Computador
ComputadorFoto: Divulgação

A Experis, empresa do ManpowerGroup anuncia 30 vagas de desenvolvedores para atuar em uma multinacional de tecnologia em Recife. São 20 oportunidades para o cargo de Desenvolvedor Java Pleno/Sênior e 10 para Desenvolvedor Front-End Pleno/Sênior.
Para se candidatar à vaga de desenvolvedor Java o profissional precisa ter ensino superior completo ou estar cursando e conhecimento e experiência em desenvolvimento JAVA.

O conhecimento da linguagem PL/SQL, que é uma linguagem de programação, considerado pela empresa como um diferencial para concorrer à vaga. O profissional selecionado atuará com programação, desenvolvimento e implantação de sistemas em linguagem Java, realizando ainda correções em sistemas para atender às necessidades dos usuários e desenvolver trabalhos de montagem, depuração e testes de programas já desenvolvidos.

Já para atuar como desenvolvedor Front-End, o profissional também deve ser formado ou estar cursando o ensino superior, além de ter conhecimento e desenvolvimento Front-End, utilizando as tecnologias Angular e Javascript. O conhecimento da linguagem Node JS é um diferencial. O profissional contratado terá a responsabilidade de projetar, construir e otimizar as interfaces de um projeto web.

A remuneração para as duas vagas segundo a Experis é competitiva e o pacote de benefícios das vagas inclui vale-refeição, vale-transporte, plano de saúde, previdência privada, desconto na compra de ações da empresa, plano de carreira e desenvolvimento e acesso constante a tecnologia de ponta.

Os interessado em concorrer a alguma das vagas podem se cadastrar por meio do portal experis.manpowergroup.com.br/, e pesquisar as vagas por meio dos códigos 22869, para a vaga de desenvolvedor Java, e 22868, para desenvolvedor Front-End.

Audiência pública realizada nesta terça-feira pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS)
Audiência pública realizada nesta terça-feira pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS)Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O projeto de lei que regulamenta a demissão de servidores públicos concursados e estáveis por insuficiência de desempenho no trabalho não pode ser uma arma apontada para o funcionalismo, mas deve fazer parte de um projeto de gestão para otimizar a performance do setor público. A opinião é de participantes de audiência pública realizada nesta terça-feira (2) pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS).

Para a professora Renata Vilhena, da escola de negócios Fundação Dom Cabral, tratar o projeto (PLS 116/2017) meramente como um instrumento para demitir servidores é uma visão inadequada. O principal uso da medida deve ser como parte de um planejamento estratégico de metas e resultados.

"O objetivo não é desligar servidores. Queremos identificar os gaps [lacunas] e as potencialidades para alocar o servidor no melhor local e fazer com que ele seja mais produtivo. No caso de ele não responder a isso, aí sim o desligamento, porque as próprias equipes de trabalho não acham justo ter alguém que não está contribuindo", disse.

Renata Vilhena é especialista em gestão pública e foi secretária de Planejamento no governo de Minas Gerais. Ela observou que o modelo padronizado de avaliação de servidores que já existe no serviço público brasileiro (originário da reforma do Estado da década de 1990) não leva em conta especificidades de diferentes órgãos e carreiras e mistura critérios de desempenho com critérios de comportamento, dificultando uma avaliação objetiva.

A economista Ana Carla Abrão destacou que a falta de um sistema preciso de avaliação do desempenho funcional distorce a lógica do serviço público. Para ela, a ausência de ferramentas que permitam valorizar o servidor produtivo e reabilitar o improdutivo perpetua um sistema que garante a todos o mesmo tratamento, independentemente do trabalho entregue.

"O que estamos fazendo com serviço público é ruim para o cidadão, que não recebe serviço, e para o servidor, que não está devidamente motivado e capacitado. Estamos com um modelo que não gera os melhores incentivos e, por isso mesmo, não gera os melhores resultados", afirmou.

Ana Abrão defendeu a manutenção da estabilidade funcional, mas salientou que esse instituto não deve ser usado para proteger o mau servidor. Para ela, existem modelos já consagrados de avaliação no setor público que permitem identificar os méritos e necessidades de cada um com isenção, impessoalidade e justiça. A economista citou Reino Unido, Chile e Cingapura como países que já adotam essas práticas com sucesso.

