Caminhoneiros pedem impeachment de Bolsonaro e reclamam de violência policial

Os caminhoneiros de PE afirmam ter recebido uma facada do presidente, em referência à suspensão do julgamento sobre a constitucionalidade da tabela do frete

Caminhoneiros estão otimistasCaminhoneiros estão otimistas - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Caminhoneiros circularam vídeos pedindo o impeachment do presidente Jair Bolsonaro (PSL) nesta quarta-feira (4), em dia de protesto contra a indefinição em relação aos pisos mínimos oferecidos para a categoria.

Em um dos vídeos, com data de 31 de agosto, caminhoneiros de Pernambuco afirmam ter recebido uma facada do presidente, em referência à suspensão do julgamento sobre a constitucionalidade da tabela do frete, que aconteceria nesta quarta, definida pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O presidente da Corte, Dias Toffoli, decidiu retirar a pauta do plenário e o julgamento foi adiado.

"Bolsonaro, nós votamos em você. Hoje, você é um traidor dessa classe que carrega o Brasil nas costas", diz um participante do vídeo.

Leia também:
Grupos de caminhoneiros fazem protestos pontuais por tabela do frete
STF suspende julgamento sobre frete, e caminhoneiros discutem greve
Documentário revela os discursos presentes na greve dos caminhoneiros de 2018 

Ao final, um grupo pede em coro o impeachment do presidente. Também apontam a intenção de pedir ajuda à CUT (Central Único dos Trabalhadores) e pedem a soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Os protestos, porém, não tiveram grande impacto nos transportes até o momento. Em consultas as unidades estaduais da PRF (Polícia Rodoviária Federal), foram confirmados atos nos estados do Rio de Janeiro, Paraná e Ceará.

Segundo mensagens e vídeos divulgados pelos caminhoneiros, ocorreram também manifestações na Paraíba, em Pernambuco e no Rio Grande do Sul. Nos grupos de WhatsApp da categoria, havia tanto os que reclamavam de a paralisação não ter atingido o nível esperado como também os que contestavam e colocavam a culpa em quem apenas se queixava, mas não fazia sua parte.

Dodô, apelido de Salvador Edmilson Carneiro, líder caminhoneiro do norte da Bahia, disse que já havia voltado ao trabalho, pois a maior parte da categoria não tinha aderido à paralisação e os dias sem fazer viagens fariam falta.

Outro motivo para perda de ânimo de caminhoneiros, segundo líderes, foi um suposto caso de agressão a grupo de manifestantes no Recife durante a madrugada. Segundo um dos que afirma ter sido vítima da agressão ouvido pela reportagem, dois policiais com armas em riste deram socos em caminhoneiros que formavam um grupo de dez pessoas. Também teriam quebrado celulares de alguns deles.

Circula no WhatsApp vídeos mostrando caminhoneiros com camiseta amarela sendo empurrados por policiais e imagens das camisetas rasgadas e de uma pessoa agredida.

O caminhoneiro, que não quis se identificar, disse estar na Corregedoria da Polícia fazendo uma denúncia.

A secretaria de Defesa Social de Pernambuco disse, via assessoria de imprensa, não ter informações sobre o incidente até o momento. Mesmo com os revezes, outros líderes ouvidos disseram que as mobilizações da categoria devem continuar e podem ganhar força na quarta-feira (5).

A crítica a Bolsonaro não é unânime entre caminhoneiros. Parte do grupo, em especial líderes das paralisações de 2018, defendem diálogo com o Ministério da Infraestrutura para solucionar o impasse da tabela do frete.

Veja também

Violência contra a mulher também é um problema econômico, diz presidente da Avon
Avon

Violência contra a mulher também é problema econômico, diz presidente

1 em 4 servidores do Executivo Federal receberá até 2021 adicional por promoção
servidores

1 em 4 servidores do Executivo Federal receberá até 2021 adicional por promoção