Caixa espera resposta para mais 17 milhões de pedidos de auxílio emergencial nesta terça-feira

De acordo com o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, os dados estão sendo analisados pelo ministério e por equipes do Dataprev

Site da Caixa para solicitar o Auxilio EmergencialSite da Caixa para solicitar o Auxilio Emergencial - Foto: Alfeu Taveres / Folha de Pernambuco

O Ministério da Cidadania deve encaminhar até esta terça-feira (12) para a Caixa Economia Federal a resposta para o pedido de pagamento do auxílio emergencial de R$ 600 feito por mais de 17 milhões de pessoas em todo o país.

De acordo com o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, os dados estão sendo analisados pelo ministério e por equipes do Dataprev. Entre os novos beneficiados devem estar pessoas que tiveram inconsistência com a documentação entregue no mês passado, como CPF irregular, mas que conseguiram resolver o problema.

"Devemos receber do Ministério da Cidadania, entre hoje (segunda-feira) e amanhã (terça-feira) a resposta para mais 17 milhões de brasileiros. Alguns poderão ser pagos, outros poderão ser negados", afirmou o presidente do banco.

Leia também:
7 milhões de trabalhadores formais tiveram salário e jornada cortados após pandemia
Bolsonaro lamenta pela 1ª vez marca de 10 mil mortes por coronavírus no Brasil, mas pede reabertura


De acordo com Guimarães, os novos beneficiados podem receber a primeira das três parcelas da ajuda ainda nesta semana, caso a entrega dos dados seja concretizada dentro do planejado previsto pelo ministério.

"Assim que recebermos do ministério precisamos de dois dias para começar a pagar o benefício", disse Guimarães,em uma audiência com os parlamentares que integram a comissão especial para análise das ações de combate ao coronavírus.

Segundo o presidente da autarquia, até esta segunda-feira (11) cerca de 6% dos beneficiários que tiveram o auxílio aprovado ainda não haviam sacado os recursos.

Assim, 94% dos que receberam a ajuda movimentaram o dinheiro. Ao todo, foram 20,9 milhões de transações por meio da poupança social digital, criada especificamente para pagamento do auxílio. Destes, 7,23 milhões foram saques presenciais. O restante dos beneficiários retirou o recurso por meio de outros bancos ou de contas já existentes na Caixa.

"[Dos que não sacaram] A gente tem de todos os grupos, do Bolsa Família, do cadastro único e dos informais que se inscreveram pelo aplicativo e pelo site. O dinheiro está disponível para que o beneficiário realize o saque", destacou o vice-presidente da Rede de Varejo da Caixa, Paulo Henrique Angelo.

O número de cadastrados para receber o socorro chegou a 51,9 milhões. A Caixa informou que, até o momento, 50 milhões de pessoas receberam a primeira parcela do benefício. Foram creditados R$ 35,5 bilhões nas contas.

Do total de beneficiários, 19,2 milhões são do Bolsa Família, 10,5 milhões estão no cadastro de programas sociais do governo federal e 20,3 são informais cadastrados no site da Caixa.

A expectativa inicial do governo era alcançar 54 milhões de pessoas com o auxílio, mas o número foi revisado para 70 milhões. O custo previsto do programa foi ampliado de R$ 98 bilhões para R$ 124 bilhões.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Guedes quer Trabalho e Previdência de volta após saída de Onyx para eleição
POLÍTICA

Guedes quer Trabalho e Previdência de volta após saída de Onyx para eleição

Saiba mais sobre a alta da taxa Selic
ECONOMIA

Saiba mais sobre a alta da taxa Selic