Bolsonaro diz que governo vai gastar R$ 92 bi para manutenção de empregos formais

Bolsonaro também anunciou uma medida provisória que vai repassar R$ 16 bilhões a estados e municípios

Jair Bolsonaro e Paulo GuedesJair Bolsonaro e Paulo Guedes - Foto: Flickr/ Palacio do Planalto

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciou nesta quarta-feira (1) que editará até quinta (2) duas medidas provisórias para manutenção de empregos diante da crise do coronavírus, num total de R$ 92 bilhões de gastos. Uma das MPs (medida provisória), de R$ 58 bilhões, vai trazer a possibilidade de as empresas reduzirem a carga horária e o salário dos trabalhadores durante três meses. Neste período, o governo irá arcar com o valor reduzido.

"[As empresas] podem reduzir jornada de trabalho, 20%, 25%, 30%, que o governo cobre a diferença", disse o ministro Paulo Guedes (Economia). "Nós estamos pagando as empresas para manterem os empregos, que foi a promessa do presidente, lutar pela preservação dos empregos", afirmou o ministro. Outros R$ 34 bilhões serão gastos com crédito para pagamento do restante da folha de pagamento. Outros R$ 6 bilhões virão do sistema bancário.

Leia também:
Após fala de Bolsonaro, Correios cortam adicionais no salário de trabalhador em quarentena
Liberação de auxílio de R$ 600 depende de aprovação de PEC, diz Guedes
Auxílio emergencial de R$ 600 a partir de 16 de abril

"A empresa que mantiver emprego, nós não só complementamos o salário como damos um credito para a folha de pagamento", explicou o ministro. "Tanto o programa trabalhista de complementação salarial como o programa de crédito para financiamento da folha estão sendo assegurados." Bolsonaro também anunciou uma terceira medida provisória que vai repassar R$ 16 bilhões a estados e municípios. "É um socorro emergencial que está previsto", disse o presidente em pronunciamento.

Além disso, ele anunciou que sancionaria o projeto que garante auxílio emergencial de R$ 600 a trabalhadores informais e de R$ 1.200 para mães responsáveis pelo sustento da família. A intenção da ajuda é amenizar o impacto da crise do coronavírus sobre a situação financeira da população que perdeu ou teve sua renda reduzida.

O texto foi aprovado pelo Senado na segunda-feira (30), mas ainda não foi sancionado. Além disso, segundo o governo informou no início da semana, a liberação dos recursos depende ainda da aprovação de um crédito extraordinário e da edição de um decreto para regulamentar a medida.

Se não houver vetos, tem direito ao benefício cidadãos maiores de 18 anos que não têm emprego formal; não recebem benefício previdenciário ou assistencial, seguro-desemprego ou de programa de transferência de renda federal, exceto o Bolsa Família; têm renda mensal per capita de até meio salário mínimo (R$ 522,50) ou renda familiar mensal total de até três salários mínimos (R$ 3.135); não tenham recebido rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2018.

O "coronavauhcer", como o benefício foi apelidado, também vale para quem exerce atividade na condição de microempreendedor individual (MEI), contribuinte individual do Regime Geral de Previdência Social e para o trabalhador informal, de qualquer natureza, inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) ou que cumpra o requisito de renda até 20 de março de 2020.
O recebimento do auxílio emergencial está limitado a dois membros da mesma família. O auxílio substituirá o benefício do Bolsa Família nas situações em que for mais vantajoso.

"Separamos R$ 98 bilhões para atingir 54 milhões de brasileiros, para que tenham recursos nos próximos três meses para enfrentar esta primeira onda", disse Guedes nesta quarta. Segundo Guedes, o governo está gastando com toda a crise do coronavírus, um total de R$ 200 bilhões, o que representa 2,6% do PIB (Produto Interno Bruto).

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

 

Veja também

2021-2029. Quais forças ditarão na próxima década? Parte III
Diplomacia Econômica

2021-2029. Quais forças ditarão na próxima década? Parte III

Consumidor deve ter calma ao aceitar produtos financeiros
Economia

Consumidor deve ter calma ao aceitar produtos financeiros