Baixa adesão faz Caixa prorrogar até dezembro renegociação de dívidas

A expectativa era que a renegociação alcançasse quase 3 milhões de clientes -2,629 milhões de pessoas físicas e 319.960 pessoas jurídicas

Caixa EconômicaCaixa Econômica - Foto: José Cruz/Agência Brasil

A adesão abaixo do esperado no programa de renegociação de dívidas da Caixa Econômica Federal levou o banco público a prorrogar até dezembro a campanha para regularizar a situação de clientes com atrasos superiores a 360 dias.

Inicialmente, o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, havia estipulado um prazo de 90 dias, a contar a partir de 28 de maio, para que os clientes com contratos lançados a prejuízo, com dívidas vencidas até quatro anos, renegociassem suas pendências. Os descontos vão de 40% a 90%, mas o pagamento só poderia ser feito à vista. O programa não inclui dívidas com garantia, como crédito habitacional.

A expectativa era que a renegociação alcançasse quase 3 milhões de clientes -2,629 milhões de pessoas físicas e 319.960 pessoas jurídicas. Se todos pagassem, nas contas de Guimarães, o banco recuperaria R$ 4 bilhões. A projeção do presidente, contudo, era bem mais modesta, de reaver somente R$ 1 bilhão.

Leia também:
Caixa reduz juros para pessoas físicas e empresas e vai lançar app para baixa renda
Antecipação do FGTS depende da Caixa, dizem bancos
Caixa detalhará saques de FGTS de até R$ 500 a partir de 5 de agosto
Caixa poderá cobrar taxa de quem transferir dinheiro do saque do FGTS a outro banco

Até 31 de julho, no entanto, somente R$ 300,3 milhões haviam sido recuperados, ou menos de um terço do total projetado.

Diante desse cenário, o banco decidiu estender o prazo para que os clientes possam regularizar sua situação. As dívidas têm valor entre R$ 50 e R$ 5 milhões.

Segundo o banco, 69% dos clientes pessoas físicas possuem dívida de até R$ 500. De R$ 500 a R$ 1.000 são mais 500 mil, enquanto 100 mil clientes devem de R$ 1.000 a R$ 2.000. Até 60% dos clientes têm renda até R$ 1.500, e outros 23% têm renda de até R$ 3.000.

Para pessoas físicas, a maior parte das dívidas (24,7%) é de crédito consignado, enquanto 18,1% são referentes ao cartão de crédito e 15,2%, com o cartão material de construção.

Ao prorrogar o prazo, o banco conta com o impacto positivo da liberação de até R$ 500 de contas ativas e inativas do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) na economia.

O cronograma de saques será divulgado pelo banco na segunda-feira (5). Guimarães espera ao menos 106 milhões de beneficiados com a retirada dos recursos. O banco também mantém um programa de renegociação do financiamento habitacional atrasado, mas esse sem prazo para acabar.

A Caixa espera recuperar R$ 1 bilhão com a regularização, de um universo de R$ 10,1 bilhões de dívidas em atraso de 5,2 milhões de contratos ativos -entre eles, do programa Minha Casa Minha Vida, embora o banco não detalhe o número total desses imóveis na renegociação.

Entre as opções oferecidas está a de pagar à vista uma entrada e incorporar as parcelas atrasadas em prestações a vencer. Também poderão usar o saldo do FGTS para quitar até três prestações atrasadas, ou mudar a data de vencimento das prestações -algo que o banco não permite hoje.

O banco quer também dispensar do pagamento de juros e multa cerca de 51 mil famílias com atraso superior a 180 dias, se elas pagarem uma prestação de entrada. Segundo Guimarães, o benefício será aplicado aos casos em que juros e multa somem quase o valor de uma prestação.

Veja também

Folha esclarece dúvidas sobre a Previdência
Folha Previdência

Folha esclarece dúvidas sobre a Previdência

Governo custeará pesquisas para mapear potencialidades de setores econômicos estratégicos
Pernambuco

Governo custeará pesquisas para mapear potencialidades de setores econômicos estratégicos