Procuradoria Geral do Estado de Pernambuco
Procuradoria Geral do Estado de PernambucoFoto: Reprodução

A Procuradoria Geral do Estado de Pernambuco (PGE-PE) abriu inscrições para a 3ª seleção simplificada de estágio em Direito para alunos egressos da rede pública estadual. Os interessados têm até o dia 20 de janeiro para preencherem formulário no portal da PGE e concorrerem a uma das 12 vagas disponíveis nesta edição.

Podem se inscrever alunos que estejam cursando Direito a partir do 4º período ou 3º ano, para o regime seriado, e que tenham concluído o ensino médio na rede pública estadual de ensino de Pernambuco. Os candidatos serão avaliados com provas de conhecimento, com questões de múltipla escolha de Direito Constitucional, Direito Processual Civil, Direito Tributário, Direito Administrativo, Direito Civil e de Direito do Trabalho, conforme o edital.

Os selecionados serão integrados ao programa de estágio, coordenado pelo Centro de Estudos Jurídicos da PGE-PE, por um período inicial de 12 meses, podendo ser prorrogado por mais um ano. Os estagiários cumprirão jornada de 20 horas semanais e receberão bolsa de R$ 840,00 mais auxílio transporte.

A Secretaria de Segurança Urbana do Recife (Seseg) abriu chamamento público de estágio para as Instituições de Ensino Superior (IES).
A Secretaria de Segurança Urbana do Recife (Seseg) abriu chamamento público de estágio para as Instituições de Ensino Superior (IES).Foto: Arte / Folha de Pernambuco

Se ao longo do ano foi difícil encontrar um estágio, com o mês de janeiro batendo a porta volta a chance de os estudantes conseguirem sua primeira colocação no mercado. É que nessa época, muitas empresas precisam repor o quadro de estagiários por conta da conclusão de curso ou término do contrato desses universitários. É a hora de recuperar o fôlego, preparar o currículo e cair em campo.

Para ter uma ideia, pesquisa recente do Centro de Integração Empresa e Escola (CIEE), que entrevistou 213 mil futuros profissionais de todo Brasil, afirma que, sim, os estudantes possuem 25% mais chances de conquistar uma vaga no 1° trimestre do ano.

“Temos o chamado período de sazonalidade, quando são encerrados contratos de estágio e aprendizagem, então essas vagas ficam novamente disponíveis”, adianta Lilene Ruy, supervisora de inclusão social e especialista de processo personalizado do CIEE.

Leia também:

Segundo ela, o primeiro passo é preparar o currículo. “O recrutador precisa de informações atualizadas e concisas. Não adianta incluir dados antigos ou que não destacam aspectos do candidato que são vantajosos para a vaga em questão”. Neste quesito, algumas dicas são manter os dados principais sempre corretos, como telefone, e-mail e perfil em redes sociais, bem como status civil e residência.

Também não se deve inventar informações que não existem, como cursos ou estágios anteriores, pois elas certamente serão checadas pelo recrutador. Por fim, nunca misture informação pessoal com profissional, colocando no CV uma experiência internacional quando a viagem ou o intercâmbio foi apenas turismo. O mesmo vale para cursos livres, como artesanato ou pintura, que não agreguem ao perfil da vaga.

De acordo com a coach Cristiane Souza, a demonstração de competência do candidato na hora do recrutamento também faz a diferença. “Adaptabilidade e flexibilidade, por exemplo, são importantes porque demonstram dedicação e aceitação de novas atividades. Boa comunicação, tanto verbal quanto escrita, além de capacidade de trabalhar em equipe e habilidade de se relacionar positivamente com o grupo, mais autoconfiança, energia e bom humor”, resume.

Ainda segundo a especialista, antes de sair atirando para todos os lados, ou se aventurando em todos os tipos de seleção, vale definir o foco e se adaptar a ele. “Articule estágios na própria instituição de ensino superior ou em órgãos de governo, seja na Esfera Municipal, estadual ou federal. Além disso, busque aplicativos de estágios, porque algumas empresas apresentam programas nessas plataformas”, completa Souza.

Concurso
ConcursoFoto: Pixabay

Foi anunciada a abertura de 166 vagas para técnicos administrativos em educação de níveis médio em superior para lotarem, por meio de concurso público, os campi Recife, Vitória e Caruaru da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). As inscrições deverão ser feitas pela internet entre os dias 16 de abril e 19 de maio de 2019, conforme edital. Os vencimentos iniciais são de R$ 1.945,07 (nível de classificação C), R$ 2.446,96 (nível de classificação D) e R$ 4.180,66 (nível de classificação E).

