Brasil tem 4,6 milhões de endividados sem capacidade de pagamento

No Brasil, a população com carteira de crédito ativa atingiu 85 milhões de tomadores em dezembro de 2019

DinheiroDinheiro - Foto: Flickr

Cerca de 4,6 milhões de endividados no Brasil devem a instituições financeiras mais do que podem pagar. É o chamado, pelo Banco Central (BC), de endividamento de risco, formado por casos em que há inadimplência, comprometimento de renda, empréstimos em várias modalidades e renda abaixo da linha da pobreza.

No Brasil, a população com carteira de crédito ativa atingiu 85 milhões de tomadores em dezembro de 2019. Desse total, 5,4% ou 4,6 milhões de tomadores estavam em situação de endividamento de risco, informou nesta quinta (4) o BC no Relatório de Economia Bancária.

Leia também:
Clientes da Compesa podem negociar dívidas no mutirão dos superendividados
Mercado financeiro prevê queda de 6,25% na economia este ano, diz BC
Renegociações de dívidas com bancos quase quintuplicam em menos de dois meses


Para fazer essa análise, o BC considerou como endividado de risco o tomador de crédito que atende a dois ou mais destes critérios: atrasos superiores a 90 dias no pagamento das parcelas de crédito; comprometimento da renda mensal acima de 50% devido ao pagamento do serviço das dívidas (pagamento de juros e amortizações do valor emprestado); várias modalidades de crédito simultaneamente: cheque especial, crédito pessoal sem consignação e crédito rotativo; renda disponível (após o pagamento do serviço das dívidas) mensal abaixo da linha de pobreza (R$ 439,03 mensais).

Perfil
De acordo com o relatório, o percentual de endividados de risco é crescente com a idade, atingindo 7,8% da população endividada acima de 65 anos, praticamente o dobro do observado nos tomadores com até 34 anos (3,8%). Ou seja, dos 12,4 milhões de tomadores de crédito com idade acima de 65 anos, 1 milhão eram endividados de risco (7,8%). Entre 34 a 54 anos, o percentual é 4,9%, e entre 55 e 65 anos, 7,2%.

Quanto à faixa de renda mensal, a classe dos tomadores com renda entre R$ 5 mil e R$ 10 mil é a que apresenta a maior parcela de endividados de risco, 6,5%. Até R$ 1 mil, o percentual é 5,7%, entre R$ 1 mil e R$ 2 mil, 4,7%, entre R$ 2 mil e R$ 5 mil, 5,6%, acima de R$ 10 mil, 4,7%.

Veja também

Rômulo Saraiva lança livro sobre fraudes na Previdência Complementar
Lançamento

Rômulo Saraiva lança livro sobre fraudes na Previdência Complementar

Procon Pernambuco realiza pesquisa de preços na Região Metropolitana do Recife
Pesquisa

Procon Pernambuco realiza pesquisa de preços na Região Metropolitana do Recife