Bolsa e real encerram ano turbulento em forte alta

A Bolsa de São Paulo, a maior da América Latina, fechou na quinta-feira as operações de 2016 em alta de 38,9%

Sessão plenária da AlepeSessão plenária da Alepe - Foto: Roberto Ramos/ Alepe

Apesar da recessão e da crise política, investir na bolsa brasileira foi um bom negócio em 2016. Enquanto o Brasil vivia uma época repleta de turbulências, seus mercados registraram os melhores resultados em anos, um fenômeno que os especialistas atribuem à alta do preço das commodities.

A Bolsa de São Paulo, a maior da América Latina, fechou na quinta-feira (29) as operações de 2016 em alta de 38,9%, seu primeiro ano no positivo desde que concluiu 2012 com um avanço de 7,4%.

Os 60.227 pontos do índice Ibovespa, o principal indicador da Bolsa de São Paulo, ficam agora muito distantes dos 43.349 com os quais encerrou 2015, quando perdeu 13%.

Desde então, no entanto, aconteceram muitas coisas significativas na economia mais importante da região.

Foram registrados meses de tensão política e incerteza que levaram à suspensão em maio e ao impeachment em agosto da presidente Dilma Rousseff, além do início da gestão de Michel Temer e seu polêmico plano de cortes, tudo com a maior operação anticorrupção da história do Brasil como pano de fundo.

Mas, embora seguissem atentos ao thriller político e judicial que abalava o país, os investidores operavam olhando para fora. "A bolsa e o real despontaram em relação ao resto dos mercados mundiais em 2016. Não considero que tenha relação com questões domésticas, como a crise política ou o impeachment, que também influenciaram, e sim com os preços das commodities, especialmente do petróleo", afirmou à AFP André Perfeito, economista-chefe da consultora Gradual Investimentos.

Favorecidos pela conjuntura, os papéis da mineradora Vale (+128,99% em suas ações preferenciais), da metalúrgica Gerdau (+189,16%) e da Usiminas (+169%) estiveram entre os que mais se valorizaram em 2016. "O mercado brasileiro é muito mais sensível a variações externas porque é muito grande. O barril Brent subiu em 2016 mais de 50% e, se sua evolução for observada em comparação com os lucros da Bolsa de São Paulo em dólares, são dois gráficos muito equilibrados", explicou Perfeito.

- Real disparado -

Ao mesmo tempo, o real começava uma escalada que o levou de 4,166 unidades por dólar no dia 21 de janeiro - o menor valor de sua história - a fechar na quinta-feira a 3,252 por dólar. Desde o primeiro dia de operações do ano, a divisa brasileira ganhou 21,46%, de acordo com os dados da consultora CMA.

Com sua forte alta, o real foi a moeda que mais se valorizou no mundo em relação ao dólar, muito à frente do rand sul-africano, segundo o estudo da Gradual Investimentos, que adverte que a tendência pode se reverter no próximo ano."A média das projeções para o fim de 2017 está em 3,50 reais no relatório Focus e é um consenso entre os analistas internacionais que a chegada de Trump deve se traduzir em um fortalecimento do dólar devido à reação do FED às ambições fiscalistas do novo ocupante da Casa Branca", avaliou a consultora em sua análise.

Às incertezas externas, agravadas pela alta das taxas de juros nos Estados Unidos e pelas dúvidas sobre o rumo dos preços de petróleo, o Brasil soma muitas dúvidas próprias para o ano que se inicia. "Há um certo otimismo com o governo novo, mas todas as reformas ainda estão em uma fase muito inicial e a questão política ainda é muito delicada devido à Operação Lava Jato. Não se pode dizer que os problemas estão resolvidos", disse Perfeito.

Na última pesquisa Focus divulgada pelo Banco Central (BCB), o mercado reduziu pela décima semana consecutiva suas expectativas de recuperação da economia brasileira em 2017, que deve crescer apenas 0,5%.

Para este ano, a previsão é de uma contração do PIB de 3,49%, depois de ter caído 3,8% em 2015, prolongando pelo segundo ano consecutivo a pior recessão da maior economia latino-americana em mais de um século.

Veja também

Comitê da Petrobras vê conflito de interesses em dois indicados para conselho da empresa
Estatal

Comitê da Petrobras vê conflito de interesses em dois indicados para conselho da empresa

Bitcoin dispara 98% neste ano e atrai novos investidores
Negócios

Bitcoin dispara 98% neste ano e atrai novos investidores