O nível de classificação C corresponde às vagas para Administrador de Edifícios, enquanto que o nível D é composto por vagas para Assistente em Administração, Desenhista de Artes Gráficas, Técnico de Laboratório (várias áreas), Técnico de Tecnologia da Informação/Área Sistemas, Técnico em Artes Gráficas, Técnico em Contabilidade, Técnico em Eletrotécnica, Técnico em Mecânica, Técnico em Radiologia e Técnico em Enfermagem. Ambos os níveis de classificação são de nível médio.

Já as vagas para ensino superior se encontram no nível de classificação E, com oportunidades para Administrador, Analista de Tecnologia da Informação/Área Sistemas, Arquiteto e Urbanista, Assistente Social, Diretor de Produção, Economista, Engenheiro (em diversas áreas), Médico (em várias áreas), Químico, Sanitarista, Psicólogo e Tecnólogo/Formação em segurança privada, biomedicina ou enfermaria.

Leia também:
Adagro anuncia concurso com 140 vagas e salário de até R$ 4,8 mil
Planeje o ano com visão de futuro


A taxa de inscrição é de R$ 78 para os cargos de níveis C e D, enquanto que os candidatos do nível E terão de desembolsar R$ 125. A isenção da taxa de inscrição será concedida aos candidatos que comprovarem não dispor de recursos para efetuar o pagamento.

As provas serão aplicadas nos dias 18 de agosto de 2019, para as categorias C, D (exceto Assistente em Administração) e E. No dia 25 de agosto de 2019, haverá provas exclusivamente o cargo de Assistente em Administração – categoria D, área que dispõe do maior número de vagas, 85.

O concurso terá validade de um ano, a contar da publicação da homologação do resultado no Diário Oficial da União, podendo ser prorrogado por igual período, a critério da UFPE.

Planeje o futuro
Planeje o futuroFoto: Lehi Henri

Nem só de retrospectivas vive o último mês do ano. Essa também é a época ideal para estruturar os projetos seguintes, de olho no que deu certo (ou nem tanto) nas experiências anteriores. Se essa é a hora de pedir uma promoção, buscar um novo emprego ou mesmo largar o contexto atual e se reposicionar na carreira, só uma análise criteriosa sobre o mercado dará a resposta para essas questões.

Segundo os gestores de Recursos Humanos, a cautela é para que a emoção não seja a única a formar as decisões de 2019. “Muitas mudanças estão por vir, principalmente com a abertura de mercado, reformas do governo e maior globalização. Ainda assim, é importante analisar com calma os cenários, planejar quais são as metas para o primeiro semestre e aguardar o crescimento na prática”, diz o coach Allan Zeek, ao lembrar ainda que iniciar o ano com mudanças drásticas pode ser algo muito arriscado.

De acordo com o especialista, não é a hora de pedir aumentos, promoções ou fazer mudanças profundas de carreira. “O ideal é conversar com líderes, gestores e empreendedores, para alinhar as metas entre todos do time. Com esse planejamento em mãos, é possível negociar acordos futuros, mediante resultados positivos, inclusive promoções”, resume. Não quer dizer que este seja um tempo de inércia. Aliás, a dica mais repassada entre os aconselhadores de carreira é fazer desses primeiros meses o momento de aperfeiçoamento pessoal e profissional, com cursos, seminários, boas leituras e certificações. “A inteligência emocional e comportamental serão critérios que podem fazer a diferença quando as oportunidades aparecem”, termina Zeek.

Para que esse processo seja assertivo, o coach Rodolfo Cunha sugere seguir algumas etapas de organização. “Reserve um tempo para refletir. O ponteiro do relógio não consegue dizer que horas são! Saia de sua rotina veja-se de fora e pense em todas as áreas de sua vida. Trabalho, remuneração, relacionamento e estudos”. Caso uma mudança de vida esteja iminente, ele também sugere escolher as áreas a serem trabalhadas no próximo ano e anotar ao lado delas quais resultados se espera obter.

“Utilize o conceito de metas chamado ‘SMART’ ou Metas Inteligentes. Suas metas precisam ser específicas, mensuráveis, realistas e ter prazos predeterminados”, aponta. Feito esse direcionamento, Cunha reforça a necessidade de ações práticas para construir resultados esperados. “Autorresponsabilizar-se pelo resultado, sucesso ou fracasso da vida é a chave para grandes transformações”, conclui.

Hospital Pelópidas Silveira
Hospital Pelópidas SilveiraFoto: Divulgação

O Hospital Pelópidas Silveira (HPS), no bairro do Curado, no Recife, abriu inscrições para processo seletivo de estágio. São 37 vagas para estudantes das áreas de medicina (14), enfermagem (12), fisioterapia (7), nutrição (2), jornalismo (1) e serviço social (1).