Já o presidente da Associação Nacional de Apoio aos Concursos e Exames – ACONEXA. “Estamos atentos e acompanhando cada passo deste projeto. Está claro que o princípio da eficiência é previsto pela Constituição Federal, isso não se discute. Todavia, é preciso garantir ao servidor um amplo direito de defesa em um eventual caso de dispensa neste sentido, de mau desempenho” alerta o professor e jurista Renato Saraiva, presidente da ACONEXA.

Governo

O Secretário de Gestão e Desempenho de Pessoal do Ministério da Economia, Wagner Lenhart, garantiu que essa iniciativa integrará um conjunto de medidas que alinhem os incentivos profissionais do serviço público ao seu objetivo principal, que é atender as necessidades da sociedade. Identificar pontos fortes e fracos e tratá-los de acordo, segundo ele, garantirá bem-estar e motivação aos servidores.

"A razão de existir do Estado é a prestação de serviços para a população. Só vamos conseguir se tivermos um sistema de gestão de desempenho eficiente, justo, sólido, que mostre para as pessoas onde elas precisam se aprimorar, que reconheça os servidores de excelência e responsabilize aqueles que não têm o mesmo comprometimento", relatou.

A diretora do Departamento de Carreiras e Desenvolvimento de Pessoas da pasta, Flávia Goulart, enxerga falhas no sistema de avaliação atual, que ela classificou de fictício. Segundo explicou, há uma pluralidade de regras e ciclos avaliativos que fragmentam os dados disponíveis e impedem a consolidação de informações pelos órgãos de gestão. Ocupantes de cargos de confiança são imunes ao processo e os resultados obtidos não são realistas, avaliou.

"A maioria dos servidores está constantemente no topo. Não há nenhuma organização de sucesso no mundo em que todos os funcionários sejam nota 10 100% do tempo. Uma avaliação real é questão de justiça", disse.

Críticas

Representantes de servidores disseram na audiência que o PLS 116 é um risco para a integridade do serviço público, além de trazer vícios formais insanáveis. Para o presidente da Confederação dos Servidores Públicos do Brasil (CSPB), João Gomes dos Santos, o projeto "terá consequências inimagináveis” se for aprovado.

"O propósito, na nossa avaliação, é quebrar a estabilidade. Ela não é um privilégio, é um instrumento que permite aos servidores serem impermeáveis às pressões externas, para que a administração pública não sofra as consequências de um funcionário coagido ou corrompido", falou.

O presidente do Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas do Estado (Fonacate), Rudinei Marques, apontou a ausência de referências a estudos acadêmicos na justificação do projeto e questionou a inexistência da previsão de outros métodos de avaliação, além dos previstos, como a autoavaliação e avaliação da comissão avaliadora pelo próprio servidor avaliado.

O representante da Central Única dos Trabalhadores (CUT) Gilberto Cordeiro afirmou que é mais relevante aplicar as avaliações de desempenho que já existem dentro do funcionalismo, em vez de “inventar a roda”, e lembrou que o Estatuto dos Servidores Públicos (Lei 8.112, de 1990) já regulamenta a possibilidade de demissão de servidores — a lei não fala, no entanto, em demissão por insuficiência de desempenho.

Já o representante da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) Roberto Santos disse que o projeto é muito genérico e não traz critérios objetivos para mensurar o desempenho dos servidores. Para ele, a questão é naturalmente mais difícil no serviço público do que na gestão privada.

Além disso, ele defendeu que, antes de impor um regime de avaliações sobre o funcionalismo, o governo deveria se preocupar em capacitá-los e dar a eles melhores condições de trabalho.

"Queria ver se há, por parte do governo, uma previsão de melhoria da estrutura para o servidor. Há policiais trabalhando em delegacias sem banheiro. Falta olhar para o servidor como ser humano, não bastam apenas números. O Estado não te dá formas de atuar da melhor maneira possível. Se quer cobrar, tem que dar os meios", contou.

Os representantes dos servidores criticaram o formato da avaliação previsto no projeto, argumentando que uma avaliação unipessoal da chefia imediata seria um grande risco. No entanto, esse dispositivo não existe mais. A senadora Juíza Selma (PSL-MT), relatora do projeto na CAS, lembrou que essa regra estava na versão original da autora, senadora Maria do Carmo Alves (DEM-SE), mas foi alterado na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).

