Caduca MP que permitia contratação do BNDES sem licitação

A norma buscava dar maior agilidade à contratação e, ao mesmo tempo, garantir que a fase de modelagem dos editais e contratos, antigo calcanhar de Aquiles dos projetos públicos, ganhasse qualidade

BNDESBNDES - Foto: Arquivo / Agência Brasil

A Medida Provisória 882, que modificava atribuições de órgãos de governo na área da infraestrutura, caducou na última quinta-feira (30). Entre os principais pontos do texto, elogiado pela iniciativa privada, estava a possibilidade de contratação direta do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Social) para a elaboração de estudos técnicos de concessões e parcerias público-privadas.

A norma buscava dar maior agilidade à contratação e, ao mesmo tempo, garantir que a fase de modelagem dos editais e contratos, antigo calcanhar de Aquiles dos projetos públicos, ganhasse qualidade.

Com a queda do texto, estatais, estados e municípios que queiram efetivar a contratação precisarão fazê-lo da maneira tradicional, considerada por especialistas mais morosa e passível de questionamento por órgãos de controle como o Tribunal de Contas.

Leia também:
BNDES marca novo leilão de privatização da Lotex para o dia 22 de outubro
BNDES tem lucro líquido de R$ 13,8 bilhões no primeiro semestre

Caem por terra inovações da MP como a permissão, por exemplo, do BNDES subcontratar consultorias e profissionais para estruturar os estudos por meio da colação.

A modalidade, que agora deixa de existir, permitia que o banco enviasse convites para ao menos três potenciais participantes, escolhidos com base em um cadastro de capacitados a prestar o serviço.

Ao final, o BNDES escolheria "a proposta vencedora de acordo com critérios preponderantemente técnicos", segundo a norma, e não necessariamente a mais barata.

"A MP trazia mais celeridade para a confecção dos projetos. É possível aprovar uma lei para aproveitar o dispositivo da colação e dar a prerrogativa da contratação direta, por estados e municípios, de outros órgãos além do BNDES, como o BDMG", diz Lucas Sant'Anna, sócio do escritório Machado Meyer.

A secretária especial do PPI (Programa de Parcerias e Investimentos), Martha Seillier, disse em nota que o governo ainda defende "todos os assuntos que constavam nessa MP" e que há um acordo com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) para encaminhar com urgência um projeto de lei nos moldes da medida.

"É uma preocupação do setor de infraestrutura ficar sem as novidades da MP, mas o governo nos prometeu tramitar o projeto em regime de urgência", diz Venilton Tadini, presidente da Abdib (Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base).

"Quem mais perde sem a lei são os municípios de menor porte, que dependem do serviço de apoio técnico para realizar estudos que viabilizem os projetos."

Sem a MP, contratar consultorias independentes e órgãos como o BNDES para a realização de projetos é possível, mas o processo é mais moroso, segundo Carlos Alexandre Nascimento, coordenador do MBA de PPPs e concessões da Fespsp (Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo).

"A modalidade da colação nem chegou a ser implementada de fato, mas gerou animação porque facilitaria esse processo. Hoje, os modelos de licitação e pregão privilegiam preço em detrimento de competência técnica ou expertise, trazendo problemas. Um projeto ruim pode matar a obra", diz.

"Estados e municípios que querem contratar órgãos como o BNDES hoje podem argumentar que a capacidade técnica do banco os dispensaria de fazer licitação, mas os tribunais de contas podem questionar isso. As alternativas não são estáveis do ponto de vista jurídico", afirma a advogada Letícia Queiroz.

No caso de Porto Alegre, por exemplo, a prefeitura contratou o banco para fazer os estudos da PPP da iluminação pública do município.

O projeto foi a leilão na última quinta (29). O vencedor foi o consórcio I.P Sul, que apresentou o menor lance para o valor a ser pago pela prefeitura pelo serviço: R$ 1,745 milhão (deságio de 45,64%).

O grupo de empresas assumirá a concessão de 101 mil pontos de luz por 20 anos.

O município quer auxílio do banco, ainda, para estruturar a concessão de seus serviços de saneamento básico, contrato que poderá chegar ao valor de R$ 2,5 bilhões em uma concessão que deverá prever a universalização dos serviços em 35 anos.

"Nossa ideia é lançar o edital até o fim do primeiro semestre de 2020. Nosso limite é o início do ciclo eleitoral", diz o secretário de Parcerias Estratégicas da cidade, Thiago Ribeiro.

Para o secretário, a ausência do processo de colação não afeta o interesse do município pelos projetos, já que tem uma equipe técnica que pode conduzir os estudos de viabilidade.

Cidades menores, com menor capacidade orçamentária e quadro técnico mais enxuto, contudo, têm a dificuldade de viabilizar um projeto atrativo aos olhos de investidores é maior.

Um dos instrumentos mais usados na tentativa de suprir essa deficiência atualmente é o chamado PMI (procedimento de manifestação de interesse), por meio do qual um ente privado -geralmente uma empresa que tem interesse em tocar o projeto- disputa uma licitação para conduzir os estudos técnicos.

A efetividade do modelo, contudo, é baixa, de acordo com Nascimento. "No PMI, todos os estudos e a modelagem são feitos pela iniciativa privado interessada em viabilizar o projeto, mas o índice de mortalidade das licitações desse tipo é alto e há muitos estudos falhos."

Ainda assim, o modelo tem sido usado por cidades como Andra dos Reis (RJ), que fez um PMI para viabilizar sua parceria público-privada de iluminação pública e complementou os estudos apresentados pelo privado com seu próprio quadro técnico.

O projeto inclui a manutenção de 21 mil pontos de luz e a concessão terá 15 anos de duração. O prefeito da cidade, Fernando Jordão (MDB), esteve em São Paulo na semana passada em evento na B3 para apresentar a uma plateia de investidores essa PPP e a de resíduos sólidos.

Apresentou, ainda, a ideia da PPP que envolve a gestão dos resíduos sólidos e de serviços como expansão da rede de fibra ótica, câmeras de segurança e instalação de internet sem fio em praças, que prevê R$ 128 milhões de investimento em 25 anos.

A cidade de Santa Luzia (MG) também prevê, mesmo sem poder contar com a colação, fazer a PPP de iluminação pública do município, além de uma concessão de água e esgoto e uma terceira de mobiliário urbano.

Veja também

Jovens não adotados têm desemprego como desafio ao completarem 18 anos
Economia

Jovens não adotados têm desemprego como desafio ao completarem 18 anos

Falta de produtos em supermercados retoma o maior nível de 2020
Economia

Falta de produtos em supermercados retoma o maior nível de 2020