As inscrições podem ser feitas até o dia 14 de dezembro. Para se inscrever, os interessados devem emitir ficha de inscrição no site da unidade de saúde e entregar, na Escolaridade do HPS, além do histórico escolar atualizado, oficializado pela instituição de Ensino Superior, e de duas fotos 3x4.

A seleção será realizada em duas etapas. A primeira, será o teste cognitivo, com prova objetiva, no dia 19 de janeiro de 2019. A segunda é composta por um teste de habilidades e competências no dia 2 de fevereiro. O resultado será divulgado no dia 8 de fevereiro.

O estágio tem duração de seis meses a um ano e as atividades dos novos estagiários têm início em março de 2019. Todos os aprovados receberão bolsa e auxílio transporte conforme a Lei de Estágio. Outras informações pelo telefone (81) 3183.0350.

concurso
concursoFoto: Arte: Folha de Pernambuco

Saiu o edital de duas seletivas bastante aguardadas pelos concurseiros. Uma delas é o da Procuradoria Geral do Estado de Pernambuco (PGE-PE), que abre inscrições na terça-feira (4) e segue até 3 de janeiro. Nesse período, os interessados devem entrar no site do Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) e preencher o formulário disponível apenas na internet.

São 88 vagas distribuídas entre as áreas de analista administrativo de Procuradoria, analista judiciário de Procuradoria e assistente de Procuradoria, além da formação de cadastro de reserva. As regras do edital reforçam os pré-requisitos necessários para cada função. O candidato a analista judiciário deve ser graduado em Direito e estar inscrição na OAB.

Já o cargo de analista administrativo de Procuradoria é dividido nas especialidades de calculista (graduação em Ciências Contábeis, Economia, Administração, Engenharia, Matemática ou Estatística), engenharia (graduação em Engenharia Civil ou Arquitetura e registro no respectivo órgão fiscalizador), gestão pública (graduação em Ciências Contábeis, Economia, Administração, Direito ou Engenharia) e recursos humanos (graduação em Administração, Psicologia ou Pedagogia).

A taxa de inscrição custa R$ 120 e R$ 80, a depender da escolaridade. O vencimento para nível superior é de R$ 3.880,33 com jornada de 40 horas semanais. Para quem terminou o ensino médio ou técnico, a vaga de assistente de Procuradoria oferece remuneração de R$ 2.263,79 também para 40 horas semanais. Ambos farão prova objetiva no mês de abril, mas os candidatos de nível superior também farão prova discursiva.

Outros Estados
As inscrições para o concurso da Polícia Rodoviária Federal começam nesta segunda (3) e seguem até 18 de dezembro. São 500 vagas para o cargo de policial rodoviário federal, com salário de R$ 9.473,57. Os candidatos devem ter nível superior, Carteira Nacional de Habilitação e disponibilidade para 40 horas semanais.

As vagas estão distribuídas no Acre (17); Amapá (28); Amazonas (23); Bahia (17); Goiás (27); Maranhão (18); Mato Grosso (9); Mato Grosso do Sul (35); Minas Gerais (57); Pará (81); Piauí (22); Rio de Janeiro (10); Rio Grande do Sul (74); Rondônia (15); Roraima (23); São Paulo (19) e Tocantins (25). Os interessados devem entrar no site do Cespe e desembolsar a taxa de R$ 180.O certame será realizado com provas objetiva e discursiva marcadas para 3 de fevereiro. Além de exame de capacidade física, avaliação psicológica e de saúde, além da avaliação de títulos e investigação social.

Polícia Rodoviária Federal
Polícia Rodoviária FederalFoto: Arquivo/José Cruz/Agência Brasil

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) abriu edital para o concurso público destinado ao preenchimento de 500 vagas para o cargo de policial rodoviário federal, com salário de R$ 9.473,57. Do número total de vagas, cem serão disponibilizadas para candidatos negros e trinta e três para pessoas com deficiência.

As inscrições estarão abertas a partir da próxima segunda-feira (3) e seguem até o dia 18 de dezembro, e podem ser feitas no endereço eletrônico da organizadora do certame, Cespe: www.cespe.unb.nr/concursos/prf18. A taxa de inscrição é de R$ 180.

Os candidatos ao cargo devem ter nível superior e Carteira Nacional de Habilitação. O cumprimento da carga horária é de 40 horas semanais, e entre as funções exercidas estão a de fiscalização, patrulhamento e atendimento a vítimas de acidentes de trânsito.

