Sistema Financeiro

Bradesco e Itaú investem em fintech de open banking

Sistema leva o consumidor a compartilhar seus dados financeiros com outras instituições em busca de ofertas de produtos e serviços mais vantajosas

Bradesco.Bradesco. - Foto: Cortesia/Whatsapp

Em sua primeira rodada de captação de recursos, a fintech Quanto levantou R$ 15 milhões em investimentos, incluindo dos dois maiores bancos privados do país, Bradesco e Itaú Unibanco.

A Quanto atua no segmento de open banking, sistema por meio do qual o consumidor pode compartilhar seus dados financeiros com outras instituições em busca de ofertas de produtos e serviços mais vantajosas. Também chamado de Sistema Financeiro Aberto, o open banking foi regulamentado pelo Banco Central em maio.

Além dos bancos, os fundos Coatue e Kaszek também aportaram capital. O dinheiro será usado principalmente para a expansão da equipe da fintech dos atuais 45 empregados para cerca de 90 até o final deste ano. Outro plano é antecipar produtos e soluções voltadas para open banking que estavam previstos para o final de 2021.
 


Com o aporte, os investidores terão participação minoritária no conselho de administração da Quanto. O fundador e presidente da fintech, Ricardo Taveira, ainda continuará como controlador, com gestão independente. O principal objetivo do open banking é aumentar a concorrência do setor, permitindo com isso que o cliente consiga empréstimos mais baratos.

Isso acontece porque a plataforma dá acesso a produtos financeiros de diversas instituições financeiras, numa espécie de cardápio em que o cliente pode escolher a melhor proposta. Para isso, é preciso dar permissão para que as instituições compartilhem seus dados pessoais e bancários, a autorização que fica à critério do cliente.

Segundo Taveira, da Quanto, o cronograma é que em maio de 2021 o open banking já opere para o compartilhamento de extratos de contas e cadastros bancários. A primeira fase de implementação, prevista para o final deste ano, permitirá apenas o compartilhamento de informações de serviços e produtos.

"Já temos uma ideia de qual é a cara desse API [padrões de programações de um sistema que permite a conexão de outras plataformas], mas as regras do open banking, como um todo, ainda estão sendo finalizadas. A expectativa é que até maio comece a fase dois, que já permite que o cliente final sinta algum impacto", disse Taveira.

"Como é um caminho natural do mercado, tanto as fintechs como os bancos já começaram a desenvolver e adaptar seus modelos e sistemas, pensando nessa migração. É uma boa oportunidade para todos", afirmou.

O cenário favorável para a adoção do open banking, no entanto, só veio depois que o Banco Central regulamentou as questões relacionadas aos custos e à responsabilidade das informações do cliente.

Quando as discussões acerca do open banking começaram a ganhar fôlego no país, por exemplo, era pauta frequente nas mesas de discussões quais seriam os valores cobrados pelos bancos para que as fintechs pudessem acessar suas informações. O receio era de que os custos tornassem o avanço do sistema inviável para essas iniciativas.

De outro lado, os bancos também se preocupavam e traziam para o debate a responsabilidade sobre os dados. O que se afirmava era que, uma vez que as informações estariam sendo compartilhadas, precisaria haver uma delimitação de responsabilidade sobre os dados compartilhados, já que os modelos e sistemas antifraude, por exemplo, podem variar de uma instituição para outra.

O BC resolveu ambas as questões. Definiu um limite de até 120 consultas gratuitas por mês para cada instituição (sendo as consultas contadas por conta, por banco e por recebedor da informação). A tarifa a ser cobrada a partir da 121ª consulta ainda será definida em convenção.

Sobre a responsabilidade, a autoridade monetária se baseou na LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) e em precedentes jurídicos, definindo que uma vez que o usuário solicita o compartilhamento de seus dados para um terceiro, a responsabilidade do banco cessa e passa a ser do cliente e da instituição a que se destina a informação.

Veja também

Paraísos fiscais estão entre países que mais recebem recursos de brasileiros
Paraísos fiscais

Paraísos fiscais estão entre países que mais recebem recursos de brasileiros

Bolsonaro exonera Novaes do cargo de presidente do BB
banco

Bolsonaro exonera Novaes do cargo de presidente do BB