Balanço

Campos Neto faz balanço da relação do BC com governo Lula em 2023

Em live, presidente do Banco Central se diz frustrado por não conseguir reajuste para servidores

Banco Central do BrasilBanco Central do Brasil - Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse nesta segunda-feira que houve um “ruído natural” na relação com a gestão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no primeiro ano de governo. Segundo ele, isso já foi superado, foi um teste para a autonomia do BC.

O chefe da autarquia monetária foi questionado diretamente sobre a relação com o governo, em live realizada pela instituição nesta segunda-feira.

— Obviamente você teve os ruídos, do primeiro grande teste da autonomia, mas eu acho que superados. É um primeiro teste, tem um ruído natural e vem um grande aprendizado com esse processo em termos de maturidade institucional — avaliou.

A autonomia operacional do BC foi sancionada em 2021, durante o governo de Jair Bolsonaro. Portanto, é a primeira transição de mandato presidencial com a autonomia em vigor.

A autonomia deu mandato para Campos Neto e para os diretores do BC, que não pdem ser trocados por decisão do governo.

— O Banco Central conseguiu manter o trabalho e conseguiu claramente mostrar para a sociedade que é um órgão técnico, que tem uma visão de política monetária e macroeconômica que vai muito além de um mandato de um governo — disse o presidente do BC, que tem mandato até o fim de dezembro de 2024.

Frustração com reajuste
Campos Neto segue para seu último ano de mandato. Ele reconhece como “frustração” o fato das demandas de servidores da casa ainda não terem sido atendidas pelo governo. Os funcionários pedem reestruturação de carreira e aumento salarial.

— A gente faz viagens internacionais e dizem que o BC brasileiro está na vanguarda da tecnologia, mas, ao mesmo tempo, eu vejo que tem uma insatisfação do quadro em relação às condições de trabalho. Essa parte do reconhecimento interno, eu gostaria de ter contribuído mais. Merecimento não falta, diante de tudo o que foi feito. Essa parte interna eu diria que foi a mais frustrante — mencionou.

A diretora de administração do Banco Central, Carolina Barros, vem liderando com Campos Neto as tratativas com o governo.

A chamada operação-padrão dos servidores começou em julho deste ano. Em função disso, há constante atraso na divulgação de dados econômico-financeiros mensais na autoridade monetária.

Pix em outros países
Outro tema tratado pelo presidente do Banco Central, nesta segunda-feira, foram as experiências iniciais de utilização de Pix na Europa e América Latina.

Países vizinhos do Brasil estão empenhados em “adotar” o Pix, diz ele. O desafio agora seria possibilitar a integração ampla com os sistemas de pagamento de outros países, segundo o chefe do BC.

— Outro dia eu recebi, por exemplo, (informações de) países na Europa, as pessoas pagando com Pix. Na América Latina, Argentina, Uruguai, Paraguai você consegue pagar com Pix. A gente vê que tem um interesse grande na plataforma. Mas como eu disse, o grande pulo de gato é conseguir conectar as diferentes plataformas de pagamento, para conseguir fazer a internacionalização — relatou.

Parcelado sem juros
A ideia é acabar com as compras de cartão de crédito sem juros foi mais uma vez negada pelo presidente do Banco Central. Ele assegura, contudo, que a modalidade precisa de ajustes.

O parcelamento sem juros vem crescendo em linha com o aumento do consumo da população, mas, segundo o BC, é um dos motivos para a alta dos juros. O argumento é que as compras com grande número de parcelas dificultam a recuperação de crédito e, consequentemente, aumentam o risco para as instituições financeiras. Uma ideia já ventilada pelo BC é reduzir o número de parcelas.

— Várias distorções no sistema precisam ser resolvidas. A gente entende que precisa ter uma conversa ampla com todos. Em nenhum o Banco Central quer ou vai fazer algum tipo de mudança que influencie a capacidade das pessoas de comprar, mas é importante olhar o longo prazo — disse.

Veja também

Fluxo cambial total em 2024, até 23 de fevereiro, é positivo em US$ 2,886 bi, diz BC
câmbio

Fluxo cambial total em 2024, até 23 de fevereiro, é positivo em US$ 2,886 bi, diz BC

Jaques Wagner: Desoneração de municípios não é um assunto tão maduro quanto dos setores
Desoneração

Jaques Wagner: Desoneração de municípios não é um assunto tão maduro quanto dos setores