Investigação

Cade vai apurar suposto cartel no mercado de gás de cozinha em Brasília

Estão sendo investigadas cinco distribuidoras de GLP, 31 revendedoras e 39 pessoas físicas.

Filme "Mortadelo & Salaminho - Missão Inacreditável"Filme "Mortadelo & Salaminho - Missão Inacreditável" - Foto: Divulgação

A Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) instaurou hoje (19) processo para apurar supostas práticas de cartel nos mercados de distribuição e revenda de gás liquefeito de petróleo (GLP), conhecido como gás de cozinha, no Distrito Federal e Entorno, além de outras localidades da região Centro-Oeste.

Estão sendo investigadas cinco distribuidoras de GLP, 31 revendedoras e 39 pessoas físicas. O Cade também apura a participação do Sindicato das Empresas Transportadoras e Revendedoras Varejistas de Gás Liquefeito de Petróleo do Distrito Federal (Sindvargas/DF) e do Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás) nas irregularidades.

De acordo com o parecer, as práticas afetaram duas etapas sucessivas da cadeia produtiva de GLP. Segundo o Cade, há evidências de que os acusados se organizaram com o objetivo de limitar a concorrência por meio da fixação de preços e divisão dos mercados de distribuição e de revenda do produto. Essas práticas foram complementadas por restrições impostas pelas distribuidoras às revendedoras e por trocas de informações comercialmente sensíveis, de maneira a promover a regulação artificial do mercado de GLP e facilitar a manutenção dos supostos cartéis.

Com a instauração do processo administrativo, os acusados serão notificados para apresentar defesa. Ao final da instrução, a Superintendência-Geral opinará pela condenação ou arquivamento do caso, encaminhando-o para julgamento final pelo Tribunal do Cade.

Em caso de condenação, as empresas podem pagar multas que variam de 0,1% a 20% de seus faturamentos e as pessoas físicas de 1% a 20% do valor aplicado à pessoa jurídica.

Operação Júpiter

O caso foi instaurado pela então Secretaria de Direito Econômico, do Ministério da Justiça (SDE/MJ) em 2008. Em abril de 2010, a SDE, o Núcleo de Combate às Organizações Criminosas, do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios e a Delegacia de Combate ao Crime Organizado da Polícia Civil do Distrito Federal deflagraram a “Operação Júpiter”, quando foram cumpridos 32 mandados de busca e apreensão de documentos no Distrito Federal e em Goiás.

Após o ajuizamento da ação penal perante a Justiça do Distrito Federal e Territórios, o Cade informa que obteve o compartilhamento das provas relacionadas às supostas práticas anticompetitivas, incluindo interceptações telefônicas e documentos apreendidos nos escritórios das empresas investigadas.

Acordos
Entre a deflagração da “Operação Júpiter” e a instauração do processo administrativo, a distribuidora de GLP Supergasbras Energia Ltda. compareceu espontaneamente ao Cade para negociar Termo de Compromisso de Cessação (TCC), ao qual aderiram posteriormente pessoas físicas relacionadas à empresa.

Por meio dos acordos, Supergasbras e as pessoas envolvidas reconheceram suas participações na conduta e se obrigaram a colaborar com as investigações.

Esses acordos foram homologados pelo Tribunal do Cade e resultaram no recolhimento de mais de R$ 7 milhões em contribuição pecuniária para o Fundo de Direitos Difusos do governo federal. O processo administrativo está suspenso para os que aderiram ao TCC até o julgamento definitivo do caso.

Veja também

Cresce na Europa pressão contra produtos brasileiros
Negócios

Cresce na Europa pressão contra produtos brasileiros

Missa de Sétimo Dia de Luciano Fernandes de Albuquerque será nesta segunda
LUTO

Missa de Sétimo Dia de Luciano Fernandes de Albuquerque será nesta segunda