BNDES pode devolver mais que R$ 100 bilhões ao governo

Banco aguarda uma palavra final do Tribunal de Contas da União sobre a legalidade da operação

Márcio FrançaMárcio França - Foto: Arquivo

A presidente do BNDES, Maria Silvia Bastos, afirmou que "não está descartado" que o banco devolva ao governo mais do que os R$ 100 bilhões de títulos públicos previstos para os próximos três anos.

De acordo com ela, para que o valor seja maior que o já acordado entre o banco e o Ministério da Fazenda (R$ 40 bilhões este ano e R$ 30 bilhões nos próximos dois anos), teriam que ser criadas condições para garantir ao BNDES recursos para seus compromissos. "Não é algo que deve ser descartado, mas deve vir num conjunto de medidas que tornem o banco blindado em relação ao futuro", disse Bastos quando perguntada se o banco poderia aumentar o valor.

Para iniciar a operação, o banco aguarda uma palavra final do TCU (Tribunal de Contas da União) sobre a legalidade da operação. Em votação no mês passado, a maioria dos ministros do órgão já se posicionou favorável a considerar que a operação é legal, desde que os recursos sejam usados exclusivamente para reduzir a dívida pública, hoje em R$ 3,1 trilhões.

Mas a decisão ainda não é oficial porque um do ministros, Vital do Rego, pediu vista do processo que só será votado quando Vital apresentá-los ao plenário.

HISTÓRICO


Entre 2008 e 2014, o governo federal emprestou ao BNDES cerca de R$ 450 bilhões para que o banco pudesse injetar esse dinheiro na economia por meio de empréstimos subsidiados a empresas. Ao longo dos anos, foram dezenas de contratos e renegociações entre ambos.

Em fevereiro, o BNDES informou que, após quitar parte dos juros e principal das dívidas, ainda deve ao governo R$ 513,6 bilhões em valores corrigidos pela inflação.

Os empréstimos a juros baratos acabaram beneficiando grandes empresas em sua maioria e deixou uma outra dívida de subsídio estimada em R$ 214 bilhões que o governo paga por essas operações.

A devolução dos recursos ajudaria a diminuir a dívida bruta do governo federal e a expectativa da Fazenda com isso é melhorar a condições para o pagamento dos juros da dívida brasileira.

BNDESPAR


A presidente do banco também falou que a valorização da bolsa de valores nos últimos meses proporcionou uma melhor condição para que o banco negocie a sua participação em empresas privadas através do BNDESPar.

Essa subsidiária do banco compra ações de empresas para investir em projetos em desenvolvimento. De acordo com ela, a intenção do banco com isso é ajudar projetos em sua etapa inicial e, por isso, a ideia é fazer uma troca de ações mais rápida, vendendo as de empresas com projetos já consolidados para investir em novas.

"Não é o princípio do BNDESPar ficar por muito tempo. A intenção é fazer um turn over maior da carteira", afirmou a presidente lembrando que não pode adiantar negociações porque a maioria das empresas é negociada em bolsa.

De acordo com Bastos, a prioridade maior do banco no momento é investir em infraestrutura porque, segundo ela, a maioria dos setores da indústria ainda tem capacidade ociosa e o investimento em infraestrutura pode dar maior dinamismo à economia de forma mais rápida.

Veja também

237 mil trabalhadores com salário reduzido têm atraso em benefício do governo
economia

237 mil trabalhadores com salário reduzido têm atraso em benefício do governo

Agências do INSS não abrem nesta quarta-feira (28)
inss

Agências do INSS não abrem nesta quarta-feira (28)