As vagas estão distribuídas da seguinte maneira: Acre (17); Amapá (28); Amazonas (23); Bahia (17); Goiás (27); Maranhão (18); Mato Grosso (9); Mato Grosso do Sul (35); Minas Gerais (57); Pará (81); Piauí (22); Rio de Janeiro (10); Rio Grande do Sul (74); Rondônia (15); Roraima (23); São Paulo (19) e Tocantins (25).

Etapas
O certame será realizado em duas etapas, sendo a primeira uma prova objetiva e discursiva - – marcadas para 3 de fevereiro - de caráter eliminatório e classificatório. Exame de capacidade física, avaliação psicológica e de saúde, também integram as etapas do concurso, além da avaliação de títulos e investigação social. Na segunda etapa os candidatos serão submetidos a curso de formação profissional.

Na prova objetiva, constarão perguntas de língua portuguesa, raciocínio lógico-matemático, informática, noções de física, ética no serviço público, geopolítica brasileira, história da PRF, legislação de trânsito, noções de direito administrativo, noções de direito constitucional, noções de direito penal e de direito processual penal, legislação especial e direitos humanos e cidadania.

Veja o edital:




Além das 88 vagas, será formado cadastro de reserva para cargos na PGE
Além das 88 vagas, será formado cadastro de reserva para cargos na PGEFoto: Divulgação

Foi publicado nesta segunda-feira (26), pela Procuradoria Geral do Estado de Pernambuco (PGE-PE), o edital do concurso público para cargos na área administrativa do órgão. São oferecidas 88 vagas, distribuídas entre as áreas de analista judiciário de Procuradoria, analista administrativo de Procuradoria e assistente de Procuradoria, além da formação de cadastro de reserva.

As inscrições podem ser feitas a partir do próximo dia 4 de dezembro e seguem até 3 de janeiro, no site do Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe), à frente do certame.

Requisitos
Para o cargo de analista judiciário de Procuradoria, podem se inscrever candidatos graduados em Direito e com inscrição na OAB. Já o cargo de analista administrativo de Procuradoria é subdividido em quatro especialidades: calculista (graduação em Ciências Contábeis, Economia, Administração, Engenharia, Matemática ou Estatística), engenharia (graduação em Engenharia Civil ou Arquitetura e registro no respectivo órgão fiscalizador), gestão pública (graduação em Ciências Contábeis, Economia, Administração, Direito ou Engenharia) e recursos humanos (graduação em Administração, Psicologia ou Pedagogia). A remuneração dos cargos de nível superior é de R$ 3.880,33 com jornada de 40 horas semanais.

Para o cargo de assistente de Procuradoria, é necessária conclusão do ensino médio ou de curso técnico. A remuneração é de R$ 2.263,79 para jornada de 40 horas semanais.

Todos os candidatos farão provas objetivas e para os de nível superior, também haverá prova discursiva. A aplicação será nos dias 7 de abril (nível superior) e 14 de abril (nível médio), no Recife. O resultado final deve ser divulgado em maio. O concurso terá validade de dois anos, prorrogável por igual período.

Veja o edital completo:


Razão ou emoção
Razão ou emoçãoFoto: Arte: Folha de Pernambuco

Já se perguntou o que você faria numa situação ameaçadora no ambiente de trabalho? Ter um desentendimento com a equipe, receber um feedback negativo da diretoria ou falhar em uma atividade importante exigem equilíbrio emocional e racional para o desenrolar dessa história. Como ninguém está livre de passar por situações como essas, ainda mais num mundo tão imediatista e competitivo quanto o empresarial, a dica dos gestores de recursos humanos é exercer o autoconhecimento e analisar os pequenos erros assim que eles acontecem.

É que em momentos de provação, a tendência de muitas pessoas é ficar tomada pelas emoções e perder a condição de ter conversas corajosas que sejam produtivas. Ainda mais porque, do outro lado, é sempre esperado uma resposta competente e adequada a esse momento. Segundo Bettina Krutman, sócia da consultoria Competência no Desenvolvimento Humano, existem estratégias para não se deixar levar pela primeira coisa que vem na cabeça.

Leia também:
Conhecimento técnico pode não fazer mais a diferença


Uma das orientações é trabalhar a chamada comunicação não violenta. “Essa técnica é poderosa para lidar com conflitos. Ela trabalha com a comunicação empática, o que significa muito mais do que o nosso senso comum de se colocar no lugar do outro”, explica. “A empatia é extremamente difícil. Ela implica em reconhecer a cena que me dispara a emoção, entender que sentimento eu tenho, enxergando que atrás desse sentimento existe uma necessidade minha não satisfeita. Além disso, implica em ter a abertura para entender e validar a necessidade do outro”, diz ela que também ministra o workshop “conversas difíceis” e lida ainda com temas como neurociência das emoções e estratégias para autocontrole.

