Bovespa tem queda de 2,62%

Bolsa brasileira fechou com desvalorização de 2,62%, para 64.301 pontos

A preocupação dos investidores com os primeiros atos do governo de Donald Trump e uma realização de lucros após seguidas altas na semana passada fizeram o Ibovespa registrar, ontem, a maior queda diária em quase dois meses. A Bolsa brasileira fechou com desvalorização de 2,62%, para 64.301 pontos. Foi a maior queda diária desde 1º de dezembro, quando o Ibovespa recuou 3,88%. O volume financeiro negociado foi de R$ 5,7 bilhões, abaixo da média diária de janeiro, que é de R$ 6,96 bilhões - parte da diminuição da liquidez pode ser atribuída ao fechamento dos mercados chineses devido ao período do Ano Novo Lunar.

O mercado acionário brasileiro foi contaminado pelo mau humor provocado pelas medidas de Trump contra refugiados e imigrantes, que aumentaram a aversão ao risco. Pelos mesmos motivos, Wall Street, nos Estados Unidos, fechou em baixa, na maior queda do ano. O índice Dow Jones caiu 0,61%.

Os papéis da Petrobras fecharam em baixa de cerca de 5%, em dia de queda nos preços do petróleo no exterior. A mineradora Vale também teve forte queda em seus papéis preferenciais, que recuaram 5,17%, para R$ 30,44. As ações ordinárias caíram 4,30%, para R$ 32,25.

Em dia de formação de ptax, taxa que serve como referência para a maioria dos contratos de câmbio, o dólar fechou em queda em relação ao real. O dólar à vista recuou 1,17%, para R$ 3,116, menor patamar desde 25 de outubro do ano passado. O dólar comercial caiu 0,76%, para R$ 3,129.

Veja também

Fechamento de fábricas da Ford põe em dúvida futuro do setor no Brasil
Montadoras

Fechamento de fábricas da Ford põe em dúvida futuro do setor no Brasil

Pagamento de indenizações do DPVAT passa a ser feito pela CEF
Seguro

Pagamento de indenizações do DPVAT passa a ser feito pela CEF