A-A+

Brasil e Argentina assinam acordo para aumentar número de voos entre países

O acordo responde a pedidos de companhias aéreas dos dois países

AviãoAvião - Foto: Pixabay

Um dos acordos que serão assinados entre Brasil e Argentina nesta quinta-feira (5) é o que amplia a quantidade de voos semanais entre os países.

Até agora, o limite era de 133, com sete para voos de carga. Com o novo acordo, o limite passa para 170 por semana, e termina o limite para aviões de cargas. O novo acordo não precisa ser aprovado pelo Congresso, pois é uma emenda de um que já existia, dos anos 1940. Isso responde a pedidos de companhias aéreas dos dois países.

Leia também:
Bolsonaro diz que Argentina perde mais em rompimento com Brasil
Congresso quer tirar verba de saúde e infraestrutura para inflar fundo eleitoral

No caso da Argentina, a pressão vinha por conta da entrada de algumas low-cost no mercado, como a Flybondi e a JetSmart. O Brasil também vinha pressionando, por conta da demanda na temporada de férias.

Hoje é o último dia da Cúpula do Mercosul, que acontece em Bento Gonçalves, Rio Grande do Sul. O evento começou na na quarta-feira (4), com a reunião dos ministros da economia e das relações exteriores, e hoje, com os presidentes do bloco. A revisão da TEC (tarifa externa comum), uma das principais pautas do encontro, ficará para 2020.

O Brasil entregou a presidência pro-tempore do bloco ao Paraguai afirmando que, ainda assim, foram feitos avanços nessa discussão, mas que não foi possível chegar a um acordo e que o tema será discutido em 2020.

Em vez disso, foram anunciados um acordo de reconhecimento de indicação geográfica para produtos locais -nos moldes do existente na União Europeia-, a redução da burocracia e a diminuição de custos para o funcionamento do bloco e um acordo de proteção policial nas fronteiras.

Aguarda-se para esta quinta o anúncio de um acordo automotivo entre o Brasil e o Paraguai, apenas mencionado pelo chanceler Antonio Rivas Palacios.

Em seu discurso de abertura, o chanceler Ernesto Araújo disse que o Mercosul saiu da caverna e está à luz do sol. "Apagou-se a memória do Mercosul protecionista. Saímos da caverna e saímos para a luz do sul, e não voltaremos a caverna", afirmou.

Veja também

Bolsa tem pior semana desde baque da pandemia com drible no teto
Ibovespa

Bolsa tem pior semana desde baque da pandemia com drible no teto

Ministério da Economia indica Paulo Valle para Secretaria do Tesouro
Tesouro nacional

Ministério da Economia indica Paulo Valle para Secretaria do Tesouro