Economia

BNDES lança crédito a pequenas empresas por máquinas de cartões e fintechs

O banco vai colocar R$ 4 bilhões em fundos de crédito com essa finalidade e espera que os parceiros coloquem outros R$ 1 bilhão

BNDESBNDES - Foto: Arquivo / Agência Brasil

O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) lançou nesta quinta (7) edital em busca de parceiros para oferecer crédito a micro e pequenos empresários por meio de canais digitais de pagamento, como maquininhas de cartão ou fintechs.

O banco vai colocar R$ 4 bilhões em fundos de crédito com essa finalidade e espera que os parceiros coloquem outros R$ 1 bilhão. O dinheiro, porém, só deve estar disponível entre o fim de junho e o começo de julho, disse o diretor do BNDES, Bruno Laskowski.

Até lá, a instituição trabalhará na escolha dos parceiros e na estruturação dos fundos de crédito que emprestarão os recursos. A ideia é lançar até dez fundos, para que operadores de máquinas de cartões, plataformas digitais de venda ou fintechs emprestem os recursos.

Leia também:
Após rompimento com Boeing, Embraer negocia socorro com BNDES
Com voto contrário do BNDES, Vale aprova bônus milionário a diretores


Segundo Laskowski, o objetivo é diversificar o acesso ao crédito, mirando principalmente empreendedores e empresários que hoje não têm acesso a financiamentos em instituições financeiras. Entre os públicos alvos, estão pequenos comerciantes, restaurantes e motoristas de aplicativo.

"A gente sabe que isso é um elemento central nesse momento de pandemia: chegar naquele que mais precisa. A preocupação objetiva que esse recurso chegue nesse momento e chegue para a quelas camadas que mais precisam", afirmou.

Desde o início da pandemia, o banco vem lançando linhas de crédito emergencial, mas sempre em parceria com bancos. Nessa lista, estão os financiamentos da folha de pagamento e o crédito para capital de giro.

Setores alvo desses programas, porém, reclamam de dificuldades para obter os financiamentos junto aos bancos e das altas taxas de juros. A linha de capital de giro, por exemplo, está saindo com taxa de juros média de 12,28%.

A taxa da linha que foi lançada nesta quinta será definida em processo competitivo para a escolha dos parceiros: assim como prazo de pagamento, ela é um dos critérios que vão nortear a escolha das empresas.

O banco estabeleceu, porém, o máximo de 3,5% ao mês para os empréstimos concedidas por grandes empresas, como as plataformas de negociação e as empresas de cartões. Para fintechs, o máximo é 4% ao mês.

"Entendemos que as taxas são competitivas. Se a gente olha como é hoje, a gente está falando de clientes que pagam taxas de cartão de crédito, de crédito rotativo", disse Lakowski. "E o processo competitivo que a gente está fazendo é para reduzir essa taxa."

Os empréstimos por máquinas de cartões ou plataformas de comércio eletrônico terão limite de R$ 200 mil por cliente com prazo igual ou superior a nove meses de pagamento para pelo menos 75% das operações.

A outra linha, operada por fintechs, terá limite de R$ 2 milhões por cliente e prazo igual ou superior a 12 meses em pelo menos 75% das operações. Segundo o banco, a ideia é que os prazos também sejam estendidos no processo competitivo de escolha dos parceiros.

Ao contrário das linhas emergenciais, a ideia é que esse tipo de empréstimo seja mantido após a pandemia, tornando-se mais uma alternativa de acesso a recursos do BNDES por pequenas empresas.

Veja também

Associação que assiste doentes de fígado passa a receber doações pelo Imposto de Renda
Solidariedade

Associação que atende doentes de fígado recebe doações pelo IR

Aneel mantém bandeira tarifária verde para junho
Energia Elétrica

Aneel mantém bandeira tarifária verde para o mês de junho para todos os consumidores