Bradesco reage a Itaú e reduz juro do crédito imobiliário a 7,30% ao ano

O crédito imobiliário tem a preferência dos grandes bancos porque serve para construir um relacionamento de longo prazo com os clientes

BradescoBradesco - Foto: Alfeu Tavares/Folha de Pernambuco

O Bradesco respondeu à redução de juros do crédito imobiliário anunciada pelo Itaú na sexta-feira (27) e baixou a sua taxa para a partir de 7,30% ao ano + TR (que está atualmente zerada). O Itaú cobrará a partir de 7,45% + TR.

A nova rodada de redução do custo para o financiamento da casa própria vem na esteira da queda da Selic (a taxa básica de juros da economia) para 5,50% ao ano e com a perspectiva de que poderá encerrar 2019 abaixo de 5%.

Até então, o custo mais baixo era do Santander, que oferecia a seus clientes financiamento a 7,99% + TR.

Leia também:
Juros do cheque especial caem e do cartão de crédito sobem em agosto
Refinanciamento imobiliário: entenda um pouco mais sobre essa modalidade de empréstimo


O crédito imobiliário tem a preferência dos grandes bancos porque serve para construir um relacionamento de longo prazo com os clientes. Além disso, a linha oferece menor risco de calote porque o imóvel é dado em garantia.

O mercado de crédito imobiliário é liderado pela Caixa Econômica Federal, que emprestou entre janeiro e agosto deste ano R$ 10,1 bilhões para a compra da casa própria, financiando 48,7 mil unidades.

O Itaú desembolsou R$ 8,5 bilhões a seus clientes, para 26,5 mil imóveis, enquanto o Bradesco emprestou R$ 8,4 bilhões que apoiaram a compra de 30,2 mil unidades.

Os dados são da Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança).

O crédito imobiliário foi uma das linhas que melhor atravessou o período de crise econômica. Tem a preferência dos bancos porque o imóvel é dado em garantia e também porque faz com que o banco estabeleça um vínculo de longo prazo com os clientes, gerando receitas com outros produtos e serviços.

Mas a disputa entre os bancos cresce também na esteira da recuperação do mercado imobiliário e alguns sinais de maior confiança de consumidores para a compra da casa própria.

Ainda de acordo com números compilados da Abecip, foram liberados R$ 6,7 bilhões de reais para o financiamento imobiliário apenas em agosto, uma alta de 18,4% na comparação com igual mês de 2018.

Esse montante de recursos foi destinado para a compra de 26,4 mil unidades, crescimento de 17,3% na comparação anual. Ante julho, a expansão foi de 6%.

Outros indicadores vinham mostrando a recuperação do mercado imobiliário, como o salto no número de lançamentos. A Abrainc (associação das incorporadoras) mostrava 16,3 mil novas unidades lançadas apenas em junho -a maioria delas, 12,6 mil, era do programa Minha Casa Minha Vida.

Veja também

Frustrado com privatizações, Guedes prevê venda de estatais em 21
privatizações

Frustrado com privatizações, Guedes prevê venda de estatais em 21

Inflação pelo IPC-S acelera em sete capitais em novembro
economia

Inflação pelo IPC-S acelera em sete capitais em novembro