BC reduz taxa básica de juros em 0,25 ponto percentual, para 13,75% ao ano

É o segundo corte da taxa desde outubro de 2012

Além da Lenda no Dia do Brincar Além da Lenda no Dia do Brincar  - Foto: divulgacao

O Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central anunciou nesta quarta-feira (30) a redução da taxa básica de juros (Selic) em 0,25 ponto percentual, para 13,75% ao ano.

É o segundo corte da taxa desde outubro de 2012. O primeiro ocorreu no dia 19 do mês passado, quando o Copom reduziu a Selic em 0,25 ponto percentual, para 14% ao ano.

A redução de 0,25 ponto nesta quarta-feira era amplamente esperada pelo mercado. Dos 53 economistas consultados pela Bloomberg, 46 aguardavam um corte desta magnitude. Os outros sete projetavam um corte maior, de 0,50 ponto percentual.

A Selic a 13,75% na última reunião do Copom do ano também era estimada pelos economistas ouvidos pelo BC no Boletim Focus, divulgado na última segunda-feira (28).

Antes da eleição do republicano Donald Trump para a presidência dos EUA, no dia 8, a maior parte do mercado apostava em um corte de 0,50 ponto percentual, para 13,50% ao ano.

A visão mais otimista do mercado se devia ao arrefecimento do IPCA, o índice oficial de inflação, apesar de a ata da reunião do Copom de outubro ter indicado preocupação com a persistência da inflação de serviços. O BC também condiciona a redução gradual da Selic ao ajuste fiscal.

Desde a vitória de Trump, o dólar já subiu cerca de 7% ante o real, com a leitura do mercado de que a economia americana vai acelerar sob o governo do republicano, elevando a inflação e, consequentemente, os juros naquele país.

A valorização da moeda americana é um fator de pressão sobre a inflação no Brasil, o que pode comprometer o ciclo de queda da Selic - fator essencial para a retomada do crescimento econômico.

Veja também

Milionários pedem que governos tributem ricos para pagar conta do coronavírus
Tributos

Milionários pedem que governos tributem ricos para pagar conta do coronavírus

Nova gasolina se torna obrigatória em agosto e deve ser mais cara
economia

Nova gasolina se torna obrigatória em agosto e deve ser mais cara