Banco Central

Campos Neto: trabalho do BC fica mais difícil se houver a percepção de que não há uma âncora fiscal

Declaração do presidente do Banco Central ocorreu logo depois de o governo confirmar uma mudança na meta fiscal de 2025 para um déficit zero

Roberto Campos Neto, presidente do Banco CentralRoberto Campos Neto, presidente do Banco Central - Foto: Paulo Pinto/Agência Brasil

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou nesta segunda-feira (15) que mudanças que tirem a credibilidade da política fiscal tornam o trabalho da autoridade mais difícil e aumentam o custo da política monetária, ou seja, da política de juros.

A fala ocorreu logo depois de o governo confirmar uma mudança na meta fiscal de 2025 para um déficit zero. Antes, o objetivo era um superávit de 0,5% do PIB.

— Torna nosso trabalho muito mais difícil se houver a percepção de que não há uma âncora fiscal, porque a âncora fiscal e a âncora monetária precisam trabalhar juntas — disse Campos Neto, em evento nos Estados Unidos.

Na última reunião do Comitê de Política Monetária, em março, o colegiado do BC reduziu a taxa básica de juros (Selic) em mais 0,5 ponto percentual, para 10,75% ao ano.

— Sempre que há uma mudança no governo que torna a âncora fiscal menos transparente ou menos crível, significa que você tem que pagar com custos mais altos do outro lado, então o custo da política monetária se torna mais alto — disse.

Na linha do que repete o comunicação oficial do Copom, Campos Neto voltou a falar que o ideal é que as metas não sejam alteradas e que se faça "o máximo possível em termos de esforço" para alcançar os alvos estabelecidos.

— Se, por algum motivo, você tiver que fazer um desvio nisso, é muito importante comunicar bem, porque se as pessoas perderem a confiança na âncora fiscal, então a âncora monetária é afetada, e vimos isso repetidamente em nossa história — afirmou ele.

Para Campos Neto, “o fiscal está se tornando cada vez menos coordenado com o monetário” na maior parte do mundo. Para o dirigente, quando entramos na pandemia, foi muito fácil de coordenar as respostas.

— Mas a saída está sendo muito difícil de coordenar. E não há nada mais permanente do que um programa temporário de despesas. Isso foi uma frase que emprestei do Milton Friedman. Mas você vê isso em muitos lugares diferentes, e acho que isso se tornará um problema — disse.

Veja também

Tesouro informa crédito de R$ 189,856 milhões a municípios do RS em estado de calamidade
BRASIL

Tesouro informa crédito de R$ 189,856 milhões a municípios do RS em estado de calamidade

Arroz: produtores e indústrias do RS pedem ao Ministério da Agricultura revisão das medidas
RIO GRANDE DO SUL

Arroz: produtores e indústrias do RS pedem ao Ministério da Agricultura revisão das medidas

Newsletter