Brasil e Portugal assinam acordo para melhorar comércio eletrônico

O objetivo é aumentar a eficiência e a competitividade dos produtos de correio expresso

Comércio eletrônicoComércio eletrônico - Foto: Reprodução/Internet

Brasil e Portugal assinaram acordo nesta sexta-feira (27), para a ampliação do comércio eletrônico entre os dois países. O objetivo é aumentar a eficiência e a competitividade dos produtos de correio expresso.

Leia também:
Tempo de boas vendas no comércio eletrônico
Tentativas de fraudes estabilizam no e-commerce
Empresa de varejo chinesa vai investir US$ 15 bi em inteligência artificial


De acordo com os Correios do Brasil, uma das mudanças previstas com o novo acordo é a melhoria na qualidade de informação nos fluxos postais, permitindo um rastreamento mais completo que facilita a previsão de entrega das encomendas postadas principalmente para quem efetua compras e vendas via internet. “O comércio eletrônico aproximou os países do mundo todo, e é nosso papel fomentar essa aproximação, proporcionando mais segurança e comodidade para quem compra pela internet em sites de outros países. O acordo assinado com o CTT é estratégico na otimização desse processo”, afirmou o presidente dos Correios do Brasil, Guilherme Campos.

Na prática, o novo acordo prevê a migração da carga de e-commerce (compras e vendas feitas pela internet) que, em sua maior parte, chega ao Brasil pelos serviços Registrado e Simples (sem registro), para uma plataforma mais qualificada, atendendo às condições de recebimento do Novo Modelo de Importação, como por exemplo, o envio de informações eletrônicas.

Para o presidente dos correio de Portugal (CTT), Francisco de Lacerda, a modernização do serviço só tem a desenvolver a prestação dos serviços postais de ambos os países. “O comércio eletrônico é, a par dos serviços bancários e financeiros, um dos eixos estratégicos de desenvolvimento dos CTT, e acreditamos que estes acordos agora assinados com o Brasil são uma das chaves para o desenvolvimento das trocas neste corredor atlântico, aproveitando a crescente digitalização da economia e a ligação tradicionalmente relevante entre as comunidades de ambos os países”.

Anteriormente, após a liberação pela Alfândega, as encomendas registradas postadas entre Brasil e Portugal levavam em média 40 dias úteis para ser entregues. Agora, com o novo acordo, a previsão é que esse prazo caia para 12 dias úteis, em média, após a liberação da Alfândega.

Veja também

China contribuiu com mais da metade do superávit comercial do Brasil
Economia

China contribuiu com mais da metade do superávit comercial do Brasil

Governo aumentou imposto sobre cilindro de oxigênio três semanas antes de colapso no AM
Tributos

Governo aumentou imposto sobre cilindro de oxigênio três semanas antes de colapso no AM