Em seu parecer, Selma mantém o novo modelo, de uma comissão formada por três pessoas: a chefia imediata, um outro servidor estável escolhido pelo órgão de recursos humanos da instituição e um colega lotado na mesma unidade.

Outra crítica formal foi dirigida à origem do projeto, que nasceu no Senado. Segundo os críticos, qualquer mudança no regime dos servidores públicos deve ser iniciada pelo Presidente da República, conforme previsão da Constituição. O senador Lasier Martins (Podemos-RS), relator do PLS 116 na CCJ, argumentou que o projeto regulamenta uma previsão constitucional e, nesses casos, a iniciativa pode ser do Congresso.

Conteúdo

O projeto propõe uma avaliação anual de desempenho dos servidores, compreendendo o período entre 1º de maio de um ano e 30 de abril do ano seguinte. Produtividade e qualidade serão os fatores avaliativos fixos, associados a outros cinco fatores variáveis, escolhidos em função das principais atividades exercidas pelo servidor nesse período. Inovação, responsabilidade, capacidade de iniciativa, foco no usuário/cidadão são alguns dos fatores variáveis a serem observados.

Enquanto os fatores de avaliação fixos vão contribuir com até metade da nota final apurada, os variáveis deverão corresponder, cada um, a até 10%. As notas serão dadas em uma faixa de zero a dez. E serão responsáveis pela conceituação do desempenho funcional, dentro da seguinte escala: superação (S), igual ou superior a oito pontos; atendimento (A), igual ou superior a cinco e inferior a oito pontos; atendimento parcial (P), igual ou superior a três pontos e inferior a cinco pontos; não atendimento (N), inferior a três pontos.

A possibilidade de demissão estará configurada, segundo o substitutivo, quando o servidor público estável obtiver conceito N (não atendimento) nas duas últimas avaliações ou não alcançar o conceito P (atendimento parcial) na média tirada nas cinco últimas avaliações. Quem discordar do conceito atribuído ao seu desempenho funcional poderá pedir reconsideração ao setor de recurso humanos dentro de dez dias de sua divulgação. A resposta terá de ser dada no mesmo prazo.

Também caberá recurso da decisão que negar, total ou parcialmente, o pedido de reconsideração. Essa possibilidade só será aberta para o servidor a quem tenha sido atribuído conceito P ou N. O órgão de recursos humanos terá 15 dias, prorrogáveis por igual período, para decidir sobre o recurso.

Esgotadas todas essas etapas, o servidor estável ameaçado de demissão ainda terá prazo de 15 dias para apresentar suas alegações finais à autoridade máxima da instituição onde trabalha. O substitutivo deixa claro também que a insuficiência de desempenho relacionada a problemas de saúde e psicossociais poderá dar causa à demissão. Mas só se a falta de colaboração do servidor no cumprimento das ações de melhoria de seu desempenho não decorrer exclusivamente dessas circunstâncias.

Vagas de emprego
Vagas de empregoFoto: Marcello Casal/Arquivo/Agência Brasil/Agência Bras

A Secretaria do Trabalho, Emprego e Qualificação divulgou o quadro de vagas das Agências Estaduais do Trabalho para esta quinta-feira (11). Há oportunidades em duas partes: em vermelho, as vagas para Pessoa Com Deficiência (PCD) e em preto aos demais.  Confira os endereços e telefones das Agências do Trabalho no site da Seteq.

Telefone da Agência da Boa Vista: 3183.7065vagas1

vagas2
vagas3



Para concorrer a uma das duas vagas do Estágio-Visita, o candidato deverá gravar um vídeo de no máximo 60 segundos, evidenciando a vocação da sua região
Para concorrer a uma das duas vagas do Estágio-Visita, o candidato deverá gravar um vídeo de no máximo 60 segundos, evidenciando a vocação da sua regiãoFoto: Divulgação

Universitários pernambucanos de qualquer área podem participar da seleção promovida pelo deputado federal Fernando Monteiro (PP-PE) para um estágio-visita de curta duração da Câmara dos Deputados, em Brasília. Os candidatos devem morar em Pernambuco e estar devidamente matriculados em alguma instituição de ensino superior.

Para concorrer a uma das duas, o candidato deverá gravar um vídeo de no máximo 60 segundos, evidenciando a vocação da sua região. Os vídeos, que podem ser caseiros, feitos com celular, não serão avaliados por critérios técnicos, mas pela criatividade do universitário em mostrar o potencial do lugar onde vive.

