Bolsa cai 2,49% com incertezas sobre eleição nos EUA

Investidores temem uma eventual vitória de Trump, considerado por muitos analistas protecionista e radical

Programa Pernambuco de Verdade foi iniciado em 2015Programa Pernambuco de Verdade foi iniciado em 2015 - Foto: Divulgação

As incertezas em relação à eleição presidencial americana prosseguiram nesta quinta-feira (3), a cinco dias da realização do pleito, e pressionaram as Bolsas mundiais para baixo mais uma vez. Já o dólar se enfraqueceu frente à maior parte das moedas.

Pela manhã, os índices acionários ensaiaram uma recuperação depois que duas pesquisas de intenção de voto mostraram a democrata Hillary Clinton à frente do republicano Donald Trump. Os investidores temem uma eventual vitória de Trump, considerado por muitos analistas protecionista e radical.

Na sequência, porém, outras sondagens indicaram empate ou liderança de Trump, azedando novamente o humor dos investidores. Resultados corporativos também pesaram sobre os índices acionários, assim como a queda do petróleo pelo quinto pregão consecutivo.

No Brasil, depois do recuo de 2,46% na terça-feira (1), o Ibovespa caiu 2,49%, aos 61.750,17 pontos, na pior queda percentual desde 13 de setembro (-3,01%). O giro financeiro foi de R$ 8,9 bilhões. "O índice seguiu o cenário externo negativo, e também se ajustou ao fato de não ter operado na quarta-feira (2), quando os mercados lá fora caíram", explica João Pedro Brugger Martins, analista da Leme Investimentos. Ele acrescenta que o Ibovespa subiu muito até outubro e, sem motivos para novas altas, investidores aproveitam para vender ações e embolsar os ganhos recentes.

No setor financeiro, Itaú Unibanco perdeu 2,14%; Bradesco PN, -2,37%; Bradesco ON, -2,03%; Banco do Brasil ON, -4,76%; BM&FBovespa ON, -2,90%; e BB Seguridade, -4,21%. Afetadas pelo recuo do petróleo, as ações da Petrobras caíram 4,32%, a R$ 16,13 (PN), e 4,23%, a R$ 17,17 (ON). Os papéis da Vale termiinaram em baixa de 1,54%, a R$ 20,45 (PNA), e 1,52%, a R$ 21,96 (ON).

Em Nova York, o índice S&P 500 fechou com recuo de 0,44%. Foi a oitava queda seguida do índice, na sequência de perdas mais longa desde a crise financeira de 2008. O índice Dow Jones caiu 0,16%; e o Nasdaq, -0,92%. Também pesou a queda de 5,68% das ações do Facebook, após a companhia alertar que o crescimento de sua receita vai desacelerar neste trimestre. A maioria das Bolsas europeias também recuou.

CÂMBIO E JUROS

O dólar se desvalorizou frente à maior parte das moedas, inclusive ante o real. O peso mexicano liderou o ranking de ganhos, após pesquisas mostrarem Hillary Clinton à frente na corrida presidencial americana.

A libra também teve forte alta, reagindo ao banco central britânico, que descartou nesta quinta-feira (3) os planos de cortar a taxa de juros. Além disso, a Justiça britânica decidiu que cabe ao Parlamento, e não ao governo, dar início ao "brexit", como ficou conhecida a saída do Reino Unido da União Europeia. A sentença pode atrasar o processo de separação.

DÓLAR

Depois da forte alta de 1,63% na terça-feira (1), o dólar comercial fechou em baixa de 0,15%, a R$ 3,2360.

Para Jefferson Rugik, diretor de câmbio da Correparti Corretora, o fato de o Fed (Federal Reserve, o banco central dos EUA) ter mantido o atual patamar dos juros nesta quarta-feira (2), conforme esperado, contribuiu para o enfraquecimento da moeda americana, embora tenham aumentado as chances de uma alta em dezembro.

Pela manhã, o Banco Central leiloou 5 mil contratos de swap cambial reverso, equivalentes à compra futura de dólares, no montante de US$ 250 milhões. No mercado de juros futuros, as taxas de curto prazo caíram, acompanhando o dólar, enquanto as de longo prazo subiram, refletindo as incertezas no cenário externo. O CDS (credit default swap) de cinco anos brasileiro, espécie de seguro contra calote e indicador de percepção de risco, subia 0,27%, aos 288,414 pontos.

Veja também

Receita Federal estima que metade dos fundos imobiliários sonegam impostos
receita federal

Receita Federal estima que metade dos fundos imobiliários sonegam impostos

INSS prorroga antecipação de R$ 1.045 do auxílio-doença e do BPC
inss

INSS prorroga antecipação de R$ 1.045 do auxílio-doença e do BPC