A-A+

Bolsas no exterior despencam com avanço do coronavírus fora da China

Nesta segunda, autoridades italianas confirmaram sete mortes causadas pelo coronavírus

Bolsa Bolsa  - Foto: Miguel Schincariol/AFP

As Bolsas europeias e americanas operam nesta segunda-feira (24) em forte queda, em resposta ao aumento no número de casos do novo coronavírus fora da China e também em reflexo ao impacto da epidemia na economia chinesa.

Após a confirmação de que o vírus circula pelo país, ocorrida na noite da última quinta-feira (20), a Itália já é o terceiro do mundo com o maior número de casos, ultrapassando o Japão, e atrás de Coreia do Sul e China, onde o novo coronavírus surgiu, em dezembro.

Leia também:
Dólar fecha próximo da estabilidade, mas volta a registrar recorde
Coreia do Sul anuncia 161 novos casos de coronavírus
G-20 diz que novo coronavírus é risco para economia global


Nesta segunda, autoridades italianas confirmaram sete mortes causadas pelo coronavírus. Segundo a proteção civil do país são mais de 220 casos informados no norte do país desde sexta-feira (21).

As ações de Milão caem 3,7%, menor nível em quase três semanas. Entre os piores desempenhos no STOXX 600 estão as ações de aéreas como a EasyJet, Ryanair, Air France e Lufthansa, que caem entre 7% e 11%. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, caiu 0,4%, enquanto o índice de Xangai teve queda de 0,28%.

A confiança do investidor foi abalada depois que a Coreia do Sul colocou o país em alerta alto, uma vez que o número de infecções saltou para mais de 700 e as mortes subiram para sete.

Nos Estados Unidos, Dow Jones despencou 2,73%, uma queda de mais de 800 pontos, poucos minutos após a abertura do pregão. O S&P 500 abriu em baixa em 80,14 pontos, ou 2,40%, para 3.257,61. O Nasdaq caiu 388.15 pontos, ou 4,05%, para 9,188.44 no início da sessão.

No Brasil, devido às celebrações de Carnaval, a Bolsa só reabre na quarta-feira (26), às 13h. O banco central da China reiterou nesta segunda que lançará novas medidas para conter o impacto do surto de coronavírus no país e implementar sua política monetária prudente de maneira flexível.

O Banco do Povo da China disse em comunicado que também reduzirá a taxa de juros sobre empréstimos para micro e pequenas empresas de forma apropriada para impedir o colapso do fluxo de dinheiro no mercado.

Veja também

Bolsa tem pior semana desde baque da pandemia com drible no teto
Ibovespa

Bolsa tem pior semana desde baque da pandemia com drible no teto

Ministério da Economia indica Paulo Valle para Secretaria do Tesouro
Tesouro nacional

Ministério da Economia indica Paulo Valle para Secretaria do Tesouro