Presidente do Brasil

Bolsonaro muda o tom e diz que partilha de valores ambientais com OCDE

Enquanto isso, no governo, preocupação é com a agenda tributária, que precisa estar em linha com as nações desenvolvidas

Presidente Jair Bolsonaro Presidente Jair Bolsonaro  - Foto: Clauber Cleber Caetano/PR

O presidente Jair Bolsonaro adotou um tom diferente do que costuma usar quando o assunto é meio ambiente, na carta enviada à OCDE sobre a candidatura brasileira a uma vaga no chamado “clube dos ricos”.

Em uma sinalização para atender às exigências do organismo internacional, Bolsonaro reforçou os compromissos do Brasil para combater o aquecimento global e acabar com o desmatamento. Mas, para integrantes da equipe econômica envolvidos com o processo de adesão, o maior desafio é aprovar a reforma tributária. 

A carta foi em resposta ao convite feito pela OCDE para Brasil, Argentina, Peru, Bulgária, Romênia e Croácia iniciarem formalmente as negociações para se tornar membros do organismo. O pedido de adesão brasileiro foi feito em 2017, no governo do ex-presidente Michel Temer. 

Jair Bolsonaro, que no fim do ano passado não foi à reunião de cúpula sobre o clima (COP26), na Escócia, e, recentemente, comemorou a redução das multas ambientais, destacou sua preocupação com temas sociais e ambientais.  No texto, ele afirma que “não há dúvida que o Brasil compartilha o objetivo da OCDE de apoiar o crescimento econômico sustentável, acabar com a pobreza e não deixar ninguém para trás, bem como proteger nosso meio ambiente e melhorar a vida e as perspectivas de todos". 

Bolsonaro destaca que o Brasil foi um dos proponentes originais dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e participou ativamente da construção da Agenda 2030. Diz que o Brasil está comprometido em adotar e implementar plenamente políticas públicas alinhadas com seus objetivos climáticos, tomando ações efetivas para traduzir esse objetivo, incluindo "trabalhar coletivamente para deter e reverter a perda florestal e a degradação da terra até 2030, entregando  desenvolvimento e promoção de uma transformação rural inclusiva", conforme previsto na Declaração dos Líderes de Glasgow sobre Florestas e Uso da Terra, que o Brasil subscreveu".   

"Na área ambiental, especificamente, temos demonstrado consistentemente nosso compromisso com as metas do Acordo de Paris, inclusive na recente COP26, quando nos unimos a outras nações na meta de atingir emissões líquidas globais de gases de efeito estufa zero até 2050 por meio de emissões profundas  reduções possibilitadas pelos investimentos públicos e privados”, diz um trecho da carta de três páginas, datada do dia 25 deste mês e com a temática ambiental dominando o conteúdo. 

O Brasil já aderiu a 103 dos 251 instrumentos exigidos pela OCDE, que exige o cumprimento de compromissos com valores como a democracia, a economia de mercado, o combate à corrupção e o meio ambiente. Na área econômica, o governo brasileiro anunciou que vai zerar o IOF nas transações internacionais até 2029, medida que trará uma renúncia fiscal de R$ 7 bilhões até o fim do período — valor que poderá ser compensado pelo crescimento da arrecadação decorrente da recuperação da economia.  

Ao Globo, o secretário de Assuntos Econômicos Internacionais do Ministério da Economia, Erivaldo Gomes, disse que considera a aprovação da reforma tributária no Congresso Nacional o maioir desafio. Segundo ele, a última grande mudança estrutural no sistema tributário nacional foi com a Constituição de 1988. A discussão sobre uma reforma já existia na década de 1990. 

— Todos os governos que passaram por aqui tentaram lançar uma coisa e, no fim, saíram somente remendos tributários. É preciso fazer uma reforma tributária que faça mais sentido, que enxugue, simplifique os processos _ disse Gomes. 

Ele afirmou que a parte tributária sempre figura de modo negativo em relatórios de competitividade com indicadores sobre como fazer negócios com o Brasil. Destacou que há "paixões políticas" e visões diferentes em todas as esferas que acabam atrapalhando a aprovação da reforma.  

_ O bom de entrar na OCDE é que você não vai ficar perdido nesse debate da reforma tributária. Você tem de seguir os padrões e as referências que a OCDE estabeleceu, que são os padrões e referências reconhecidos pelos investidores do mundo todo como as melhores referências. Você tem uma bússola, um norte para seguir. Acho que esse processo de ascensão vai ajudar a reforma tributária _ afirmou.

Veja também

Sam Altman acumulou fortuna de US$ 2 bilhões sem contar com ações da OpenAI, criadora do ChatGPT
NEGÓCIOS

Sam Altman acumulou fortuna de US$ 2 bilhões sem contar com ações da OpenAI, criadora do ChatGPT

PIB de 2023 revela que fazer dever de casa traz resultado positivo
Febraban

PIB de 2023 revela que fazer dever de casa traz resultado positivo