O lado positivo é que, diferente de tempos atrás, as empresas estão cada vez menos tratando o colaborador como uma máquina operacional. Motivo para as equipes de RH observarem com mais atenção às situações em que a impulsividade vem à tona. Em outra época o primeiro ato impensado já seria motivo para demissão.

Juliana Queiroga, diretora executiva da Grow Consulting, lembra que há alguns anos, o neurocientista português Antonio Damasio acompanhou e estudou um grupo de pessoas que tinham sofrido algum tipo de dano à área do cérebro onde as emoções são geradas. Ele descobriu que estas pessoas levavam uma vida inteiramente normal a não ser pelo fato de não conseguirem sentir emoções. Estes indivíduos também tinham outro fator em comum: eles não conseguiam tomar decisões. Mesmo conseguindo descrever logicamente o passo a passo das ações que tomavam, eles apresentavam dificuldade em tomar simples decisões como escolher o que comer numa refeição, por exemplo.

“A descoberta de Damasio reforça a ideia que a razão e a emoção andam de mãos dadas. Mesmo com uma série de explicações racionais e lógicas, nossas decisões são pautadas por nossas memórias, opiniões e experiências prévias. Nosso cérebro cria atalhos em forma de emoções para nos ajudar nos processos decisórios porque não temos tempo suficiente para refletir sobre todos os fatores”, diz Queiroga. Na prática, vale sempre parar alguns segundos que seja, antes de responder algo que possa machucar, denegrir e comprometer a si mesmo. E se algo foi dito mesmo assim, corrigir só depois de os ânimos acalmarem.

Gravidez
GravidezFoto: Arthur de Souza

O STF (Supremo Tribunal Federal) reconheceu, por 10 votos a 1, o direito de mulheres grávidas pedirem a remarcação do teste de aptidão física, que é uma das etapas de alguns concursos públicos, em razão da gestação -mesmo que a possibilidade não esteja prevista no edital.

Os ministros julgaram nesta quarta-feira (21) um recurso do estado do Paraná contra decisão da Justiça local que garantiu, em primeira e segunda instâncias, esse direito a uma candidata a uma vaga de policial militar que estava grávida no momento da realização do teste de aptidão física.

A decisão da Justiça do Paraná, da qual o governo recorreu ao STF em 2017, entendeu que "negar a realização de novo teste físico [...] implica em ofensa ao princípio da isonomia, porquanto a condição peculiar da gestante demanda um tratamento distinto e desigual".

A Justiça paranaense determinou a reserva da vaga para que o exame físico fosse feito em algum momento posterior à gravidez.

O estado do Paraná argumentou, ao recorrer, que esse entendimento "contraria frontalmente o princípio da isonomia [...], considerando-se que aos demais candidatos era vedada a realização do teste de aptidão física em data diversa daquela fixada pela comissão organizadora".

O resultado do julgamento no Supremo deverá ser aplicado a todos os processos semelhantes que tramitam nas instâncias inferiores da Justiça (a chamada repercussão geral). Segundo o site do STF, havia 16 processos sobre esse tema suspensos aguardando uma definição da corte.

O relator do recurso, ministro Luiz Fux, afirmou que "a gestante goza de proteção constitucional reforçada". Fux negou o recurso do estado do Paraná. Ele foi acompanhado pelos ministros Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes, Celso de Mello e Dias Toffoli (presidente).

Cármen Lúcia fez um paralelo para evidenciar as desigualdades históricas entre homens e mulheres. Segundo ela, até a década de 1980, mulheres não eram aprovadas em concursos para serem juízas se fossem mães solteiras, o que lhes era questionado nos testes psicotécnicos. "Nunca foi perguntado a um homem se era pai solteiro", disse.

"A mulher já é tão discriminada e enfrenta tantas dificuldades no mercado de trabalho em comparação com os homens que esta fase especial da gravidez demanda cuidados que levam que se assegure uma remarcação do teste de aptidão física", afirmou a ministra Rosa Weber.

O único a divergir foi o ministro Marco Aurélio. Para ele, não cabe a remarcação de provas de concursos públicos em razão de circunstâncias pessoais, como é uma gravidez. "É um projeto ousado inscrever-se para concurso público para Polícia Militar e engravidar", disse, referindo-se ao caso da candidata paranaense.

comece o dia bem informado: