Economia

Banco do Nordeste investiu R$39,8 bilhões aos empreendedores em 2020

Em um recorde histórico, o banco destinou R$4,6 bilhões para mini, micro e pequenas empresas

Banco do NordesteBanco do Nordeste - Foto: Divulgação

Leia também

• Banco do Nordeste investe R$ 2 bilhões de crédito emergencial

• BNB lança pacote de renegociação de dívidas com novos prazos

Beneficiando empreendedores de todos os portes, o Banco do Nordeste investiu em 2020 R$39,8 bilhões em sua área de atuação, que compreende os estados do Nordeste, o norte de Minas Gerais e o Norte do Espírito Santo. Do dinheiro investido, R$25,8 bilhões foram aplicados com recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE) por meio de mais de 774 mil operações de crédito.

“O nosso orçamento seria em torno de R$39,5 bilhões, nós ultrapassamos os volumes do SNE, e isso nos gratifica muito porque nós fomos o banco de fomento do setor produtivo de todos os polos, de todos os segmentos da nossa região e principalmente no ano de 2020 que demandou bastante”, pontua o presidente do BNB, Romildo Carneiro Rolim.

Do total, R$12,1 bilhões foram destinados a microempreendedores urbanos por meio do programa Crediamigo, que oferta crédito produtivo e orientado para capital de giro e investimentos. O valor foi 14% maior do que no ano de 2019.

No âmbito rural, o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) alcançou R$3,4 bilhões, por meio de 583 mil operações contratadas no período. Destas, 96,8% empregaram a estratégia de microcrédito produtivo na área rural, por meio do Agroamigo, o que equivale a R$2,9 bilhões, valor 15% maior do que no ano passado.

Em Pernambuco, foram aplicados R$4,4 bilhões ao todo, com mais de 356 milhões de contratações. Dessas 280,2 milhões de operações foram realizadas pelo Crediamigo, que destinou cerca de R$767,2 milhões para os microempreendedores pernambucanos. Por meio do FNE, R$3,55 bilhões foram aplicados no Estado. Já no Pronaf, o volume contratado atingiu R$403,4 milhões, dos quais R$325,3 milhões foram aplicados pelo programa de microcrédito rural, Agroamigo. No caso das mini, micro e pequenas empresas pernambucanas, foram destinados R$675,9 milhões em volume de crédito. 

Com um investimento de R$14,7 bilhões, o Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste dinamizou a economia de localidades economicamente menos favorecidas, promovendo a integração competitiva desses municípios à base produtiva regional. Do total, 57% das operações foram contratadas com empreendimentos localizados em zonas Semiárido.

Apesar das dificuldades para os empreendedores em meio à pandemia da Covid-19, o Banco do Nordeste apresentou um índice histórico no volume contratado para o segmento de mini, micro e pequenas empresas, com um aporte de R$4,6 bilhões, totalizando 49,4 mil operações, 26,8% maior frente ao ano anterior. “Nós dizemos que queremos ser o banco das micro e pequenas empresas. Focamos bastante no período da pandemia nas nossas estratégias emergenciais de fazer operações de capital e giro para esse segmento. As operações de crédito para manter a liquidez foram excelentes, para manter os empregos e a estrutura de despesas fixas dos empreendimentos”, explica o presidente.

Veja também

Novo chefe da PF muda coordenador de setor de combate à corrupção
Polícia Federal

Novo chefe da PF muda coordenador de setor de combate à corrupção

Inflação acelera para todas as faixas de renda em março, diz Ipea
Economia

Inflação acelera para todas as faixas de renda em março, diz Ipea