A-A+

Bolsonaro culpa aumento de beneficiários por remanejamento do Bolsa Família

Cerca de 700 mil famílias pediram o auxílio ao governo e aguardam na fila de espera

Bolsa FamíliaBolsa Família - Foto: Ana Nascimento/CCE

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) culpou nesta terça-feira (7) o aumento do número de beneficiários do Bolsa Família pelo remanejamento de recursos da Previdência para pagar o 13° salário do programa.

"Vocês estão loucos para que eu desse um corte no Bolsa Família. Deve ser isso. Atendemos o Bolsa Família. Deve ter havido remanejamento, tudo de forma legal, sem problema nenhum", disse ao sair do Palácio da Alvorada.

Leia também:
Após apoiar ação dos EUA, Bolsonaro diz que Brasil manterá comércio com Irã
Veja o calendário de pagamentos do Bolsa Família em 2020

Apesar da declaração do presidente, a cobertura do Bolsa Família segue caindo na gestão Bolsonaro. Em dezembro, foi a menor do ano passado: 13,1 milhões de famílias atendidas.

O presidente reconheceu que há falta de recursos para pagar o benefício, que foi promessa sua de campanha, e culpou o ingresso de novos beneficiários. "Nós estamos buscando a maneira de trabalhar melhor na questão do Bolsa Familia para evitar que entre com tanta facilidade sem filtro muitas pessoas", acrescentou.

Quando era candidato, Bolsonaro não dizia de onde tiraria o dinheiro para pagar o 13° salário, mas afirmava que a realização de um pente-fino no programa seria suficiente para cobrir a despesa.

"O maior problema não é o pente-fino que é feito regularmente é a quantidade de municípios que ... Tem que ter um mecanismo para punir aqueles que estão na ponta da linha e que simplesmente vão botando para dentro do Bolsa Familia sem nenhuma responsabilidade", afirmou. Questionado se o pente-fino não foi suficiente, ele disse que "a entrada de água está sendo menor do que os buracos que têm ainda no programa".

Como mostrou o jornal Folha de S.Paulo nesta terça, para conseguir pagar a 13ª parcela aos beneficiários do Bolsa Família, o governo teve de usar parte da verba que estava prevista para aposentadorias e pensões.

Em mais um capítulo dos problemas enfrentados sob comando de Jair Bolsonaro, o programa social precisou de dinheiro às pressas para evitar que famílias ficassem desamparadas. Foi necessário remanejar o Orçamento no fim de 2019 e, assim, retirar recursos de outras áreas.

Sem o aumento dos repasses ao programa, cerca de 1 milhão de famílias poderiam ficar fora da cobertura em dezembro, que incluiu também a 13ª parcela. Até parte do dinheiro que estava reservada para a Previdência Social foi alvo do corte. O Ministério da Economia confirmou o remanejamento dos recursos.

O governo considerou que gastaria menos com benefícios previdenciários em 2019 por causa do combate a fraudes, mas também em razão do atraso do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) para responder a pedidos de aposentadorias e pensões.

Essa demora vem prejudicando idosos que aguardam uma reposta do INSS. Com esse represamento na análise, houve uma folga no orçamento da Previdência.

A queda na cobertura do Bolsa Família tem sido provocada artificialmente. Como publicou a Folha de S.Paulo, o governo passou a controlar a inclusão de beneficiários no programa, cujo objetivo é reduzir a desigualdade no país, por causa da falta de dinheiro.

Cerca de 700 mil famílias pediram o auxílio ao governo e aguardam na fila de espera.

O Bolsa Família atende pessoas que vivem em situação de extrema pobreza, com renda per capita de até R$ 89 mensais, e pobreza, com renda entre R$ 89,01 e R$ 178 por mês. O benefício médio é de R$ 191,08.

Veja também

Ações globais de tecnologia lideram indicações de especialistas na Bolsa
Economia

Ações globais de tecnologia lideram indicações de especialistas na Bolsa

Crescem reclamações sobre cobranças indevidas de crédito consignado
INSS

Crescem reclamações sobre cobranças indevidas de crédito consignado