Os cinco vídeos melhor avaliados pela comissão julgadora passarão à segunda fase do concurso, em que os dois vencedores serão escolhidos pelo público, através das redes sociais do deputado Fernando Monteiro. O parlamentar explica que a ideia é democratizar o acesso às vagas e, ainda, estimular que os candidatos reconheçam as vocações do seu Estado.

O PRrograma - Os selecionados para o programa Estágio-Visita passarão cinco dias em Brasília com hospedagem e alimentação pagas pela Câmara dos Deputados e terão as suas passagens custeadas pelo deputado Fernando Monteiro. O programa possibilita a universitários de todo o país o acesso a conhecimentos relacionados ao funcionamento da Câmara dos Deputados e à forma de atuação de seus representantes, incentivando a participação democrática e o exercício da cidadania.

Durante cinco dias, os universitários participam de palestras, debates, visitas, vivências e simulações que possibilitam o desenvolvimento de conhecimentos sobre democracia e o papel do Legislativo e de habilidades necessárias ao exercício de sua cidadania.

Como participar – Os interessados em participar da seleção de vagas para o Estágio-Visita na Câmara dos Deputados têm duas opções: podem postar seu vídeo no instagram e marcar o perfil do deputado Fernando Monteiro (@fernandomonteirope) ou, se preferirem, enviar seu vídeo até o dia 31/07 para o e-mail [email protected] Mais informações podem ser obtidas por meio das redes sociais do deputado Fernando Monteiro: @fernandomonteirope (Instagram) e FernandoMonteiroPe (Facebook).

Marketing digital Marcelo Antonioli será um dos palestrantes
Marketing digital Marcelo Antonioli será um dos palestrantesFoto: Divulgação

Vender um produto ou serviço no meio digital é mais do que tendência, é um caminho sem volta. Para ensinar empreendedores a comercializar mais e melhor as suas expertises nesse universo, o especialista em marketing digital Marcelo Antonioli e o especialista em inbound marketing Igor Moraes comandam no próximo sábado, dia 13, no Impact HUB Recife, a “Imersão Digital Recife 2019”.

Durante 10h os participantes aprenderão a usar as redes sociais à favor do negócio, gerar mais resultados com menor investimento, saber o que os concorrentes estão fazendo e como superá-los e, inclusive, aparecer para os clientes através do mecanismo de busca. Além disso, a Master Coach Gedai Silton, o criador do Movimento Happy Day Marcos Strider e as influenciadoras digitais Alcione Alves, a rainha das narrações mais conhecida como “Teile e Zaga” e a inspiradora Carol Pessoa de Mello, participarão de um painel compartilhando suas experiências e mudanças tanto profissionais quanto pessoais ocorridas devido à popularidade na internet.

"As pessoas estão o tempo inteiro no celular, acessando as redes sociais. Todo empreendedor é um vendedor que precisa alcançar o cliente onde ele está e as estratégias que trabalhamos podem ser usadas em qualquer ferramenta porque o Instagram é a onda do momento mas não será para sempre”, pontua Marcelo, um dos facilitadores.

O encontro é ideal, inclusive, para quem deseja tirar os planos do papel e apostar no empreendedorismo. Ainda há vagas disponíveis e os interessados podem efetivar a participação através do link https://www.sympla.com.br/imersao-digital-recife__523473.

Sesi- PE abrirá cursos de Educação a distância
Sesi- PE abrirá cursos de Educação a distânciaFoto: Divulgação/MCTIC/Agência Brasil

O Serviço Social da Indústria de Pernambuco (Sesi-PE) está oferecendo nove cursos gratuitos na modalidade de Educação a Distância (EAD) para quem deseja se aperfeiçoar, adquirir novos conhecimentos e desenvolver as competências exigidas pelo mercado de trabalho. As inscrições podem ser feitas até o dia 15 de julho, no site da instituição (www.pe.sesi.org.br), e todos os módulos dos cursos são online, possibilitando ao aluno escolher o melhor local e horário para realizá-los.

