Caixa reduz juros para pessoas físicas e empresas e vai lançar app para baixa renda

O banco anunciou ainda que lançará, em até 60 dias, um aplicativo para clientes de baixa renda

Caixa EconômicaCaixa Econômica - Foto: José Cruz/Agência Brasil

A Caixa Econômica Federal anunciou nesta quinta-feira (31) um novo corte nos juros em linhas para pessoas físicas e empresas, poucas horas antes da esperada redução da taxa Selic pelo Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom). O banco anunciou ainda que lançará, em até 60 dias, um aplicativo para clientes de baixa renda.

Segundo o banco, a partir de 1º de agosto, a taxa máxima de cheque especial para pessoas físicas cairá de 13,45% ao mês para 9,99%. No crédito pessoal tradicional, a taxa começará em 3,99% ao mês -antes, partia de 4,99% mensais.

No empréstimo para quem recebe salário na Caixa, o juro diminuirá para 2,29% ao mês. No cartão de crédito, o banco decidiu isentar os clientes de pagar anuidade.Para empresas, a Caixa também reduziu a taxa em algumas linhas. No cheque especial, o recuo foi de 14,95% para 9,99% mensais. O empréstimo de antecipação de recebíveis caiu de 1,89% para 1,85% ao mês.

Leia também:
Caixa prepara modelo de crédito imobiliário que reduz juros a faixa de 6% ao ano
Caixa poderá cobrar taxa de quem transferir dinheiro do saque do FGTS a outro banco


A expectativa é que o Copom reduza a taxa de juros para 6,25% ao ano nesta quarta.Além disso, o banco decidiu oferecer a partir de 19 de agosto, para pessoas físicas e jurídicas, o chamado pacote Caixa. Para quem contratar, as taxas no cheque especial cairão para 8,99%, para pessoas físicas e empresas. No crédito pessoal tradicional e para conta-salário, as taxas para pessoas são iguais às de clientes que não têm o pacote.

A vantagem, para as pessoas físicas que contratarem o pacote, é que o valor pago em tarifa será devolvido ao cliente em bônus para celular. Para pessoa física, a tarifa é de R$ 25, revertidos em crédito para celular. Esse valor também inclui um seguro de vida prestamista. Para empresas, a tarifa é de R$ 49,50, mas sem reversão de crédito para celular e sem o seguro.

O banco prepara ainda o lançamento, em até 60 dias, de um aplicativo para clientes de baixa renda e beneficiários de programas sociais pagos pela Caixa, como o Bolsa Familia. Haverá operações mais simples e menos produtos do que os oferecidos no app tradicional do banco -que, como o próprio presidente, Pedro Guimarães, admitiu nesta quinta, é o mais atrasado dentre as cinco maiores instituições financeiras do país.

"Vamos lançar um produto que utiliza motores mais simples e que permite o acesso a pessoas mais humildes", afirmou Guimarães. "A classe baixa vai ter acesso a uma conta pra fazer o pagamento e a gestão da conta, com atividades bancárias e serviços sociais que a Caixa prevê, e numa linguagem com plataforma mais leve, que não consome o pacote de dados. Vamos bancar a utilização da internet nessa faixa."A estratégia do banco passa por capturar ainda os beneficiários de programas sociais e transformá-los, eventualmente, em clientes.

Veja também

Segundo semestre deve ser de 'retomada robusta' da economia com vacinação, diz BC
Economia

Segundo semestre deve ser de 'retomada robusta' da economia com vacinação, diz BC

Inflação varia 0,31% em abril e alcança 6,76% em 12 meses
Economia

Inflação varia 0,31% em abril e alcança 6,76% em 12 meses