Banco central americano reduz taxa básica de juros

Desde 2008, quando chegou a quase zero, taxa não era cortada

Dólar, moeda americanaDólar, moeda americana - Foto: Arquivo/Agência Brasil

O banco central dos Estados Unidos – Federal Reserve, ou FED – anunciou uma redução da taxa básicas de juros do país em 0,25% ponto percentual, para um patamar de 2% a 2,25%. Esse foi o primeiro corte na taxa desde 2008.

O banco central americano alegou nessa quarta-feira (31) que a atividade econômica continua sólida nos EUA, mas reconheceu as incertezas provocadas pelas tensões comerciais internacionais e o fraco panorama da economia mundial. A queda dos juros foi decidida por um placar de oito votos a favor e dois contra entre os membros do FED.

"Vamos deixar claro: não é o começo de uma longa série de cortes da taxa", afirmou o presidente do FED, Jerome Powell, decepcionando o mercado que aguardava um longo período de baixas. Ele disse, porém, que também não significa que haverá apenas uma redução.

Leia também:
Banco Central reduz juros básicos para 6% ao ano
Banco Central mantém juros básicos no menor nível da história


Os dados macroeconômicos mais recentes apontam uma desaceleração dos EUA, assim como de Europa e China. A economia americana se desacelerou no segundo trimestre, segundo o primeiro cálculo oficial, ao registrar um crescimento de 2,1% no período de 12 meses. No primeiro trimestre, a alta havia sido de 3,1%.

Já a inflação caiu dois décimos percentuais em junho, para 1,6%, considerando o acumulado nos últimos 12 meses. Com isso, permanece abaixo da meta estipulada pelo FED, de 2% anual.

Nos últimos meses, o presidente americano, Donald Trump, vinha criticando severamente o banco central e cobrando uma redução dos juros.

Veja também

Conselho Monetário Nacional digitaliza e amplia programa de microcrédito
economia

Conselho Monetário Nacional digitaliza e amplia programa de microcrédito

Pesquisadores contestam impacto da reforma tributária sobre o PIB do Brasil
reforma tributária

Pesquisadores contestam impacto da reforma tributária sobre o PIB do Brasil