Baterias da Samsung: por que explodem e as consequências para a empresa

Confira algumas respostas para as perguntas que todo mundo tem se feito após os problemas do Note 7

Suspeitos da operaçãoSuspeitos da operação - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

A Samsung, líder mundial em telefonia móvel, anunciou nesta terça-feira (11) a suspensão total da produção de seu mais recente modelo, o Galaxy Note 7, devido aos riscos de explosão das baterias do aparelho, abrindo uma crise no gigante sul-coreano.

A decisão acontece depois de uma série de incêndios causados pelas baterias de íon de lítio, que são usadas em aparelhos como notebooks e até aviões, passando pelos smartphones.

A seguir, algumas perguntas sobre os crescentes problemas de segurança nos aparelhos Samsung, a retirada do mercado dos Note 7 e as razões pelas quais as baterias podem pegar fogo.

Como funcionam as baterias e por que pegam fogo?

As baterias de íons de lítio usadas pela Samsung, produzidas por várias outras companhias, entre elas sua filial Samsung SDI, são do tipo recarregável e que utilizam diversos materiais, um com íons positivos - o catodo - e outro com íons negativos - o anodo.

Estes íons se deslocam em uma direção no momento da carga, e no sentido inverno quando descarregam com o uso.

Estes dois condutores não devem teoricamente estar em contato, por isso os produtores inserem separadores para que permaneçam isolados.

Infelizmente, a reação química que permite que as baterias funcionem também cria calor. Uma sobrecarga do artefato - ou uma carga muito rápida - pode provocar o fogo.

O que ocorreu com as baterias da Samsung?

A Samsung admite que algumas partes da bateria que nunca deveriam entrar em contato se o fizeram foi devido "a um erro pouco comum no processo de produção".

A corrida por melhores resultados para incrementar a autonomia de uma bateria, em um mercado muito competitivo, pode levar a resultados inesperados.

"Os fabricantes de 'smartphones' tentam reduzir o tamanho dessas baterias para toná-las mais finas", explica Hideki Yasuda, analista do Ace Research Institute de Tóquio.

"Dado que as baterias geram energia mediante uma reação química, é difícil reduzir o risco de ignição a zero", acrescenta.

Isso já ocorreu antes?

Sim. Ocorreram combustões em diferentes produtos como notebooks Sony Vaio, bicicletas elétricas e, inclusive, componentes dos aviões Boeing Dreamliner.

Qual a extensão do problema?

Todos os anos são produzidas milhões de baterias com íon de lítio, e a proporção das que são defeituosas é pequena.

No caso da Samsung, o chefe da divisão de telefonia do grupo assegurou em setembro que a porcentagem de aparelhos defeituosos era de 24 para um milhão.

A Samsung se viu forçada a ordenar, em 2 de setembro, um recall mundial de 2,5 milhões de unidades do Note 7, depois que alguns aparelhos pegaram fogo durante a recarga.

Isso pareceu paliar a crise, mas em seguida revelou-se que os aparelhos distribuídos para substituir os defeituosos também apresentavam os mesmos problemas.

"Não é fácil determinar no momento se outros fabricantes têm o mesmo problema que a Samsung", afirma Yasuda.

"Se os fornecedores de baterias vendem para outros fabricantes de celular, estes aparelho também podem ser afetados", acrescenta.

Quais as consequências do caso Samsung?

Devido a esta crise e ao anúncio da suspensão total da produção e da venda do Note 7, as ações da Samsung caíram nesta terça-feira 8% na bolsa de Seul.

Além disso, os analistas acreditam que este caso poderá custar à Samsung 10 bilhões de dólares ou mais.

O caso afeta também gravemente a imagem da marca, em um contexto de competição feroz tanto como iPhone da americana Apple quanto com os celulares chineses de baixo custo.

A crise do Note 7 igualmente acontece em um momento crítico para o grupo, agora em plena transição geracional de sua direção, cuja capacidade de tomar boas decisões está sendo questionada.

Veja também

Ministro do STF propõe validar imposto sobre heranças transmitidas no exterior
impostos

Ministro do STF propõe validar imposto sobre heranças transmitidas no exterior

Economia repassa R$ 60 milhões para o Ministério do Meio Ambiente
governo

Economia repassa R$ 60 milhões para o Ministério do Meio Ambiente