Bradesco reduz revisão de PIB de 2020 para abaixo de 2%

No consenso do mercado, medido semanalmente pelo Boletim Focus do Banco Central, a economia brasileira vai crescer 0,87% neste ano e 2,10% em 2020

Bradesco. Bradesco.  - Foto: Cortesia/Whatsapp

O Bradesco cortou a projeção de crescimento da economia brasileira em 2020 para 1,90% ao ano, ante os 2,20% previstos anteriormente, reflexo principalmente da piora no cenário global com a guerra comercial entre Estados Unidos e China. Neste ano, a projeção foi mantida em 0,80%, abaixo do desempenho dos últimos dois anos, quando a economia cresceu 1,1% ao ano.

No consenso do mercado, medido semanalmente pelo Boletim Focus do Banco Central, a economia brasileira vai crescer 0,87% neste ano e 2,10% em 2020.Apesar da revisão de cenário para baixo, Fernando Honorato, economista-chefe do banco, afirma que agora o ambiente permite surpresas positivas.

"Está chegando em um ponto em que podemos começar a nos surpreender para cima", afirma Honorato ao citar a retomada das negociações para uma trégua na disputa comercial.

Leia também:
Resultado do PIB mostra que ajuste nas contas públicas é correto, diz governo
PIB do Brasil cresce 0,4% no 2º trimestre, diz IBGE


"Os dois países estão esticando a corda, mas não querem chegar a um ponto de não retorno", acrescenta o economista sobre o risco de danos para a economia dos países.

A revisão do PIB brasileiro para o próximo ano está ligada a uma desaceleração do crescimento da economia global, cortado de 3,2% a 2,8%. O crescimento doméstico precisará vir do setor privado e os investimentos poderiam ser em infraestrutura, onde não há ociosidade, segundo Honorato.

Ainda assim, o risco de o setor privado não entrar ainda existe."Acho que o global é hoje disparado o maior risco. No doméstico, tem risco associado à mudança de modelo [com redução dos gastos do governo] e talvez o setor privado não entre. Mas, se não tiver respondendo, o juro pode cair ainda mais", acrescenta o economista.

O Bradesco revisou ainda a previsão de que a taxa Selic caia para até 4,75%, ante a previsão anterior de 5%. O Bradesco elevou a previsão de câmbio ao final deste ano para R$ 4, ante os R$ 3,80. Para ele, a queda de juros levou o câmbio a uma valorização.

Para ele, o câmbio tem três fatores: os juros, a solvência (capacidade do governo pagar dívidas) e o crescimento econômico. "Como o Brasil não cresce, não atrai investimento", afirma Honorato.

Teto de gastos

Para o economista-chefe do Bradesco, o teto para os gastos do governo ainda não deve ser derrubado, como chegou a ser discutido ao longo da semana."Conceitualmente, uma vez que o país tiver com consolidação fiscal bem avançada, não é um grande problema. Quando olha as boas práticas do FMI, pode retirar investimento público de regra fiscal. Dito isso, sendo bem específico, o momento não é apropriado para qualquer revisão de teto de gastos", afirmou Honorato.

Segundo ele, o importante é que se continue a agenda de reformas, como a administrativa, antes de revisar o teto. "O teto cumpre papel de forçar discussão [das reformas]", diz.

Para ele, a agenda de reformas é correta e está avançando. "É angustiante ver a agenda positiva não produzir crescimento", complementa.

Veja também

Terminam nesta terça (29) inscrições para 79 vagas temporárias
BLOG DOS CONCURSOS

Terminam nesta terça (29) inscrições para 79 vagas temporárias

Contas públicas podem ter déficit de R$ 871 bilhões este ano
economia

Contas públicas podem ter déficit de R$ 871 bilhões este ano