BNDES financia novos jatos da Embraer

Segundo o BNDES, a aquisição do primeiro E2 por uma empresa aérea do país escandinavo "atesta o produto como o mais ambientalmente amigável em sua categoria", uma vez que a Noruega tem a causa ecológica como uma de suas principais bandeiras

AviãoAvião - Foto: Pixabay

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou nesta terça (29) a aprovação do primeiro financiamento voltado para a exportação da nova família de jatos comerciais da Embraer. O apoio será de até US$ 85 milhões para exportar até 15 aeronaves para a empresa norueguesa Widerøe, disse o banco.

A Widerøe é a maior companhia aérea regional da Escandinávia e será a primeira companhia aérea no mundo a receber o novo jato E190-E2. O primeiro voo comercial está previsto para o dia 24 de abril, na Noruega.

Segundo o BNDES, a aquisição do primeiro E2 por uma empresa aérea do país escandinavo "atesta o produto como o mais ambientalmente amigável em sua categoria", uma vez que a Noruega tem a causa ecológica como uma de suas principais bandeiras. O país é também o principal doador de recursos ao Fundo Amazônia, do qual o BNDES é gestor.

Leia também: 
BNDES aprova proposta de convênio com Gabinete de Intervenção Federal
Governo anuncia recursos para financiar obras de saneamento em 7 estados

Modernidade e economia

As aeronaves negociadas são do modelo E190-E2, o primeiro membro da família de E-Jets E2. O BNDES também financiou o desenvolvimento dessa nova família de jatos Embraer, investindo, entre 2014 e 2015, R$ 1,2 bilhão no projeto.

De acordo com a empresa aeronáutica, os novos sistemas e motores do E190-E2 proporcionam uma economia da ordem de 17% no consumo de combustível, bem como menor emissão de gases e ruídos, em comparação à primeira geração do E190.

Veja também

BC inicia fase restritra de operações pelo Pix a partir de terça-feira (3)
Economia

BC inicia fase restritra de operações pelo Pix

Vale diz que 'efeito Covid' aumentou vendas de minério para a China
Exportação

Vale diz que 'efeito Covid' aumentou vendas de minério para a China