Bolsonaro deve determinar que empresas de telefonia repassem dados de clientes ao IBGE

Medida visa coletar informações da população em meio à pandemia do Covid-19

Iniciativa tem como objetivo facilitar a coleta de dados para a realização do PNADIniciativa tem como objetivo facilitar a coleta de dados para a realização do PNAD - Foto: Divulgação

O presidente Jair Bolsonaro prepara uma medida provisória para determinar que as empresas de telecomunicações​ repassarem dados de clientes ao IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica) durante o estado de emergência pública por conta da pandemia do coronavírus.

A iniciativa tem como objetivo auxiliar o instituto federal a promover, por meio de contato telefônico, a coleta de dados para a realização da PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua, que costuma ser divulgada todo trimestre.

Leia também:

Bolsonaro ataca jornalistas uma vez a cada 3 dias, aponta entidade de imprensa

Bolsonaro troca ministro mas segue impedido de reverter ações de governadores e prefeitos  O texto, que está em fase final de elaboração, deve especificar que as empresas de telefonia deverão disponibilizar informações como nome completo, número de telefone e endereço residencial. Ele ainda irá especificar que os dados são sigilosos e, portanto, não podem ser divulgados.

A medida provisória tem sido elaborada a pedido do próprio instituto de pesquisa. Em ofício a empresas de telefonia, enviado no início deste mês e ao qual a reportagem teve acesso, a presidente Susana Cordeiro especificou que será realizado um estudo sobre o coronavírus no Brasil.

"Inicialmente, a PNAD-Covid terá sua coleta distribuída ao longo de três meses e resultados divulgados com periodicidade semanal", disse. "Ressaltamos que os dados fornecidos ao IBGE terão caráter sigiloso e serão usadas exclusivamente para fins estatísticos", acrescentou.

A expetativa é de que a medida provisória seja publicada até o final de semana no Diário Oficial da União.

Em outra frente, o secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo dos Reis, solicitou ao Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações, "intervenção junto às operadoras de telefonia" para que liberem dados como número de telefone, idade e o município de todos os cidadãos do país que apareçam em seus cadastros.

A intenção do ministério com esses dados é montar um "sistema de tele-atendimento, visando identificar os sintomas do novo coronavírus por meio de triagem à distância, viabilizando a prevenção ativa e o monitoramento dos casos já identificados", segundo ofício obtido pela reportagem.

A plataforma, que está sendo desenvolvida pelo Departamento de Informática do SUS (Datasus), "visa contribuir para o isolamento social e evitar que casos não críticos cheguem às unidades de saúde, impedindo a disseminação do novo vírus aos profissionais de saúde, mantendo maior controle da proliferação da doença, nos locais de maior incidência".

As operadoras já fora comunicadas sobre ambos os projetos e levantam considerações sobre a proteção de dados que, segundo elas, são protegidos por sigilo telefônico.

Estão preocupados se, passada a pandemia, poderão ser acionadas judicialmente devido às exigências impostas pela Lei Geral de Proteção de Dados. Apesar da gravidade da situação, elas acham que estariam violando o direito à privacidade dos cidadãos caso entregassem as bases de dados solicitadas, tanto pelo IBGE quanto pelo Ministério da Saúde.

No início do mês, o Ministério de Ciência e Tecnologia havia fechado um acordo com cinco grandes operadoras de telecomunicações para obter informações a partir de dados anonimizados de celulares e monitorar aglomerações durante a pandemia.

O sistema, similar ao que foi implantado pela Coreia do Sul, não trabalha com dados cadastrais dos clientes, somente com a localização de cada chip ativo. O resultado são manchas que variam entre azul (baixa aglomeração) e vermelho (elevada concentração) de pessoas.

A cooperação havia sido firmada com o ministro Marcos Pontes e anunciada por Oi, Claro, Algar, Vivo e Tim. Segundo as operadoras, os dados fornecidos visavam exclusivamente o combate à Covid-19 e estariam em uma nuvem pública, chamada de data lake.​

Na segunda-feira (13), no entanto, Bolsonaro recomendou a Pontes "prudência" e "mais testes" na ferramenta de monitoramento. Segundo pessoas que participam das discussões, não houve veto de Bolsonaro, mas uma instrução normativa deverá ser publicada disciplinando a iniciativa.

A reação de Bolsonaro ocorreu depois que muitos aliados reclamaram ao presidente de que poderia haver risco de quebra de sigilo telefônico (acesso a dados protegidos, como o titular da linha telefônica).​

 

Veja também

TNT e SoulCode Academy oferecem cursos gratuitos de programação
Tecnologia e Games

TNT e SoulCode Academy oferecem cursos gratuitos de programação

Presidente da Caixa diz que banco terá foco total na venda de fatias de subsidiárias
Economia

Presidente da Caixa diz que banco terá foco total na venda de fatias de subsidiárias