GUERRA NA UCRÂNIA

Boeing e Airbus suspendem operações na Rússia; Honda interrompe exportação de carros e motos

Após sanções a Moscou, empresas tomam medidas para limitar, suspender ou encerrar as atividades comerciais com russos

Boeing 777Boeing 777 - Foto: Daniel Slim/AFP

Mais empresas estão tomando medidas para limitar, suspender ou encerrar as atividades comerciais na Rússia após uma onda de sanções impostas pelos Estados Unidos e países aliados diante da invasão da Ucrânia.

Depois de Visa, Mastercard, Exxon e Apple, a Boeing anunciou que está suspendendo as principais operações em Moscou e restringindo temporariamente o acesso de funcionários e parceiros na Rússia a dados técnicos confidenciais até que possa obter licenças de exportação do governo dos Estados Unidos.

A fabricante de aviões com sede em Chicago disse em um e-mail que suspendeu o fornecimento de peças de reposição, manutenção e serviços técnicos a clientes russos.

Com efeito imediato, a Boeing agora é obrigada a obter licenças de exportação dos EUA antes que os trabalhadores da Rússia possam acessar “a maioria das tecnologias e dados”, disse Sergey Kravchenko, presidente das operações locais da Boeing, em um memorando dirigido aos funcionários ao qual a  Bloomberg News teve acesso.

“A Boeing precisa restringir o acesso a quaisquer dados controlados de exportação aos funcionários de engenharia da Boeing e de organizações parceiras na Rússia”, escreveu Kravchenko no e-mail.

A empresa disse que procurará encontrar novas atribuições para alguns funcionários e também explorar rotações de trabalho, viagens de negócios e possíveis dias de folga para os colaboradores na Rússia enquanto aguarda as novas licenças.
 

Na segunda-feira (28), a Boeing disse que havia fechado seu escritório em Kiev, na Ucrânia, e “pausado” as operações em seu campus de treinamento em Moscou.

A fabricante de aviões europeia Airbus também informou que tomaria medidas semelhantes, citando uma lista crescente de sanções internacionais após a invasão da Ucrânia pela Rússia.

“A Airbus suspendeu os serviços de suporte às companhias aéreas russas, bem como o fornecimento de peças de reposição para o país”, disse a fabricante de aviões em comunicado na quarta-feira.

A empresa possui um centro de suporte em Moscou que presta assistência técnica aos clientes, oferece seminários e outros serviços de suporte, de acordo com seu site.

Um centro de engenharia formado em 2003 emprega 200 engenheiros russos. A instalação, uma joint venture entre Airbus, Systema Invest e Kaskol Group, foi fechada temporariamente, confirmou um porta-voz, citando “regulamentos de controle de exportação e leis aplicáveis”.

A Honda está interrompendo as exportações de carros e motocicletas para a Rússia, juntando-se a um número crescente de empresas globais que optaram por não fazer negócios no país após a invasão da Ucrânia.

A montadora japonesa tomou a decisão devido a desafios em torno de distribuição e finanças, disse Misako Saka, porta-voz da Honda. Ela retomará as remessas assim que a situação voltar ao normal, acrescentou o porta-voz.

Embora a Honda não tenha uma fábrica na Rússia, ela exporta cerca de 1.500 SUVs anualmente para o país de fábricas nos EUA. A montadora japonesa Mazda também está suspendendo as remessas de peças para uma fábrica na Rússia, informou o jornal Nikkei.

A montadora sul-coreana Hyundai Motor suspenderá as atividades em sua fábrica de montagem de automóveis em São Petersburgo, na Rússia,  até o próximo sábado, dia 5 de março, devido a interrupções na cadeia de suprimentos, informou a agência de notícias Interfax na terça-feira, citando um funcionário da empresa sul-coreana na Rússia.

Veja também

Meta e Apple discutem parceria em inteligência artificial, diz Wall Street Journal
TECNOLOGIA

Meta e Apple discutem parceria em inteligência artificial, diz Wall Street Journal

Grandes usinas solares igualam capacidade da hidrelétrica de Itaipu
energia limpa

Grandes usinas solares igualam capacidade da hidrelétrica de Itaipu

Newsletter