Bolsonaro deve vetar auxílio de R$ 600 para manicures e barbeiros

O governo, no entanto, diz que essas categorias já estão contempladas na primeira lei sancionada por Bolsonaro, em 2 de abril

DinheiroDinheiro - Foto: Reprodução / Internet

O presidente Jair Bolsonaro deve vetar o auxílio emergencial de R$ 600 para manicures e pedicures, barbeiros, esteticistas, depiladores, maquiadores e demais profissionais da beleza.

São justamente as categorias que ele incluiu no decreto publicado na segunda (11) em que ampliou a lista de serviços essenciais, dizendo que salões de beleza e barbearias poderiam voltar a funcionar.

O Congresso aprovou em abril um projeto de lei de autoria do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) que ampliou as categorias que poderiam receber o auxílio emergencial do governo. E incluiu os profissionais da beleza na lista.

Leia também:
Bolsonaro critica governadores e diz que desrespeito a decreto de atividades essenciais 'aflora autoritarismo'
Defesa de Moro diz que vídeo confirma integralmente declarações sobre Bolsonaro

O governo, no entanto, diz que essas categorias já estão contempladas na primeira lei sancionada por Bolsonaro, em 2 de abril. E o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, já avisou aos senadores que o presidente vai vetar a nova lista feita pelo Congresso. Segundo ele, apenas dois grupos do projeto do Congresso serão sancionados por Bolsonaro: o de mães menores de idade e o de pais monoparentais.

O anúncio foi feito por ele na sexta (8), numa audiência da comissão que acompanha a crise da Covid-19. Os parlamentares discordam. Eles dizem que a lei de Bolsonaro fala de regras gerais, como idade e renda, e não contempla as particularidades dos profissionais de beleza, entre outros.

"Se esses grupos já estivessem recebendo, para que precisariam trabalhar e se expor a contrair o coronavírus? E, se não estão recebendo, em vez de Bolsonaro mandá-los trabalhar, por que não sancionar a ajuda?", questiona Randolfe.

A possibilidade de salões e barbearias reabrirem é remota: governadores estaduais, a quem cabe a última palavra sobre a quarentena, já anunciaram que não vão seguir a orientação do presidente.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Relator vota contra autonomia do BC, mas vista adia julgamento no STF
STF

Relator vota contra autonomia do BC, mas vista adia julgamento no STF

Setor de casa e construção é o que mais cresce no mercado de franquias
Economia

Setor de casa e construção é o que mais cresce no mercado de franquias