A-A+

Bolsonaro diz reconhecer que preço do combustível está alto no Brasil

'Estamos fazendo o possível para baratear o preço do combustível porque reconhecemos que está alto no Brasil', disse

Jair Bolsonaro, presidente do BrasilJair Bolsonaro, presidente do Brasil - Foto: Marcos Corrêa / PR

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) reconheceu nesta segunda-feira (16) que o preço dos combustíveis está alto no Brasil. Embora tenha dito que seu governo busca soluções, não soube apontar uma saída para o problema.

"Estamos fazendo o possível para baratear o preço do combustível porque reconhecemos que está alto no Brasil", disse.

Leia também:
Cobrado por preço de energia, Bolsonaro diz que agências reguladoras atrapalham negociações 
Bolsonaro defende cancelamento da TV Escola e diz que canal 'deseduca'

A declaração foi feita após encontro com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, nesta segunda. O presidente foi até o prédio onde fica o ministério para tratar de temas ligados à área de transporte.

Bolsonaro voltou a reclamar da diferença do preço praticado na bomba e nas refinarias.

"Preço de combustível, lá na refinaria o preço está lá embaixo, ele cresce e fica alto por causa de quê? Impostos estaduais, ICMS basicamente. E depois o monopólio ainda que existe na questão de distribuição e nós estamos buscando quebrar esse monopólio para diminuir o preço. Só com a concorrência ele pode diminuir", afirmou.

Ele disse ainda que tem conversado com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e com o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, sobre o assunto e repassado a eles as sugestões que recebe sobre preço de combustíveis.

O presidente afirmou que o governo estuda medidas para simplifica a venda do etanol, mas não deu detalhes sobre de que forma isso seria feito.

"Questão do etanol nós tentamos, estamos tentando ainda, de modo que, das empresas que produzem o etanol, as usinas possam vender diretamente ao posto de gasolina. Tem caminhões de transporte de etanol que andam 400 quilômetros para entregar o etanol a um quilômetro da usina. Isso é um absurdo. Tem gente que é contra isso daí porque há interesse econômico e de grupos aqui no Brasil, não é fácil buscar uma solução para tudo, mas estamos fazendo o possível".

Ao fim do encontro entre o presidente e o ministro, foi descartada a possibilidade de uma nova paralisação dos caminhoneiros este ano.

"Eu acho que sim [que está descartada greve esse ano], observe que hoje era o dia de início, não está tendo nada nas estradas. Não houve nenhum ponto de bloqueio porque há um grande respeito nosso com os caminhoneiros e um respeito muito grande dos caminhoneiros com relação a gente. Conseguimos estabelecer um diálogo, ele sabe que tem as portas abertas e a cada dia nós temos soluções novas", disse Tarcísio.

Veja também

Comissão aprova texto-base da PEC dos precatórios, que dribla o teto de gastos
PRECATÓRIOS

Comissão aprova texto-base da PEC dos precatórios, que dribla o teto de gastos

CMN remaneja R$ 1,3 bi para cafezais afetados por geadas
Agricultura

CMN remaneja R$ 1,3 bi para cafezais afetados por geadas