Economia

Bolsonaro diz não ter previsão de estender auxílio emergencial para outras categorias

'Estas [outras categorias] aí, por enquanto, não está previsto isso daí. Se houver necessidade, se nos convencerem e se tiver recursos para tal, a gente estuda e defere ou não', afirmou o presidente

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro - Foto: Reprodução/TV Globo

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta segunda-feira (27) que não pretende ampliar para outras categorias o auxílio emergencial de R$ 600 durante o estado de calamidade decretado devido à pandemia causada pelo coronavírus.
A proposta foi aprovada pelo Legislativo na semana passada e seguiu para sanção presidencial.

Leia também:
Em meio a rumores de pedido de demissão, Bolsonaro diz que Guedes é o 'homem que decide economia'
Saque de auxílio emergencial começa a ser liberado nesta segunda

"Auxílio emergencial, R$ 600. Faltam poucas pessoas para serem pagas. Acho que hoje ou amanhã [terça, 28] já começa a segunda parcela. São três parcelas de R$ 600. Não está previsto ampliação até porque cada parcela está na casa um pouco acima de R$ 30 bilhões", disse Bolsonaro ao lado do ministro Paulo Guedes (Economia), ao saírem de uma reunião no Palácio da Alvorada. "Estas [outras categorias] aí, por enquanto, não está previsto isso daí. Se houver necessidade, se nos convencerem e se tiver recursos para tal, a gente estuda e defere ou não", afirmou presidente.

Pelo texto que saiu do Senado na semana passada, o pagamento seria feito em três parcelas aos beneficiados pela medida. Entre os beneficiados com a medida estão motoristas de táxi e de aplicativos de transporte, pescadores, esteticistas, caminhoneiros, diaristas, garçons, artistas, associados de cooperativas de catadores de materiais recicláveis e de agricultura familiar, entre outros.

Profissionais intermitentes, que são aqueles que prestam serviço de forma não contínua, também serão beneficiados pelo programa, desde que tenham renda mensal inferior a um salário mínimo. O texto permite ainda que chefes de família solteiros (homens e mulheres) recebam o dobro do valor (R$ 1.200 mensais).

Antes, apenas mulheres provedoras das famílias podiam acumular os valores. A proposta também permite que mães solteiras menores de 18 anos possam receber o benefício. O projeto aprovado pelos senadores retirou o trecho que desobrigava a exigência de CPF e título de eleitor regular. Dessa forma, só quem está com os documentos regulares podem receber o benefício.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

 

Veja também

Presidente descarta taxar compra por meio de aplicativos estrangeiros
Taxas de importação

Presidente descarta taxar compra por meio de aplicativos estrangeiros

Especialista dá dicas para escolher um celular 5G
Tecnologia e Games

Especialista dá dicas para escolher um celular 5G