Caixa Econômica lança novo jogo lotérico, o Dia de Sorte

A aposta mínima custará R$ 2, com sete números e um mês de sorte. O sorteio ocorrerá três vezes por semana, às terças-feiras, quintas-feiras e sábados, mas a Caixa ainda não definiu a data do primeiro sorteio.

Data do primeiro sorteio do Dia de Sorte ainda não foi definidaData do primeiro sorteio do Dia de Sorte ainda não foi definida - Foto: Wilson Dias / Agência Brasil

A Caixa Econômica Federal lançará um novo jogo lotérico, o Dia de Sorte. O novo produto foi instituído em portaria publicada nesta segunda-feira (14) pela Secretaria de Acompanhamento Fiscal, Energia e Loteria, do Ministério da Fazenda, no Diário Oficial da União.

O jogador poderá escolher de 7 a 15 números que representarão os dias do mês, podendo ser de 1 a 31; e um número de 1 a 12, que corresponderá aos meses do ano, o chamado mês de sorte.

A aposta mínima, ou seja, com sete números e um mês de sorte, custará R$ 2. O preço aumenta conforte aumentam os números. Uma aposta com 15 números e um mês de sorte custará R$ 12.870.

Leia também:
Caixa registra lucro líquido recorde de R$ 12,5 bilhões em 2017
Mega-Sena acumula e prêmio pode chegar a R$ 60 milhões no próximo sorteio


Serão sorteados sete números e um mês (o mês da sorte). São consideradas vencedoras as apostas que tiverem de quatro a sete acertos, independentemente da ordem de sorteio dos números, ou, ainda, o mês sorteado. O mês conta como um acerto.

Caso o apostador tenha feito apostas de oito a 15 números, a premiação será proporcional à quantidade equivalente de apostas simples, ou mínimas, vencedoras. O sorteio ocorrerá três vezes por semana, às terças-feiras, quintas-feiras e sábados. A data do primeiro sorteio ainda será definida pela Caixa.

Veja também

PIB pernambucano apresenta crescimento de 13,0% no comparativo com abril de 2020
PIB pernambucano

PIB pernambucano apresenta crescimento de 13,0% no comparativo com abril de 2020

Saiba como franqueados podem renegociar contratos na pandemia
Franquias

Saiba como franqueados podem renegociar contratos na pandemia