BNDES recusa R$ 1,5 bi que governo de SP pediu para financiar micro e pequenas empresas

O banco nega a informação

BNDESBNDES - Foto: Arquivo / Agência Brasil

O secretário da Fazenda do estado de São Paulo, Henrique Meirelles, deu a entender nesta quarta-feira (22) que o BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social) se recusou a emprestar recursos ao Desenvolve SP por razões políticas. O banco nega.

Ao apresentar as ações que o governo paulista tem tomado para mitigar o impacto da crise provocada pela pandemia do coronavírus, Meirelles disse que o Desenvolve SP (instituição financeira do governo estadual) havia solicitado R$ 1,5 bilhão ao BNDES que seriam destinados a financiar micro e pequenas empresas.

"Por razões não compreensíveis, o BNDES se recusou a fazer o repasse para o Desenvolve SP. Faz para o setor privado, mas não para um banco público que tem atuação preferencial, fundamental e crítica em relação a pequenas e microempresas", afirmou a jornalistas.

Leia também:
São Paulo zera fila de exames para coronavírus

BNDES quer suspender pagamentos ao Tesouro e captar US$ 5 bi contra coronavírus

Ao comentar o tema, Meirelles disse que "este é um momento de enfrentarmos uma crise, não é o de fazer política". O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), têm discordado publicamente sobre como a pandemia deve ser enfrentada. Bolsonaro defende a flexibilização das quarentenas.

Segundo o secretário estadual, o Desenvolve SP tem recebido 10 vezes mais pedidos de empréstimos do que antes da crise desencadeada pela pandemia.

"O BNDES canaliza recursos através, por exemplo, de bancos privados. Só que no caso do Desenvolve, as taxas [de juros praticadas são] muito abaixo das praticadas pelo mercado e com prazos [de pagamento] maiores".

O Desenvolve SP afirma que o pedido, excepcional, foi feito no dia 3 de abril para atender demandas de crédito recebidas de micro, pequenos e médios negócios. Foram 26 mil pedidos de financiamento recebidos desde 12 de março.

"O BNDES ressaltou não haver limite extra no momento. O comunicado ainda citou que o limite para o próximo ano, em razão da nova metodologia do BNDES, seria de apenas R$ 150 milhões", disse o Desenvolve SP em nota. A instituição afirmou que vai pedir uma reavaliação de seu pleito.

"Mais de 6.000 propostas de empresas aptas a contratar já foram devidamente qualificadas no valor total de R$ 4 bilhões", afirmou a instituição, em nota.

Procurado, o BNDES diz que revê semestralmente os limites de empréstimos via agentes financeiros parceiros. "Esta ação é prevista em seus normativos e reflete riscos, perspectivas futuras e volumes de execução passada de cada agente", disse o banco em nota.

"Para o segundo semestre de 2020, o banco acabou de rever os limites, que foram informados a cada um de seus parceiros (...). Como ocorre periodicamente, alguns tiveram limites ampliados e outros reduzidos em relação ao período anterior. Trata-se de uma variação natural deste perfil de atividade", afirmou o BNDES.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

 

Veja também

Justiça autoriza justa causa de trabalhadora que furou quarentena e viajou
Brasil

Justiça autoriza justa causa de trabalhadora que furou quarentena e viajou

Google exigirá que funcionários de seus escritórios sejam vacinados contra a Covid-19
Tecnologia e Games

Google exigirá que funcionários de seus escritórios sejam vacinados contra a Covid-19