BNDES tenta atrair capital privado para socorro a empresas após coronavírus

A ideia é atrair o capital privado para oferecer produtos como empréstimos e participação no capital

BNDESBNDES - Foto: Arquivo / Agência Brasil

O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) negocia com bancos e fundos de investimentos um esforço para socorrer empresas em dificuldades devido à pandemia do novo coronavírus. A ideia é atrair o capital privado para oferecer produtos como empréstimos e participação no capital.

O formato do socorro será analisado individualmente, de acordo com as necessidades e capacidade de cada empresa para absorver novos empréstimos. Não estão previstos produtos setoriais e nem a oferta de dinheiro subsidiado pelo governo.

A informação foi divulgada pelo jornal Valor Econômico e confirmada pela reportagem. As conversas envolvem tanto grandes bancos privados e estatais -como Itaú, Bradesco, Santander e Banco do Brasil- como fundos de investimento que tenham interesse em adquirir instrumentos atrelados à participações acionárias.

Leia também:
Juiz federal proíbe bancos de dificultarem concessão de empréstimo
BNDES disponibiliza crédito para folha de pagamentos


O governo quer contar com bancos para ajudar a sanear as contas as empresas apoiadas, com a renegociação de dívidas contraídas antes da pandemia. Para as empresas, será cobrado um esforço de buscar revisões com fornecedores.

O BNDES também prevê aportar recursos, tanto em empréstimos e compra de ações, mas sempre em parceria com instituições privadas e em condições de mercado. Como contrapartida, deve pedir garantia de manutenção de empregos nas empresas socorridas.

O banco já anunciou suspensão dos pagamentos de dívidas e alguns programas de apoio ao emprego e a empresas de menor porte, como a oferta de crédito para capital de giro e folha de pagamento.

O foco agora são grandes companhias de setores que vêm enfrentando efeitos mais fortes da queda de demanda ou das restrições para a circulação de pessoas. Por isso, as negociações mais avançadas são com as áreas, as primeiras a sentir o baque, com a redução do número de voos.

O modelo prevê operações combinadas de aporte de capital e não há um modelo fechado. Empresas com maior capacidade de endividamento poderão optar por um volume maior de empréstimo. Para outras, o instrumento preponderante pode envolver títulos lastreados em ações, como debêntures conversíveis.

Embora tenha iniciado em 2016 uma estratégia de reduzir sua carteira de ações -que somava R$ 112 bilhões ao fim de 2019- o BNDES não terá restrições para adquirir novas participações em empresas. O processo de enxugamento do BNDESPar, subsidiária de participações do banco, será reiniciado quando o mercado voltar a crescer.

Os idealizadores da proposta defendem que, caso o modelo seja bem elaborado e a economia retomar após o fim da pandemia, as ações adquiridas neste momento podem se tornar investimentos rentáveis, tanto para os investidores privados quanto para o Tesouro, que recebe dividendos do BNDES.

A expectativa é que as primeiras operações envolvam as companhias aéreas. A solução deve passar principalmente por instrumentos de renda variável que envolvam participação acionária, já que as empresas têm capacidade limitada de financiamento.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Brasil perde chance de combater sonegação via paraísos fiscais, diz secretária da OCDE
SONEGAÇÃO

Brasil perde chance de combater sonegação via paraísos fiscais, diz secretária da OCDE

Consumidor pode pagar mais R$ 3,6 bi na conta de energia para evitar apagão
CONTA DE LUZ

Consumidor pode pagar mais R$ 3,6 bi na conta de energia para evitar apagão