Bolsa brasileira sobe 11,1% e tem maior alta mensal desde outubro de 2016

O impulso veio após a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o que diminuiu a chance de que ele consiga disputar as eleições desse ano

Bolsa de valoresBolsa de valores - Foto: Reprodução/Internet

A Bolsa brasileira teve em janeiro o melhor mês desde outubro de 2016 sob impulso do otimismo que levou os mercados internacionais a baterem recordes seguidos e também após a confirmação, por unanimidade, da condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o que diminuiu a chance de que ele consiga disputar as eleições deste ano.

O Ibovespa fechou em alta de 0,51%, aos 84.912 pontos. No mês, o índice das ações mais negociadas avançou 11,14%, maior alta desde outubro de 2016. O volume financeiro da sessão ficou em R$ 12,6 bilhões, enquanto a média diária de janeiro estava em R$ 10,05 bilhões até o dia 30.

O dólar comercial fechou em alta de 0,03%, para R$ 3,181. Em janeiro, a moeda recuou 4%, na maior desvalorização mensal desde julho (-5,9%).

Leia também:
Bolsa brasileira intensifica alta após maioria confirmar condenação de Lula
Bolsa volta a bater recorde e dólar fecha no menor valor em três meses


Já o dólar à vista, que encerra os negócios mais cedo, avançou 0,15%, para R$ 3,185. No mês, caiu 3,82% -também a maior queda desde julho.

A forte valorização do Ibovespa em janeiro impulsionou o ganho dos fundos de ações indexados, opção para quem quer investir em Bolsa e acompanhar o principal índice do mercado acionário brasileiro. Após o desconto de Imposto de Renda, o rendimento foi de 9,8%.

O cenário externo e o fluxo de estrangeiros para o mercado brasileiro ajudou o Ibovespa a bater 12 recordes no mês e superasse os 85 mil pontos. Se corrigido pela inflação, porém, o índice ainda estaria bem abaixo dos 73.516 pontos atingidos em maio de 2008 -e que hoje equivaleriam a cerca de 130 mil pontos.

"O bom humor no mercado global favoreceu os emergentes, principalmente os ligados a commodities. Mas o julgamento do Lula serviu como catalisador para o excesso de liquidez global. Havia um investimento represado e, após o julgamento, esse dinheiro chegou com mais ímpeto", afirma Raphael Figueredo, sócio-analista da Eleven Financial.

Para ele, a perspectiva ainda é de valorização da Bolsa brasileira, mas com menos ímpeto que o verificado em janeiro. "Essa alta vem por uma expectativa no médio prazo. Ainda é preciso incorporar no preço os resultados corporativos do último trimestre e o crescimento da economia brasileira", afirma.

"Dá para chegar aos 89 mil pontos até o final do primeiro trimestre", ressalta.
Na renda fixa, os ganhos foram tímidos em janeiro e ficaram bem distantes da realidade de dois dígitos verificada até outubro de 2016. O melhor rendimento foi registrado pelo Tesouro IPCA 2024, com alta de 3,42% no mês. A poupança com depósitos até 3 de maio de 2012 rendeu 0,5%. Já o rendimento da poupança nova (com depósitos após 4 de maio de 2012) ficou em 0,4% em janeiro.

"Há uma expectativa de novo corte de juros na reunião do Copom [comitê de política monetária do Banco Central] da próxima semana. O juro deve ir para o patamar de 6,75%, o que deve levar mais investidores à renda variável. Mas é bom lembrar que a perspectiva para o ano é de volatilidade nos mercados de maior risco", afirma Vinícius Maeda, diretor de relações com investidores da plataforma Magnetis.

Câmbio
No mercado cambial, o dólar perdeu força ante 23 das 31 principais divisas mundiais. Os investidores acompanharam a decisão de política monetária do Federal Reserve (Fed, banco central americano). Na última reunião sob o comando de Janet Yellen, o Fed manteve a taxa de juros nos Estados Unidos na faixa entre 1,25% e 1,50% ao ano.

A decisão já era aguardada, mas o comunicado divulgado após o encontro reforçou a expectativa do banco central americano com a recuperação da economia dos EUA e com a inflação caminhando para a meta de 2% ao ano ao longo de 2018.

Yellen será substituída a partir de 3 de fevereiro por Jerome Powell, vice-presidente do Fed que trabalhou em estreita colaboração com a atual presidente nos últimos anos. Ele foi nomeado pelo presidente Donald Trump e confirmado pelo Senado americano.

O CDS (Credit Default Swap, termômetro de risco-país) do Brasil fechou em baixa de 1,4%, para 143,7 pontos.

No mercado de juros futuros, os contratos mais negociados fecharam em baixa. O DI para abril de 2018 recuou de 6,673% para 6,666%. O DI para janeiro de 2019 teve queda de 6,810% para 6,805%.

Veja também

'BC não proibiu WhatsApp de operar', diz Campos Neto
Whatsapp

'BC não proibiu WhatsApp de operar', diz Campos Neto

Sucesso da Tesla na Bolsa eleva expectativas sobre avanço da SpaceX
Negócios

Sucesso da Tesla na Bolsa eleva expectativas sobre avanço da SpaceX