Buscas pelo ‘app da dor’ crescem durante pandemia

Método, não químico, atua em regiões cerebrais que controlam a sensação de dor

Dor de cabeçaDor de cabeça - Foto: Pixabay

Desenvolvido pelo pesquisador pernambucano Paulo Campos, o aplicativo iAID, conhecido como “app da dor”, registrou aumento de buscas durante a pandemia da Covid-19. O app usa realidade virtual e indução hipnótica e foi lançado de forma inédita no Brasil em março. Cerca de 1,5 mil downloads foram feitos.

Segundo o pesquisador, o efeito é percebido em até cinco minutos, e o método, não químico, atua em regiões cerebrais que controlam a sensação de dor. O aplicativo é utilizado no celular com fones de ouvido, óculos de realidade virtual, induções hipnóticas e o usuário tem que seguir as orientações do comando.

Leia também:
Memorial online homenageia brasileiros mortos pela Covid-19
Empresa de transporte por app usa técnica pioneira para desinfecção de carros


“Além da dor lombar, inferimos, pelo estresse, ansiedade e confinamento, as dores de cabeça e cólicas, que mexem com hormônios e neurotransmissores e, no sentido do joelho, pelos exercícios físicos realizados de forma irregular pelos indivíduos”. relata Paulo Campos. O app foi desenvolvido em parceria com o Centro de Informática (CIn) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

“A pessoa é levada de forma sutil e rápida a um estado de relaxamento no qual técnicas sonoras e visuais em imersão de realidade virtual fazem estímulos e contato com o inconsciente, desencadeando as sensações necessárias de bem-estar, eliminando a memória de dor”, explica o pesquisador.

Para o pesquisador, o trabalho remoto ou por home office potencializou as queixas por dores no corpo, uma vez que os profissionais podem não contar com cadeiras e mesas adequadas para o trabalho. As principais dores relatadas no app são a lombar, do nervo ciático, de cabeça e variantes, da cólica menstrual e no joelho.

O método é não invasivo e não possui contra-indicação, porém, em algumas pessoas pode haver a sensação de vertigem ou enjoo, causado pela realidade virtual. Pessoas com surdez, baixa visão e cegueira, tecnicamente não podem utilizar o aplicativo, bem como com déficit cognitivo. O app não cura a causa da dor, assim como os medicamentos analgésicos. O tratamento da causa da dor deve continuar.

O aplicativo oferece duas utilizações de forma gratuita, para que o usuário conheça o efeito sobre o sintoma da dor. Após a amostra, o valor é de R$ 22,90 por ano. O usuário também precisará ter um óculos de realidade virtual, que custa cerca de R$ 30, e um fone de ouvido. É possível baixar o app nas lojas para Android e iOS.

Veja também

Brasil perde chance de combater sonegação via paraísos fiscais, diz secretária da OCDE
SONEGAÇÃO

Brasil perde chance de combater sonegação via paraísos fiscais, diz secretária da OCDE

Consumidor pode pagar mais R$ 3,6 bi na conta de energia para evitar apagão
CONTA DE LUZ

Consumidor pode pagar mais R$ 3,6 bi na conta de energia para evitar apagão