Banco Central mantém juros básicos no menor nível da história

Os juros estão no patamar atual desde março de 2018, quando o Copom do BC encerrou o ciclo de cortes iniciado em 2016

Banco CentralBanco Central - Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

O Banco Central manteve nesta quarta-feira (19) a taxa básica de juros (Selic) em 6,50% ao ano. Os juros estão no patamar atual desde março de 2018, quando o Copom (Comitê de Política Monetária) do BC encerrou o ciclo de cortes iniciado em 2016 e colocou a Selic em sua mínima histórica.

A divulgação de dados econômicos deste primeiro semestre, que indicam cenário de estagnação ou até recessão, além de queda na inflação, aumentou as apostas de que o BC iria sinalizar na reunião desta quarta cortes na taxa básica até o final do ano.

O BC tem afirmado, no entanto, que há fatores que devem ser considerados, como a frustração das expectativas sobre a continuidade das reformas econômicas. Até a semana passada, as projeções do mercado, de acordo com a pesquisa Focus feita pelo BC, eram de três cortes de 0,25 ponto ainda neste ano, nas reuniões do Copom de setembro, outubro e dezembro. Com isso, a taxa fecharia 2019 em 5,75% ao ano.

Leia também:
Banco Central mantém juros básicos no menor nível da história
Economia sofreu interrupção, mas Banco Central vê retomada adiante

A projeção para o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) em 2019 está em 0,93%, abaixo do verificado nos dois anos anteriores (1,1%). Além de dados que indicam atividade econômica fraca, foram divulgados nas últimas semanas números que mostram queda da inflação. O IPCA (índice de preços ao consumidor) está em 4,66% no acumulado dos últimos 12 meses. A projeção para o ano é de 3,84%, para uma meta de inflação de 4,25.

Na terça-feira (18), o presidente do BCE (Banco Central Europeu), Mario Draghi, que vinha preparando o mercado para um aperto na política monetária, afirmou que um estímulo econômico adicional será necessário e que ainda pode cortar os juros.

A declaração irritou o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que acusou Draghi de buscar vantagem comercial injusta ao desvalorizar o euro. O Fed (Federal Reserve), banco central americano, também já havia desistido de elevar os juros.

Nesta quarta-feira (19), a instituição manteve a taxa básica de juros entre 2,50% e 2,25% ao ano, com indicação de que deve cortar o juro na próxima reunião.
O cenário contribuiu para que a Bolsa de Valores fechasse pela primeira vez acima dos 100.000 pontos.

Veja também

Carrefour encerra negociações de fusão com canadense, diz agência
Negócios

Carrefour encerra negociações de fusão com canadense, diz agência

Dólar sobe para R$ 5,30, mas acumula queda na semana
Cotação

Dólar sobe para R$ 5,30, mas acumula queda na semana