Bolsa de valores

Bolsas europeias afundam após invasão da Ucrânia

Além da queda nos valores, houve um aumento disparado nos preços das matérias-primas

Mercado de Ações Alemão na bolsa de valores em Frankfurt, AlemanhaMercado de Ações Alemão na bolsa de valores em Frankfurt, Alemanha - Foto: Daniel Roland/AFP

As principais bolsas de valores da Europa viveram nesta quinta-feira (24) um de seus piores dias desde março de 2020, após o início da invasão russa da Ucrânia, que também fez disparar os preços das matérias-primas.

O índice FTSE de Bolsa de Londres fechou com queda de 3,82%, enquanto o DAX de Frankfurt caiu 3,96%. Já o CAC-40, da bolsa de Paris, fechou em baixa de 3,83%, enquanto o FTSE MIB de Milão registrou perdas de 4,10%, e o IBEX 35, de Madri, recuou 2,86%.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, iniciou a invasão da Ucrânia na madrugada desta quinta-feira com bombardeios e incursões terrestres em vários pontos do país, inclusive nos arredores da capital Kiev.

As bolsas europeias caíram com força desde a abertura dos pregões e, até as 14h30 GMT (11h30 em Brasília), registraram perdas mais pronunciadas que nos fechamentos. Frankfurt, por exemplo, chegou a cair 5%.

Além disso, a divisa russa - o rublo - alcançou seu mínimo histórico frente ao dólar, antes da intervenção do banco central da Rússia.

Os efeitos da crise não se limitaram aos mercados de valores: os preços das matérias-primas, especialmente o petróleo, dispararam. Tanto o Brent como o WTI superaram a marca de 100 dólares por barril pela primeira vez desde 2014, com altas superiores a 5% cada um.

Veja também

Sam Altman acumulou fortuna de US$ 2 bilhões sem contar com ações da OpenAI, criadora do ChatGPT
NEGÓCIOS

Sam Altman acumulou fortuna de US$ 2 bilhões sem contar com ações da OpenAI, criadora do ChatGPT

PIB de 2023 revela que fazer dever de casa traz resultado positivo
Febraban

PIB de 2023 revela que fazer dever de casa traz resultado positivo