A-A+

Câmara aprova projeto que altera município de arrecadação do ISS

Ela tem como objetivo evitar o impacto nas contas das cidades-sede das empresas, onde hoje é recolhido o imposto

Dinheiro Dinheiro  - Foto: Arquivo/Marcello Casal Jr/Agência Brasil

A Câmara aprovou nesta terça-feira (17) projeto de lei que altera a arrecadação do Imposto Sobre Serviços (ISS) para o município onde o serviço é prestado. O texto retorna ao Senado, já que os deputados estabeleceram uma regra de transição que não estava prevista na proposta original.

Ela tem como objetivo evitar o impacto nas contas das cidades-sede das empresas, onde hoje é recolhido o imposto.

A proposta afeta planos de saúde, cartões de crédito e débito, consórcios, carteiras de clientes e cheques pré-datados, por exemplo.

Leia também:
Câmara aprova primeiro turno de PEC que aumenta repasses da União a municípios
Câmara aprova adiamento de regra que deixa empresa usar crédito do ICMS


Hoje, se é feita uma transação em cartão de crédito em uma cidade do interior, por exemplo, o imposto não é recolhido lá, mas sim na cidade onde a empresa do cartão possui sua sede.

Em 2020, por exemplo, a divisão do imposto ficaria em 75% com o município da sede da empresa, e 25% com o município onde o serviço foi feito.

A partir daí haveria uma inversão gradual de valores até que, a partir de 2023, o imposto seja recolhido integralmente pelas cidades do tomador do serviço.

A ideia do projeto é aumentar a capilaridade do imposto, privilegiando municípios menores. O problema, dizem os contrários ao texto, é que a mudança dificulta a arrecadação justamente por pulverizá-la em muitas cidades.

Veja também

Produção agrícola em 2020 bate novo recorde e atinge R$ 470,5 bilhões
agronegócio

Produção agrícola em 2020 bate novo recorde e atinge R$ 470,5 bilhões

Mercado já vê Selic se aproximando dos dois dígitos em 2022
economia

Mercado já vê Selic se aproximando dos dois dígitos em 2022