Câmara aprova ajuda da União a estados e municípios para enfrentar coronavírus

O texto foi aprovado em votação simbólica. Agora, vai ao Senado

Câmara dos DeputadosCâmara dos Deputados - Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

A Câmara dos Deputados aprovou nessa quarta (1º) auxílio financeiro emergencial da União a estados e municípios para ajudá-los a enfrentar a crise econômica decorrente da pandemia do novo coronavírus. O projeto também adia o recolhimento das contribuições previdenciárias de servidores municipais. O texto foi aprovado em votação simbólica. Agora, vai ao Senado.

Segundo o projeto, enquanto durar o estado de calamidade a União vai complementar os recursos do FPE (Fundo de Participação dos Estados) e do FPM (Fundo de Participação dos Municípios). A intenção é preservar os repasses nos mesmos níveis de 2019.

Na justificativa, o relator do projeto, Acácio Favacho (PROS-AP), afirma que é "primordial garantir a capacidade financeira dos entes subnacionais, a fim de que não criem constrangimentos para o atendimento dos mais necessitados"."O momento é de injetar recursos na economia, para que as perdas humanas decorrentes desta pandemia sejam minimizadas", indicou no texto.

Leia também:
Senado expande auxílio de R$ 600 e autoriza governo a pagar salários para evitar demissões
Coronavírus: Bolsonaro sanciona voucher de R$ 600 para trabalhadores informais com vetos
Empresa suspendeu 700 contratos nas horas em que MP de Bolsonaro contra coronavírus estava valendo


Durante a calamidade, ficarão suspensas as retenções ou bloqueios à entrega dos recursos dos fundos. "Em momentos de intensa volatilidade na arrecadação dos tributos, entendemos como irrazoável que a União segure repasses que podem ser pagos mais à frente, quando normalizada a situação do país", afirma.

"A retenção de repasse gera, em um momento crítico, precariedade na prestação de serviços públicos que serão intensamente demandados pela população". O relator acatou ainda mudança que adia o recolhimento das contribuições previdenciárias de servidores municipais em março, abril e maio. As prefeituras deixarão de recolher os valores, mas os servidores continuarão contribuindo.

Os valores poderão ser parcelados em 24 meses, com correção pela taxa básica Selic. O primeiro pagamento seria feito a partir de janeiro de 2021. Mais cedo, a Câmara dos Deputados havia aprovado projeto que agiliza a liberação de medicamentos e equipamentos de saúde aprovados por agências sanitárias estrangeiras para ajudar no combate ao coronavírus.

Os deputados aprovaram o texto em votação simbólica durante sessão virtual. O projeto, agora, vai ao Senado. O texto dá à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) um prazo de 72 horas para autorizar a distribuição e importação de materiais, medicamentos, equipamentos e insumos já validados por uma agência internacional, como as que regulamentam medicamentos nos Estados Unidos (FDA) e na União Europeia (EMA), por exemplo.

No projeto, assinado por parlamentares de partidos de centro, direita e esquerda, os deputados defendem a necessidade de oferecer aos hospitais e profissionais acesso a recursos já existentes em outros países que validaram os itens. O dispositivo deve vigorar até a OMS (Organização Mundial da Saúde) decretar o fim da pandemia.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Carrefour encerra negociações de fusão com canadense, diz agência
Negócios

Carrefour encerra negociações de fusão com canadense, diz agência

Dólar sobe para R$ 5,30, mas acumula queda na semana
Cotação

Dólar sobe para R$ 5,30, mas acumula queda na semana