Neste mês de julho, os trabalhadores da indústria e o público geral poderão atualizar os conhecimentos profissionais nos cursos de Introdução à Comunicação Empresarial, Empresário do Terceiro Milênio, Inclusão Social e Diversidade, Novo Acordo Ortográfico, Relação de Gênero na Indústria, Diversidade, Segurança e Saúde do Trabalho; Entendendo a CIPA, Espaços Confinados e Entendendo a Insalubridade. As cargas horárias variam de 3 a 28 horas.

Cumprindo a carga horária total do curso, o estudante realiza uma avaliação onde precisa alcançar 70 pontos para recebimento do Certificação de Conclusão. Todos os cursos são autoinstrucionais, logo, não carecem de acompanhamento de um tutor online. Para realizar a inscrição, é necessário que o interessado possua e-mail e noções básicas de informática. Outras informações pelo telefone (81) 3412.8357 ou pelo e-mail [email protected]

Saúde pública
Saúde públicaFoto: Pixnio

Começa hoje o prazo para médicos brasileiros formados em instituições estrangeiras se inscreverem para uma das 600 vagas do Programa Mais Médicos. O prazo para inscrição a uma das vagas remanescentes do edital nº 11/2019, que abriu oportunidade para atender aos municípios com altos índices de vulnerabilidade, segue até a próxima quarta-feira (10). Os médicos que aderirem ao programa devem começar a atuar na Atenção Primária desses municípios entre 16 de agosto e 25 de setembro.

Leia o conteúdo na íntegra em www.saude.gov.br

[1250] Carteira de Trabalho
[1250] Carteira de TrabalhoFoto: Marcelo Casal J.r/Ag. Brasil /arquivo

A Secretaria do Trabalho Emprego e Qualificação (Seteq), divulgou o quadro de vagas das Agências Estaduais do Trabalho nesta terça-feira (09). Há oportunidades em duas partes: em vermelho, as vagas para Pessoa Com Deficiência (PCD) e em preto aos demais. Confira os endereços e telefones das Agências do Trabalho no site da Seteq.

Telefone da Agência da Boa Vista: 3183.7065

vagas1
vagas2

Petrobras
PetrobrasFoto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

A Petrobras lançou, em parceria com o Sebrae, uma chamada de projetos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (P,D&I) voltada para startups e pequenas empresas inovadoras. O edital prevê o financiamento de até 10 projetos, em seis diferentes áreas, com valores que vão de R$ 500 mil a R$ 1,5 milhão, totalizando R$ 10 milhões nessa etapa.

A iniciativa faz parte do programa Petrobras Conexões para Inovação e foi criado para estimular o desenvolvimento de soluções tecnológicas que atendam às necessidades de negócio de petróleo, gás e energia.

“Essa é apenas a primeira iniciativa que visa aproximar a Petrobras das startups. Por meio dela, investiremos até R$ 60 milhões nos próximos cinco anos em projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação”, explica Orlando Ribeiro, gerente executivo do Cenpes, Centro de Pesquisas e Desenvolvimento da Petrobras.

Fomento à inovação

As empresas contempladas terão acesso a fontes de recursos financeiros, base de clientes, investidores e rede de mentores, além de tempo para amadurecer e validar soluções propostas e ampliar sua visibilidade de mercado. “A ideia é criar um ambiente favorável à inovação, aproximando empresas, instituições de ciência e tecnologia e investidores”, explica o engenheiro da Petrobras e líder do projeto, Ricardo Ramos.

“Queremos encontrar pequenas empresas e startups que atuem na área de tecnologia para superarmos juntos o período crítico que vai da concepção de uma tecnologia ou solução inovadora até sua viabilidade comercial”. Estudos apontam que muitos projetos e empresas fracassam nessa fase.

A parceria com o Sebrae, nesse sentido, é estratégica. Além da estar presente em praticamente todo país, a instituição é especializada e reconhecida na capacitação de micro e pequenas empresas para sua inserção competitiva no mercado. “As empresas aprovadas no Programa contarão com o Sebrae durante toda a execução dos projetos de P,D&I. Os empresários terão acesso a consultorias especializadas para melhoria de processos gerenciais e tecnológicos, além do apoio intensivo no monitoramento físico-financeiro dos projetos. Este apoio será fundamental para promover a melhoria do nível de competitividade do negócio durante a execução do projeto e para que tudo ocorra em consonância com as regras impostas pelo Regulamento da ANP , explica o diretor técnico do Sebrae, Bruno Quick.

Quem pode participar?

