'Brexit', protecionismo e eleição americana são riscos à economia mundial, diz FMI

"Esses fatores implicam em uma base modesta para o crescimento, além de incerteza substancial sobre as perspectivas econômicas futuras", indica o Fundo

Demi Lovato Demi Lovato  - Foto: Divulgação

O avanço do populismo protecionista na Europa e nos Estados Unidos está entre os fatores que agravam a instabilidade e reduzem as perspectivas de uma retomada vigorosa do crescimento econômico global, aponta o Fundo Monetário Internacional (FMI) em seu relatório anual.

Leia mais:
FMI confirma previsão de fim da recessão do Brasil em 2017
Receita do FMI para o Brasil se alinha com a política do governo


"O atual panorama é moldado por uma complexa confluência de realinhamentos, antigas tendências e novos choques. Esses fatores implicam em uma base modesta para o crescimento, além de incerteza substancial sobre as perspectivas econômicas futuras", diz o relatório Panorama Econômico Global lançado nesta terça (4).

O fundo reduziu em 0,1 ponto sua projeção de abril sobre o crescimento global em 2016 (para 3,1%), e 2017 (para 3,4%). Um dos riscos apontados pelo Fundo é o de estagnação nas economias avançadas, que tiveram suas previsões de expansão rebaixadas em 0,3 ponto percentual, para 1,6% neste ano, e em 0,2 ponto percentual, para 1,8%, em 2017.

A campanha presidencial americana e a decisão "inesperada" do Reino Unido de sair da União Europeia (Brexit), ambas marcadas por discursos contra o livre comércio, aumentam as preocupações com o crescimento mundial e indicam uma tendência perigosa, afirma o relatório.

"O Brexit e a atual campanha presidencial nos EUA ressaltaram o desgaste do consenso sobre os benefícios da integração econômica transfronteiriça. Preocupações com o impacto da competição estrangeira sobre empregos e salários num contexto de crescimento fraco aumentaram o apelo de políticas protecionistas, com ramificações nos fluxos de comércio global e a integração em geral", afirma o fundo.

Para Maurice Obstfeld, economista-chefe do FMI, o sentimento de muitas pessoas em países desenvolvidos de que a recuperação da crise de 2008 não chegou a elas mostra um impacto político negativo para a economia global.

"Para resumir, o crescimento tem sido baixo demais por tempo demais, e em muitos países seus benefícios atingiu muito poucos, com repercussões políticas que provavelmente deprimirão o crescimento global ainda mais", disse Obstfeld nos comentários de abertura da apresentação do relatório.

Embora não tenha havido sinais visíveis de desaceleração no último trimestre, o crescimento da economia global continua fraco, tanto entre países desenvolvidos como emergentes, afirma.

"De forma geral, a economia mundial moveu-se para os lados. Sem uma ação política determinada para apoiar a atividade econômica no curto e médio prazos, o baixo crescimento corre o risco de se perpetuar, com as forças econômicas e políticas negativas que está gerando", disse Obstfeld.

A estimativa é de que os países emergentes terão um ligeiro aumento no crescimento em 2016, para 4,2%, depois de cinco anos de declínio. Condições financeiras externas mais favoráveis ajudam a recuperação, indica o Fundo.

"O sentimento em relação às economias emergentes melhorou com a expectativa de juros baixos nos países avançados, preocupação reduzida com a capacidade da China de seguir políticas de crescimento e alguma firmeza nos preços das commodities", afirma o relatório.

O fundo elevou em 0,1 ponto sua projeção de crescimento da China neste ano, para 6,6%, e manteve em 6,2% a de 2017. A meta do governo chinês para este ano é de uma expansão entre 6,5% e 7%, depois dos 6,9% do ano passado, o menor em 25 anos.

Sob o título "Demanda deprimida - sintomas e remédios", o relatório do FMI ressalta o impacto da queda nas exportações para a China e países avançados das economias emergentes, responsáveis por três quartos do crescimento global.

A China é o principal destino das exportações brasileiras, e nos primeiros oito meses deste ano elas tiveram alta de 1,8% em relação ao mesmo período de 2015, o correspondente a 21% das vendas globais do Brasil.

Segundo o Fundo, a expansão dos emergentes "mais que compensa" a desaceleração na China e nos países desenvolvidos.

"Embora as perspectivas para as economias avançadas continuem apáticas, devido a tendências demográficas desfavoráveis e fraca produtividade, a projeção é de fortalecimento da expansão dos mercados emergentes no médio prazo", afirma o relatório.

Veja também

Plataforma digital vai gerar 1 milhão de oportunidades para jovens
Desemprego

Plataforma digital vai gerar 1 milhão de oportunidades para jovens

Índice de Confiança da Indústria cresceu 4,5 pontos durante passagem de setembro para outubro
Economia

Índice de Confiança da Indústria cresceu 4,5 pontos durante passagem de setembro para outubro