Bolsa sobe 2,1% e atinge 83 mil pontos pela primeira vez desde abril

O dólar teve queda de 1,82%, para R$ 5,58

Dólar americanoDólar americano - Foto: Arquivo/Agência Brasil

A Bolsa brasileira encerrou esta quinta-feira (21) com alta de 2,1%, aos 83.027 pontos -patamar que não atingia desde 29 de abril, quando fechou em 83.170. O movimento veio descolado de seus pares no exterior e teve influência positiva da reunião entre o presidente Jair Bolsonaro e governadores.

O volume financeiro movimentado no pregão desta quinta ficou em R$ 27,9 bilhões.
Segundo o analista da Clear Corretora Rafael Ribeiro, o apoio dos governadores e do Legislativo em vetar o reajuste dos servidores públicos, somado ao fato de que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, defendeu um cenário de reformas pós-pandemia, acabou aumentando o apetite de risco no mercado.

"Essa boa melhora no ambiente político, também ajudou na queda do dólar, que caminha para a pior semana do ano. Além desses fatores, pesou a fala do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto", afirmou.

Leia também:
Com apoio de governadores, Bolsonaro defende congelar salários de servidores e garante socorro aos estados
BC pode permitir devolução de parte do financiamento imobiliário quitado para o devedor


Campos Neto afirmou que o BC pode ampliar sua intervenção no câmbio se necessário e justificou o aumento das atuações nos últimos dias pelo descolamento da moeda brasileira em relação aos pares emergentes.

Para a analista de ações da Spiti Corretora Cristiane Fensterseifer, a fala de Campos Neto de que o BC pode atuar vendendo dólar, ajudou a moeda americana a encerrar esta quinta-feira (21) com queda de 1,82%, para R$ 5,58.

Dentre as blue chips (ações de grandes empresas, que já possuem nome forte no mercado e negócio consolidado), os papéis preferenciais da Petrobras (sem direito a voto) caíram 0,57%, perdendo fôlego apesar dos preços do petróleo no exterior. As ações ordinárias (com direito a voto) da petrolífera, no entanto, subiram 0,35%.

Vale, por sua vez, registrou queda de 2,61%, também na contramão dos futuros do minério de ferro, que fecharam acima dos US$ 100 por tonelada ante preocupações sobre um possível aperto na oferta brasileira ante o agravamento da crise do coronavírus.

No setor financeiro, Banco do Brasil, Bradesco e Itaú Unibanco registraram avanços de 7,06%, 5,55% e 5,74%, respectivamente.

No exterior, as bolsas americanas fecharam em queda: S&P caiu 0,78%, Dow Jones recuou 0,41% e Nasdaq, 0,97%.

Veja também

Trabalhadores da saúde podem solicitar indenização por incapacidade devido à Covid-19
Covid-19

Trabalhadores da saúde podem solicitar indenização por incapacidade devido à Covid-19

70% dos acordos não repõem inflação, e salários encolhem
Economia

70% dos acordos não repõem inflação, e salários encolhem