Qualquer micro ou pequena empresa inovadora, com ou sem parceria de instituições científicas e tecnológicas, pode apresentar projetos nas áreas de tecnologias digitais, captura e utilização de carbono, novas energias, nanotecnologia, corrosão e catalisadores. “São áreas importantes não apenas para a estratégia tecnológica da nossa empresa, mas para todo setor de óleo e gás”, explica Ramos.

As empresas selecionadas terão até dois anos para desenvolver seus projetos. Na seleção, serão avaliados o impacto da solução proposta para o negócio da Petrobras, a consistência e a viabilidade do projeto, incluindo facilidade de implantação da solução proposta, a capacidade técnica da equipe, o grau de inovação, o nível de maturidade tecnológica e o potencial de ganho de escala.

As inscrições abrem em 1º de agosto e podem ser feitas até o dia 05 de setembro, no site http://www.sebrae.com.br/editalpetrobrassebrae/2019

Censo do IBGE
Censo do IBGEFoto: Divulgação

São 400 vagas temporárias para trabalhar no Censo Demográfico, em 20 áreas de conhecimento de nível superior. As inscrições estarão abertas de 8 a 23 de julho e as provas estão previstas para 1º de setembro.

Os contratados terão direito aos auxílios Alimentação, Transporte e Pré-escolar, assim como a férias e 13º salário proporcionais, de acordo com a legislação que regulamenta este tipo de contratação. A remuneração mensal prevista é de R$ 4.200,00.

O período máximo da contratação é de 12 (doze) meses. Os contratos terão vigência de 30 (trinta) dias, podendo ser sucessivamente prorrogados por igual período, de acordo com a necessidade do trabalho e/ou disponibilidade de recursos orçamentários. O desempenho dos contratados será avaliado mensalmente.

A jornada de trabalho será de 40 horas semanais, sendo 8 horas diárias. São oferecidas 400 vagas temporárias, em 20 áreas de conhecimento de nível superior. Há vagas para todas as 27 unidades da federação, mas a maior parte delas é para o Rio de Janeiro, onde está a sede do IBGE. O quadro completo das vagas, por UFs e áreas de conhecimento, está no link à direita. As pessoas com deficiência terão direito ao mínimo 5% das vagas, de acordo com a legislação em vigor e as normas do edital. Veja na tabela abaixo a relação das áreas de conhecimento e as respectivas vagas:


ibge1

Os principais requisitos a serem atendidos pelos candidatos são: a) ter nacionalidade brasileira ou portuguesa e, nesse caso, estar amparado pelo estatuto de igualdade entre brasileiros e portugueses; b) estar em dia com as obrigações eleitorais; c) estar em pleno gozo de seus direitos políticos; d) estar em dia com as obrigações militares, em caso de candidato brasileiro do sexo masculino; e) ter idade mínima de dezoito anos completos, na data de contratação; f) não ser servidor da Administração direta ou indireta da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, bem como empregado ou servidor de suas subsidiárias e controladas, ainda que aposentado; g) não ter sido contratado pelo IBGE nos últimos 24 (vinte e quatro) meses para serviço temporário; h) possuir aptidão física e mental para o exercício das suas atribuições; i) não ser sócio-gerente ou administrador de sociedades privadas. Os requisitos e a documentação necessária estão estabelecidos no edital, que deve ser lido atentamente pelos candidatos.

As inscrições poderão ser feitas pela internet, no site www.institutoaocp.org.br. Para evitar contratempos, os candidatos devem ler e seguir atentamente as determinações do edital. A taxa é de R$ 64,00 e as inscrições somente serão validadas após a confirmação do respectivo pagamento. As pessoas pretas ou pardas terão direito a 20% das vagas, de acordo com a legislação em vigor

As provas estão previstas para 1º de setembro de 2019. O cronograma completo está no edital e deve ser lido atentamente pelos candidatos. Serão 60 questões objetivas em três disciplinas: língua portuguesa, conhecimentos específicos e raciocínio lógico, com exceção das áreas de conhecimento de Métodos Quantitativos e Letras, que terão duas disciplinas cada (língua portuguesa e conhecimentos específicos e raciocínio lógico e conhecimentos específicos, respectivamente) conforme descrito no edital. Veja o cronograma das principais etapas do processo seletivo na tabela a seguir:




ibge2

comece o dia bem informado: