações preferenciais ainda têm queda acumulada de 9,26% no ano.

Com a recuperação vista nesta segunda-feira, a Azul passa a ter valor de mercado de R$ 3,352 bilhões.

No domingo, a Azul anunciou ao mercado que conseguiu firmar acordos com as empresas de leasing que representam mais de 90% de seu passivo com arrendamentos. Neste ano, a empresa tinha a pagar cerca de R$ 3,8 bilhões em arrendamento de aeronaves e vinha negociando um alongamento das dívidas.

Em relatório, analistas do Itaú BBA avaliam o acordo como positivo, pois "deve aliviar a saída de caixa relacionada às aeronaves arrendadas, uma das principais preocupações para o curto prazo".

Gol também sobe
O acordo ocorreu dois dias após a Gol ter anunciado a obtenção de um investimento de US$ 1,4 bilhão (R$ 7,2 bilhões) da holding Abra Group, controladora de Gol e Avianca. A injeção será de US$ 451 milhões em dinheiro e US$ 1,077 bilhão de bonds da Gol. O negócio envolve a emissão de notas sênior e de notas conversíveis sênior com vencimento em março de 2028 e juros de 18%, sendo 4,5% em dinheiro e o restante capitalizado.

Os papéis PN da Gol (GOLL4) avançaram 23,78%, cotados a R$ 6,35. No ano, ainda cumulam queda de 13,49%.

Quem também se beneficiou das altas do setor foi a CVC, com os papéis ordinários da companhia (CVCB3, com direito a voto) subindo 19,29%, negociado a R$ 3,34. Em 2023, os ativos ON da CVC ainda caem 25,61%.

— Quando o mercado percebe que o risco de crédito para essas empresas começa a diminuir em relação às dívidas de curto prazo, ele reprecifica esses ativos, contribuindo positivamente para a alta das ações ligadas a esses setores.

Lucro de R$ 1,1 bi no 4º tri
O lucro da Azul no último trimestre do ano passado foi de R$ 1,1 bilhão. O resultado positivo mitigou as perdas da companhia no ano passado. A Azul teve prejuízo de R$ 722,4 milhões no ano, 83% a menos do que a perda registrada em 2021.

A demanda por voos no quarto trimestre foi recorde na empresa e a receita total foi de R$ 4,5 bilhões de setembro a dezembro, 19% a mais que o registrado no mesmo período do ano passado e 37% acima do faturamento do último trimestre de 2019, anterior à pandemia.

Em 2022, a receita operacional da Azul chegou a R$15,9 bilhões, 39,4% mais que a de 2019 e 60% acima da de 2021. O faturamento da companhia tem sido impulsionado pela alta demanda por voos e pelo preço médio das passagens aéreas, que tem registrado forte alta em razão, principalmente, dos aumentos no preço do querosene de aviação (QAV).

Somente na Azul, a tarifa média aumentou 40% em 2022, na comparação com o ano anterior, chegando a R$ 588,70 por trecho em dezembro.

Apesar do prejuízo em 2022, a companhia aérea teve no ano passado R$ 3,23 bilhões de lucro antes de juros impostos depreciação e amortização (o chamado EBITDA) importante indicador sobre a saúde da operação. O montante é 16 vezes o EBITDA de 2021. Para este ano, a previsão da empresa é chegar a um EBITDA superior a R$ 5 bilhões, de acordo com o presidente da Azul, John Rodgerson.

Entenda o acordo da Azul
Rodgerson disse ao Globo que a expectativa é que os acordos sejam estendidos a todas as 15 empresas que arrendam suas aeronaves para a Azul. A investidores, ele afirmou que espera que isso ocorra "nas próximas duas ou três semanas" e que, quando isso ocorrer, a companhia divulgará informações mais detalhadas sobre eles.

O passivo de leasings representa hoje 79% da dívida da Azul e somam cerca de R$ 14 bilhões. Todo esse valor foi renegociado com alongamento de prazos para pagamento, mas não houve descontos. Neste ano, a Azul tinha previsão de pagar R$ 3,8 bilhões em arrendamentos, sendo aproximadamente R$ 600 milhões referentes a diferimentos de leasing da época da pandemia. O valor restante, de R$ 3,2 bilhões, não será pago integralmente neste ano, mas a companhia ainda não informou qual é o montante que deverá desenbolsar em 2023.

— Falamos que a moeda do Brasil se desvalorizou e pedimos um preço justo pelo leasing agora. A diferença de preço será paga em 2030 e parte dela em equity (ações). Com isso, resolvemos nossa situação de caixa neste ano e nos próximos sete anos. A gente tinha um buraco de R$ 3 bilhões neste ano — afirma Rodgerson.

De acordo com a Azul, o acordo prevê o portergameto dos passivos de leasing diferidos durante a pandemia e um desconto, agora, dos aluguéis de aeronaves para preços de mercado. As empresas de leasing aceitaram receber os diferimentos e o desconto dos arrendamentos em 2030. As arrendadoreas receberão títulos de dívida negociável com vencimento em 2030, que representa 40% dos débitos, e ações da empresa que serão "precificadas de forma a refletir a nova geração de caixa da Azul, sua melhor estrutura de capital e a redução em seu risco de crédito", representanto os 60% restantes.

Ou seja, o preço a ser pago pelas ações no futuro deverá ser maior que o atual valor de face dos papéis, hoje depreciados. Em 12 meses, o valor da ação da Azul caiu 59,55%, atingindo R$ 7,24 no pregão da última sexta-feira.

— Estamos com o valor das ações hoje em quatro vezes o nosso EBITDA, mas historicamente o nosso preço sempre foi oito vezes, então esse pagamento em equity será no preço normal, não no depreciado. Isso diminui a diluição dos acionistas e mantém a estrutura de controle da companhia — ressalta o executivo.

Alta de 40% do QAV desde 2019
John Rodgerson afirma, ainda, que a Azul poderá levantar capital se necessário, apesar de seu endividamento ainda elevado. No fim de 2022, o endividamento bruto da Azul era de R$ 21,8 bilhões, 5,3% a menos do que em dezembro de 2021.

A alavancagem mensurada como o múltiplo da dívida líquida em relação ao EBITDA dos últimos doze meses era de 5,7, considerado elevado. Um ano antes, porém, o indicador chegara a 11,2.

A Azul e o setor aéreo brasileiro como um todo são negativamente impactados pela alta no preço do querosene de aviação, cujo preço é atrelado ao dólar e subiu 36% desde o início de 2022, já considerando a recente redução de 13,8% anunciada pela Petrobras na semana passada.

Desde 2019, o aumento no preço do insumo supera os 120% de acordo com a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear). O combustível representa hoje aproximadamente 40% dos custos de uma linha aérea no Brasil.

Veja também

Meta e Apple discutem parceria em inteligência artificial, diz Wall Street Journal
TECNOLOGIA

Meta e Apple discutem parceria em inteligência artificial, diz Wall Street Journal

Grandes usinas solares igualam capacidade da hidrelétrica de Itaipu
energia limpa

Grandes usinas solares igualam capacidade da hidrelétrica de Itaipu

Newsletter