auxílio emergencial

Banco não pode bloquear dinheiro do auxílio de R$ 600

A proibição está no projeto de lei 2.801/2020, aprovado pela Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (15)

Movimentação nas agências da Caixa, no RecifeMovimentação nas agências da Caixa, no Recife - Foto: Rafael Furtado / Folha de Pernambuco

Leia também

• Dataprev conclui análise de contestações do auxílio emergencial

• Projeto prevê internet gratuita durante a pandemia para quem recebe Bolsa Família ou auxílio

• Deputados podem votar projeto que impede penhora de auxílio emergencial

• Câmara aprova projeto que proíbe penhora e bloqueio do auxílio emergencial

O dinheiro do auxílio emergencial não poderá ser bloqueada por bancos ou na Justiça caso o cidadão que receba o benefício federal tenha alguma dívida.

A proibição está no projeto de lei 2.801/2020, aprovado pela Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (15). A única exceção para o bloqueio dos valores é se o cidadão tiver dívida de pensão alimentícia. Neste caso, até 50% do benefício poderá ser bloqueado.

O projeto aprovado diz ainda que, enquanto durar o estado de calamidade pública por causa da pandemia de coronavírus, nenhum benefício social que consista em distribuição de renda poderá ser bloqueado por bancos ou na Justiça. Também é proibida a penhora do valor para pagar dívidas.

@@[email protected]@

Agora, a proposta precisa ser avaliada pelo plenário do Senado e sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para que possa começar a valer.

O objetivo é proteger os cidadãos que recebem o benefício, pago pelo governo federal na crise causada pela Covid-19.

Em abril, quando o auxílio começou a ser liberado, o Ministério da Cidadania fechou
acordo com os bancos para que o valor não seja usado para quitar dívidas em caso de contas com saldo negativo.
A medida tem sido cumprida até agora, mas por se tratar de um acordo, não há força de lei.

O auxílio emergencial foi criado pelos parlamentares para tentar sanar a falta de renda de informais e desempregados na pandemia de coronavírus. O valor é de R$ 600, mas pode chegar a R$ 1.200 para as mães chefes de família.

Previsto para durar por três meses, o benefício terá, ao todo, cinco pagamentos. A liberação dos valores depende de calendário da Caixa. Não é mais possível se inscrever para ter a grana, mas quem já foi aprovado receberá cinco parcelas.

Dinheiro na pandemia | Nova lei
- A Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe o bloqueio da grana do auxílio emergencial de R$ 600
- O objetivo é proteger os cidadãos que recebem o benefício, pago pelo governo federal na pandemia de coronavírus
Entenda a regra aprovada:
- Segundo o projeto de lei 2.801/2020, enquanto durar a pandemia do novo coronavírus, o cidadão que receber o auxílio de R$ 600 não poderá ter a grana bloqueada ou penhorada em caso de dívidas no banco ou na Justiça ((((destacar)))
- A exceção vale apenas nos casos em que se tratar de pensão alimentícia, quando poderá ser retido até 50% do valor
Como funciona o pagamento:
- O auxílio emergencial terá cinco pagamentos por parte do governo federal
- O valor é de R$ 600, mas pode chegar a R$ 1.200 para as mães chefes de família
- Podem receber o auxílio trabalhadores informais, contribuintes individuais do INSS, MEIs (microempreendedores individuais), cidadãos inscritos no CadÚnico e beneficiários do Bolsa Família
É preciso:
- Ser maior de 18 anos (exceto mães)
- Estar desempregado ou ser trabalhador informal
- Não receber benefícios como aposentadoria ou seguro-desemprego
- Ter renda familiar de até três salários (R$ 3.135) mínimos ou de meio salário mínimo (R$ 522,50) por pessoa da família
- Ter recebido menos de R$ 28.559,70 no ano de 2018

Fonte: Projeto de lei 2.801/2020, Câmara dos Deputados e reportagem

Veja também

Guedes anuncia debandada e saída de dois secretários especiais da Economia
brasil

Guedes anuncia debandada e saída de dois secretários especiais da Economia

Bolsonaro assina projeto de lei para estimular navegação de cabotagem no Brasil
governo

Bolsonaro assina projeto de lei para estimular navegação de cabotagem no Brasil